Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

APAGÃO

Euna Britto de Oliveira
Site de Poesia: www.euna.com.br


Estrelas de bênçãos caem
Sobre o convento
Onde esteve nu com o vento
O que se santificou:
Francisco de Assis,
O filho que o pai deserdou.
Edificantes, os santos e as santas.
Edificados, os edifícios.
Não tenho pena de mim.
Não tenho pena...
Não sou ave.
Talvez, suave...
Já tive pena de pavão e achava-a linda!
Pena de estimação, colorida,
Com uma espécie de olho desenhado nela.
Houve um tempo em que usavam colocar nas jarras
Longas penas de pavão
Em vez de flores...
Houve um tempo em que usavam colocar na arena
Em longas vestes, Cristãos
Que se consumiam em dores...

Êh, mundo velho e pagão!
Se facilitar,
A Cidade Luz se apaga.
Black-out... ou
Apagão.
Pode ser que sim
Pode ser que não.
Euna Britto de Oliveira
Enviado por Euna Britto de Oliveira em 27/07/2006
Código do texto: T203509
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Euna Britto de Oliveira
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
995 textos (34684 leituras)
6 áudios (364 audições)
12 e-livros (692 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 20:35)
Euna Britto de Oliveira