Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Estranha

A Estranha
   
Alguns anos depois que eu nasci, meu papai conheceu a estranha que era nova na nossa pequena cidade. Desde o princípio, papai ficou fascinado com esta estranha encantada e logo a convidou a viver com nossa família. A estranha foi aceita em casa.
 
Crescendo, eu nunca questionei o lugar dela em minha família. Em minha mente jovem, ela teve um lugar especial. Meus pais eram os meus instrutores complementares: A mamãe  me ensinou o bem e o mal, e o papai me ensinou a obedecer. Mas a estranha era nossa contadora de histórias. Ela nos mantinha sob encanto por horas a fio com aventuras, mistérios e comédias.
 
Se eu quisesse saber qualquer coisa sobre política, história ou ciência, ela sempre soube as respostas sobre o passado, o presente e até mesmo parecia capaz de predizer o futuro! Ela levou minha família ao primeiro jogo de futebol. Ela me fez rir, e ela me fez chorar. A estranha nunca deixou de falar, mas o papai não parecia notar.
 
Às vezes, a mamãe levantava quietamente enquanto o resto de nós falava baixinho um ao outro para escutar o que ela tinha a dizer, e ela ia para a cozinha para ter paz. (Eu gostaria de saber se ela já não rezou para a estranha partir.)
 
Papai regeu nossa casa com certas convicções morais, mas o estranho nunca fui obrigado a seguir as regras. Por exemplo, a profanação não foi permitida em nossa casa. Não de nós, nossos amigos ou qualquer visitante. Nossa visitante, porém, falava palavras proibidas e fizeram meu papai ficar aborrecido e minha mãe ruborizada.
 
Meu papai não permitiu o uso de álcool. Mas o estranho nos encorajou a experimentar. Cigarros, charutos também. Ela falou livremente (muito livremente!) sobre sexo. Os comentários dela às vezes eram descarados.
 
Eu sei agora que meus conceitos sobre relações foram fortemente influenciados pela estranha. Repetidas vezes, ela se opôs as valores dos meus pais.
 
Mais de cinqüenta anos se passaram desde que a estranha entrou na nossa família.

Ela continua deslumbrante como era no princípio. Se você pudesse entrar em casa hoje, você ainda a acharia num canto, esperando por alguém que queira passar algumas horas com ela.

O nome dela?....
   
Nós a chamamos “a TELEVISÃO”.

Ela tem um irmão mais jovem agora: nós o chamamos “o computador”.
Fernando Remedios
Enviado por Fernando Remedios em 11/09/2006
Código do texto: T237534
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fernando Remedios
Peruíbe - São Paulo - Brasil
24 textos (1320 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:47)
Fernando Remedios