Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A PROVA OPERATÓRIA COMO APROVAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO

          Diversos autores preconizam que a compreensão e significação existenciais, estão intrinsecamente ligadas ao processo ensino-aprendizagem e, todavia, na inserção e avaliação das dimensões relacionais, no coloquial do aluno com o mundo, na leitura e escrita e, por fim, no contexto da “aula operatória”, uma vez que a observação da nossa realidade, mostra-nos que grande parte dos professores sente inúmeras dificuldades na avaliação da prova operatória, na indução ao contexto da produção e conseqüentemente na aprovação coletiva do conhecimento.

          Por outro lado, esses mesmos autores reforçam concomitantemente a importância da avaliação, como instrumento de apoio às ações e premissas educacionais. Desde a observação de uma criança na escola de educação infantil (seus primeiros passos), passando pela discussão da possível reprovação de um aluno num conselho de classe, o processo de avaliação é deveras angustiante, porque se vê de certa forma, acompanhado de dúvidas, incertezas e muitas vezes da própria incoerência dos envolvidos, até porque, requer algumas reflexões que tem como objetivo crucial: a apresentação de propostas inerentes à prática pedagógica, no que se refere a uma das dimensões desse amplo processo: a elaboração e aplicação de provas.

          Como auxílio a professores, orientadores e diretores, no sentido de repensarem as experiências do cotidiano, a análise da prova é vista como um dos úteis e possíveis instrumentos de avaliação; pois, a prova é capaz de oferecer subsídios ao professor, para que o mesmo possa entender como está se processando a organização do conhecimento e desenvolvimento dos pensamentos do aluno e, a sua relação com esse mesmo conhecimento.

          Portanto, a vedete acadêmica reforça que a Educação, em geral, e a Escola, essa mesma, em particular, pouco avançaram, já que não houve, em comparação a outras áreas das atividades humanas, a esperada e necessária evolução. Ou seja, o cotidiano da escola ainda é o mesmo de anos; Os recursos tradicionais como a lousa, o giz, o professor falando, o aluno escutando, as classes em dia de prova, divididas em turnos “a” e “b”, as notas, a caderneta, etc., etc., são ainda no universo escolar deste país, as principais ferramentas de acesso à realidade educacional, no contexto ensino-aprendizagem.

          Comumente, a prova ainda é vista como instrumento de cobrança, pois, passa a ser tida como fator ocasional em que o professor excedendo o vínculo com determinado conteúdo ministrado, irá verificar o que aluno realmente aprendeu. No entanto, nessa condição, existe um ritual de preparativos, pessoas, coisas e, logicamente dentro de um aspecto conjuntural.

          É neste momento repleto de expectativas que as ações modificam o cotidiano da escola, impondo-lhe um ritmo diferente e alterando até o espaço físico da sala de aula.

          Face às possíveis razões que justificariam tais desvios, uma delas é imensamente triste: em meio à tempestade da supervalorização do ter e da depreciação do querer, o ser humano é relegado face ao ensino-aprendizagem a um segundo plano, isso apenas justifica a desvalorização da cultura e das ciências, num desprestígio inequívoco do aparato econômico, cultural e social do estudo, da escola e principalmente do professor.

          Os problemas são sempre formados por uma ou mais palavras operatórias. Elas indicam qual a habilidade operatória que se quer observar ou a resposta que o aluno venha a dar. Para isso faz-se interessante: analisar, classificar, comparar, levantar hipóteses, justificar, explicar, interpretar, descrever, reescrever, opinar, calcular, determinar, comentar, expor, construir, relacionar, sintetizar, dentre outros fundamentos não menos importantes.

          A prova operatória e a relação coloquial podem servir como mecanismos de descontração, ajudando a diminuir a tensão, que histórica e culturalmente, é imposta nos momentos de avaliação. O tratamento coloquial mobiliza o aluno, chama-lhe atenção, estimula a ação da percepção, pois “...a prova operatória nada mais é que uma conversa permeada pelo respeito e a consideração”.
       
          Enfim, o coloquial envolve a estrutura cognitiva do aluno, oferecendo-lhe a oportunidade de organizá-la. Desta forma, a prova operatória, é nada mais que a relação aluno-mundo, numa compreensão quase imediata do universo que o cerca, a partir de uma visão macro, tendo como resultado a análise do conhecimento, acreditando-se no desempenho satisfatório.

          A teoria de Jean Piaget quanto ao desenvolvimento humano infere claramente que o afeto é tido como um motor da ação. E, nós, sem o menor risco de contraí-lo, aumentamos esta percepção: inundado pela relação sociocultural, esse afeto é mais que um motor da ação, é o regulador da operação.

          Este relacionamento afetivo será também reflexo do que o professor e alunos entendem como “relação interpessoal”, ou simplesmente, o reflexo de como se enxerga a PESSOA HUMANA.
 
          A aula, por sua vez, é um momento extraordinariamente importante. E a relação interpessoal que a condiciona e a envolve, mais ainda.

          Alfabetizar uma criança, respeitando a sua individualidade e pensando-se na diversidade, é tão importante como qualquer ação de cunho político, social, cultural e/ou econômico. É o compromisso da ação e reação, na interação e no uso de dinâmicas, técnicas e metodologia ampla e diversificada, polarizando o pensar e o operar.

          Haja vista, o vocacionado professor, capacitado e apto a interagir com os alunos, embasado no conhecimento que lhe é peculiar, é o agente causador das transformações, uma vez que dissemina o conhecimento, na condição de líder absoluto e partícipe no processo. Essa é uma demonstração sapiente da sua importância na construção da liberdade, autonomia e independência.

Marco Oliveira
Enviado por Marco Oliveira em 29/05/2008
Reeditado em 18/05/2009
Código do texto: T1009903
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Marco Aurélio Oliveira). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marco Oliveira
Pirapora - Minas Gerais - Brasil
659 textos (208188 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/11/14 22:00)
Marco Oliveira



Rádio Poética