Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Você sabe o que é nióbio?


     O subsolo brasileiro, especialmente o da Amazônia, possui as maiores jazidas de nióbio do mundo. Curiosamente, fala-se muito pouco a respeito dessa reserva estratégica. Muita gente nem sabe que temos esse tesouro, nem o que é e, muito menos o quanto vale.
     Basicamente, o nióbio é usado largamente em aços e ligas metálicas de grande rigidez, dureza e estabilidade térmica. É igualmente empregado em cápsulas espaciais, mísseis, foguetes, reatores nucleares, semicondutores e também produção de aço inoxidável, ligas supercondutoras, cerâmicas eletrônicas, lentes para câmeras, componentes para a indústria naval e fabricação de trens-bala, armamentos pesados, indústria aeroespacial, instrumentos cirúrgicos, e equipamentos óticos de precisão.

     Como denuncia o professor Ronaldo Schlichting, membro da Liga da Defesa Nacional, o processo ocorre de forma sub-reptícia, com a participação ativa de lobistas, corruptos e deslumbrados. O povo na sua esmagadora maioria desconhece o que de gravíssimo está ocorrendo na sua frente e não esboça algum tipo de reação. Por trás, os países hegemônicos, mais ricos, colonizadores, injetam volumosas fortunas em suas organizações nacionais e internacionais (ONGs, religiosas, científicas, diplomáticas) para corromperem e corroerem as instituições e autoridades nacionais para conseqüentemente solaparem nosso patrimônio.

     Eu já denunciei essas manobras, aqui mesmo (“De olho nas ONGs internacionais”). Este tipo de acontecimento é presenciado no momento no Brasil. E devo ter razão, pois não apareceu nenhum sacana a fim de me processar.

     Não é estranho que quase todos os milhares de índios de Roraima tenham sido deslocados e ajuntados pelas ONGs internacionais justamente sobre as maiores jazidas mundiais de nióbio, urânio e ouro existentes na Raposa-Serra do Sol? Não é estranho que os quatro povos indígenas, que historicamente nunca conviveram bem, foram juntados compulsoriamente em Surumu, local de uma enorme jazida de estanho (cassiterita), metal estratégico para a Inglaterra?

     Mais estranho ainda, é que nessa área está a ONG inglesa Surviving do Príncipe Phillip, o marido da Rainha Elizabeth II. Eles dizem cinicamente que querem salvar a floresta. Sintomaticamente, só o Brasil assinou (foi o único país da América do Sul), o tratado na ONU que aceita que povos indígenas declarem-se nações independentes, desde que tenham apoio internacional.

     A multinacional Molycorp, a companhia que exporta 95% do Nióbio que retira do Brasil (é a maior exploradora do metal do mundo) é financiadora de projetos do Instituto Cidadania e do Fome Zero. Gozado, né?

     O mais estranho é que as ONGs estrangeiras dali, estão enviando índios brasileiros para cursarem universidades na França, Suíça e Inglaterra, em cursos de Administração Pública, Direito e Relações Internacionais, apresentando-os regularmente em programas de tevê europeus, nos quais difamam o Brasil e seu povo (EuroVision em 23/06/2004; CNN Espanhol em 12/02/2005; Deutsch Welle em 21/03/2006).

     Quem sobreviver verá.


Antônio Mesquita Galvão
Enviado por Antônio Mesquita Galvão em 25/06/2008
Código do texto: T1050659

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antônio Mesquita Galvão
Canoas - Rio Grande do Sul - Brasil, 72 anos
865 textos (251658 leituras)
10 e-livros (3332 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/10/14 07:30)
Antônio Mesquita Galvão



Rádio Poética