Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NÃO SE PISA DUAS VEZES NO MESMO RIO...

Eis um ditado que reflete a transcendência das coisas não somente em tudo que nos cerca, mas também em nós mesmos. Portanto, quão frágeis se tornam as nossas muitas "insustentáveis ilusões do ser"!

Lembro-me de como era a casa dos meus pais quando solteira; hoje, passados muitos anos, chego lá e, por mais que me coloque à vontade pela referência forte que o lar materno representa, não se trata mais da mesma casa. Como uma visitante qualquer, pergunto tudo: posso pegar isso? Posso tomar um banho? Posso abrir a geladeira?...

Tanta coisa mudou: os móveis, a decoração, os quadros, o banheiro após as obras...outra casa. Outro lar. E também, "outros pais"...

Assim também, portanto, conosco. Muitas vezes nos pegamos proferindo estas inofensivas inverdades: sou assim; sou assado. "Sou desse jeito: quando não vou com a cara de um, alguma razão existe..." - esquecendo-se de que é mais do que provável que, daqui a alguns anos, exista a séria possibilidade de "se ir com a cara" daquele com quem antipatizávamos antes.

Sou Técnico, em lugar de "estou como Técnico". Sou romântico, em lugar de "tenho andado romântico". "Sou avêsso a críticas", sem se dar conta de que o andar da carruagem, muito possivelmente, há de ensiná-lo que, em variadas ocasiões, as críticas são boas conselheiras. Ajudam. Engrandecem a nossa acanhada percepção da vida em diversos aspectos.

Tudo é muito fluído, transitório. E o fluxo deste rio não corre apenas fora, mas também dentro de nós mesmos. Não somos os mesmos de dez anos atrás. Tudo se modificou - as próprias células do nosso corpo se renovaram. Fora e dentro, na cor e no comprimento dos cabelos, no gosto pelas roupas, na cor dos olhos, no peso corporal, nas preferências, no modo de se encarar a vida, na ocorrência maior ou menor dos sorrisos em nosso rosto; a profissão, as atividades, a moradia...quem somos nós, afinal de contas? O mesmo de ontem? Sob esta perspectiva mais vasta o que fomos ontem torna-se, necessariamente, um espectro...

O fluxo do rio correu e corre sempre, também em nosso íntimo, para a benvinda renovação da vida, e de nós mesmos.

Dentro como fora, portanto, tudo que se vê é a impermanência. As águas são outras, puras, rejuvenescidas. Em qualquer tempo que se viva, nos corações e nos dias, "não se pode pisar no mesmo rio duas vezes..."
Christina Nunes
Enviado por Christina Nunes em 29/01/2006
Reeditado em 29/01/2006
Código do texto: T105545
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Christina Nunes
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
569 textos (125860 leituras)
8 e-livros (5720 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 05:50)
Christina Nunes