Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SOPA DE PATO

Receber. Hospedar pessoas em casa - pessoas amadas de coração, da família, ou amigos. Gosto. Juro que gosto! Algo simples assim, no entanto, pode gerar muita incompreensão.

Costumo dizer sempre que gosto de hospedar bem. Bem! Nunca me agradou a idéia de pessoas amontoadas em casa como numa lata de sardinha, espalhadas em colchonetes, ou chegando de improviso, justo na hora da faxina, ou nos flagrando no instante da pior bagunça dentro de casa, a título de "fazer surpresa". E não é só por prezar a privacidade, terreno que julgo sagrado no âmbito de qualquer lar, já que jamais chego de improviso na casa de ninguém, ou "me convido" para hospedar-me na casa de quem quer que seja. Penso, também, na mesma proporção, no bem estar de quem chega - gosto de ter um bolo gostoso feito para servir, de estar com a despensa devidamente abastecida, com a casa limpinha, a cama do hóspede definida e arrumada com lençóis perfumados. Chegadas de surpresa me deixam tonta, exatamente por isso: materializa-se um tumulto que me apanha desprevenida; o ambiente fica com ar de ciclone, tenho que fazer tudo correndo, suprir tudo que falta - aquela sensação intragável de que, repentinamente, a minha casa se transmutou, compulsoriamente, em hospedaria de beira de estrada, sem infra-estrutura alguma...

Mas, como disse, isso gera muita incompreensão; há os que me chamam de anti-social, e que mesmo consideram-me - bem o sei - "grosseira", em função disso que batizam de "frescura". A velha dicotomia: se não nos preocupamos com as visitas - se os recebemos com desleixo, sem bajular, sem servir, sem oferecer o melhor - somos grosseiros. Se nos preocupamos em receber da melhor maneira, exigindo somente a devida compreensão para o princípio comezinho da civilidade, que é o telefonema ou aviso prévio da visita - somos grosseiros...Vá entender...

Não que as minhas portas e telefone não estejam abertos e disponíveis a todos que amo e prezo, em momentos de necessidade premente, seja de dia ou de madrugada. Mas ainda prefiro pecar optando pela "frescura".

Vou contar-lhes a história da sopa de pato, e vocês entenderão o porquê.

É mais ou menos assim: havia um sábio que morava retirado, numa casinha lá pros lados das montanhas, famoso, contudo, pela sua recepção esmerada a todos os que o visitavam em busca de conselhos ou por amizade. Sobretudo, era conhecido pela famosa, suculenta e deliciosa sopa de pato que servia aos seus visitantes.

Acontece que, por causa disso, com o conhecimento deste pormenor se disseminando qual rastilho de pólvora pelo lugarejo, as pessoas acharam por bem começarem a visitar o sábio não movidos por amizade ou por afeto, ou visando usufruirem do enlevo proporcionado por sua amorosa sabedoria...mas atraídos, unicamente, pela legendária sopa de pato. E assim que chegavam, diariamente, em grande número, proferindo o mesmo jargão: diziam-se amigos do amigo que viera ontem, alegando um pretexto qualquer para justificar a visita e, uma vez recebidos, instalavam-se, faceiros, na casinha hospitaleira à espera da sopa que o sábio, inalteradamente amável, sempre a todos servia.

Só que ao sábio, até por ser sábio, não escapou por muito mais tempo aquele ardil, camuflado por debaixo da onda estranhamente crescente de visitas insólitas, tanto de conhecidos, quanto de desconhecidos que, bem o sabia, nunca anteriormente lhe haviam dedicado tamanha deferência. E, desta forma, arquitetou uma mudança sutil nos seus hábitos de hospedeiro amistoso e gentil.

Chegou o dia em que a trigésima ou quadragésima pessoa bateu à sua porta com a mesma conversa dos visitantes dos dias anteriores: era conhecido de um colega do amigo de um outro amigo que ali estivera nos dias anteriores. O sábio, agora avisado, recebeu o homem como de costume,e exibindo o mesmo sorriso amigável. Conversaram sobre assuntos improvisados e desprovidos de conteúdo útil, que o visitante evocou, na necessidade de algo que justificasse, ali, a sua presença e, como as horas fossem se passando e o sábio não se mexesse para oferecer-lhe o atrativo maior do costume, o homem achou por bem comentar, ensaiando frouxa bonomia: "Soube da maravilhosa sopa de pato com que o senhor sempre agracia os seus visitantes, e não posso deixar de confessar o meu franco desejo em saboreá-la! É famosa em toda a região!" Ao que o sábio apenas sorriu, levantando-se, e, dirigindo-se até a cozinha, deixou o visitante satisfeito. "Enfim, depois de toda esta conversa mole, vou provar a sopa de pato!" - pensava.

Pouco depois voltava o sábio com o prato fumegante, que depositou, silencioso, à frente do homem que, já apenas ao olhar de relance, expressando indisfarçável decepção fisionômica, comentou, num desconsolo velado:
- Mas...é esta a sopa de pato de que todos falam?! Mais parece haver aí, neste prato, apenas água rala, e ligeiramente amarelada! Mal posso imaginar algum sabor nisso!...
Sorriso irremovível no rosto digno e sereno, o sábio apenas comentou:
- É que esta é a sopa da sopa da sopa da sopa de pato que o conhecido do colega do amigo do seu amigo tomou naquele outro dia...

Eis aí a essência da questão: visitar e receber são uma arte. A intenção é tudo o que conta: e por isso, prefiro receber meus visitantes com a verdadeira "sopa de pato" - desde que estes, por sua vez, saibam hospedar-se graciosamente, em razão de estima sincera que, infalivelmente, vem dotada da sensibilidade naturalmente reveladora de que a privacidade alheia - e principalmente a dos que amamos e verdadeiramente estimamos - é sagrada, e digna do mais reverente respeito, assim como todos apreciamos ser, na mesma medida, tratados e considerados...

Com amor,
Christina Nunes
Enviado por Christina Nunes em 10/02/2006
Código do texto: T110159
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Christina Nunes
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
569 textos (125850 leituras)
8 e-livros (5720 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 10:52)
Christina Nunes