Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A IGNORÂNCIA E AS ELITES PENSANTES

A ignorância e as eltes pensantes

LÍLIAN MAIAL


Ando cá confabulando com meus botões, que me sinto enfastiada com a mesmice do brasileiro. Deixei há muito de repetir as coisas todas, porque percebi que eu sou uma das responsáveis, como você, e como a Marta Medeiros, de tudo
continuar como está.
Li o texto da Marta, que saiu publicado no ZH de 01/03/06, onde ela comenta que ficou estarrecida com as recentes pesquisas de opinião que dão como certa a reeleição de Lula.
Ela se entristece ao perceber que o povo ignora tudo, que não se deu conta das acusações de corrupção e falcatruas. E chegou à conclusão de que o povo se comporta dessa maneira porque não lê, porque não estudou, porque mal sabe assinar o nome.
Mas o pior de tudo, é que ela mesma dá a solução, que todos nós, há décadas, já sabemos. Só que fica por isso mesmo. Todo mundo sabe (e não precisa ser político) que a única saída para o Brasil é a educação. Mas e daí? Eu sei, tu sabes, eles sabem, mas nós não fazemos, vós não fazeis, todos continuam na ignorância, e ?eles? se dão bem.
Colocar todas as crianças e adolescentes dentro de uma escola integral, para que saíssem com uma profissão, com cuidados odontológicos, nutricionais e médicos, isso todos conhecem, desde os tempos de Darcy Ribeiro, levado a
cabo por Leonel Brizola, de maneira populista, com os CIEPs. E aí? Muda o partido, cai o governo, e o governo seguinte desfaz ou abandona os projetos milionários e promissores do governo anterior. E o povo?

Todos sabem que a CPMF fora criada para a redução das filas indecentes nos Postos de Saúde, para melhoria do atendimento à população. E o que houve com a CPMF? Por que os Postos de Saúde não mudaram para melhor? Por que a
equipe de Saúde continuou a amargar salários infames, que os obriga a jornadas múltiplas, com o comprometimento da saúde de quem deveria cuidar da Saúde?


Mas sabem por que nada muda? Porque ficamos aqui escrevendo reclamações e acumulando pesquisas, ao invés de agirmos, de formarmos frentes de apoio e mudança.
Porque ficamos enumerando as causas e as conseqüências, sem que ninguém se manifeste para começar a mudar alguma coisa.
Mostrar que os políticos estão mamando, que não valem nada, que o povo passa fome, sofre de mazelas incompreensíveis, é analfabeto, isso todo mundo sabe e não adianta. Não quero mais ouvir reclamações inúteis! Sinto muito, Marta, mas não é por aí.
Lula será reeleito por sua causa, minha irmã! E por minha, e por causa de todos os que nos lêem. Assim como foram eleitos Collor e FHC (reeleito), com todos os escândalos bem piores do que os atuais. Aonde foi parar a memória
do povo? Por que não reavemos a fortuna roubada das poupanças de centenas de milhares de brasileiros? Por que não foram punidos os responsáveis pela maior covardia financeira, rombo nacional? Rombo esse que, ao longo dos anos, vem vilipendiando a previdência, a ponto de ser necessário aumentar a idade limite para aposentadoria por tempo de serviço, pelo simples fato do buraco ser tão profundo, que não há mais dinheiro para pagar os milhões de novos aposentados.
 O que adianta o povo ficar sabendo o que se passa, se nós sabemos e nada fazemos, a não ser espernear?

 Estou realmente farta dessa argumentação! Recuso-me a ler textos apontando o quanto os políticos são corruptos e o povo ignorante, sem educação, sem salário digno, sem saúde, sem teto...

Pra que tudo isso, se sabemos todos, muito bem, que por mais que nos atinja o que vemos por aí, ainda conseguimos levar do jeito que está, não é verdade?
Afinal, eu e você temos, mal ou bem, um plano de saúde que ainda paga as ressonâncias magnéticas; uma condição de pagar um bom colégio para os filhos, de forma que eles possam passar no vestibular para uma faculdade do governo.
Temos um teto financiado em 20 anos, mas temos. Temos um carrinho pra curtir uma praia. Temos a grana pro DVD, prum cineminha, um chope, um motel.
Então, pra que nos estressarmos com essas questões todas? Vamos reclamar, mostrar que somos elite pensante, e simplesmente pensar!

Não! Tá na hora de parar de pensar e começar a AGIR!
Tá na hora de formarmos grupos e organizarmos plataformas de governo, nos unirmos em nossas comunidades, clubes, igrejas, associações d ebairros, e tirarmos novos candidatos que estejam integrados com nossa vontade de mudar.

Tá na hora de nos comprometermos com a política e o futuro da nação.

Eu, que não entendo patavina de poder, que não consigo dar ordens ao cachorro; você, que não larga o conforto do sofá no final do Domingo, todos os que estão lendo, que se sabem pseudo-protegidos num país ?sem guerra?... Pois sim! Como se conseguíssemos disfarçar a guerra em que vivemos, com toque de recolher, necessidade de autorização dos comandos para ir e vir, medo, grades, alarmes...
Quando vamos tirar as vendas e enxergar os invasores no nosso jardim?
Quando vamos perceber que essa briga é nossa?
Quando vamos parar de escrever artigos apontando culpados, e vamos assumir que nós, em nossa inércia e aquiescência, somos os maiores culpados pela corrupção, pela impunidade, pela pouca vergonha?
Então vamos à luta! Vamos levantar do sofá, vamos buscar os que pensam iguais a nós e vamos nos contagiar de vontade, de esforço, de esperança. Mas vamos parar de reclamar e vamos fazer! Já! Hoje! Agora!
Por que você ainda está sentado aí? Já olhou seu carro lá fora? Tem certeza que ele ainda está lá?


***************
Lílian Maial
Enviado por Lílian Maial em 06/03/2006
Código do texto: T119696

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Lílian Maial
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1158 textos (248733 leituras)
21 áudios (13707 audições)
3 e-livros (1280 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 08:30)
Lílian Maial

Site do Escritor