Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AS VARIANTES DO TEMPO

O tempo cura todos os males. O tempo é que dirá. Quem viver, verá. O famoso “dar um tempo”, na relação amorosa. Enfim, muitos são os ditados populares envolvendo o tempo.

O tempo atravessa nossa vida, determina o prazo para realização de nossos sonhos e fundamenta toda a nossa existência. O tempo pode ser medido através do relógio, pelas estações do ano, por meses, períodos e ciclos. O certo é que o tempo é relativizado para cada um, pois poderá representar uma eternidade quando estamos doentes ou voar durante o fim-de-semana ou no período de férias. A verdade é que tudo tem o seu tempo, como está transcrito no Velho Testamento no livro de Eclesiastes, capítulo 3.

O espelho é o maior inimigo do tempo. O reflexo da imagem refletida revela cabelos brancos, sinais de expressão, a maturidade da vida e o cansaço vivido dia a dia. O fator físico é medido no tempo, entretanto, psicológica e espiritualmente falando, o tempo só nos faz crescer, pois mesmo distantes da juventude, muitas vezes, temos vontade de dançar, cantar algo ou mesmo brincar de esconder com algum filho ou sobrinho, embora haja um descompasso entre as idades real e sentida. É por isso que muitas vezes, estamos diante de pessoas idosas fisicamente, mas tão alegres e divertidas que nos parecem jovens e realmente o são, pois jovens de espírito.

A verdade é que muitas vezes ouvimos dizer das pessoas que o tempo para elas já se passou. Ou então ouvimos histórias da mocidade, como se aquele tempo vivido fosse melhor do que o atual, e de fato para alguns realmente o foi, pois representou a época áurea das realizações.

A nossa vida é regida pelo tempo. Somos escravos do relógio e das convenções sociais. Como almoçar ao meio dia, dormir até tal hora, casar até os trinta anos, ter filhos até os quarenta, a aposentadoria até os setenta e morrer até os cem anos. Na verdade são rótulos que nos impõem e aceitamos sem refletir. O certo é almoçar quando se tem fome, deitar quando se tem sono, ter filhos quando existe estrutura familiar para tal, casar quando se ama aos vinte, trinta ou oitenta, aposentar-se quando o corpo já se sente cansado e morrer quando Deus nos chama para a vida eterna.

A vida é feita de muitos caminhos e estradas. Algumas floridas e outras nem tanto. O certo é que não podemos subtrair as emoções da vida, sejam boas ou ruins, pois tudo opera para que cresçamos como pessoas e o tempo só opera em nosso favor, pois nos oferece sabedoria e vivência e não raras vezes nos torna melhores como pessoas e mais tolerantes com os erros e falhas alheias.

Não podemos esquecer que existe o tempo de maturação. Do plantio e da colheita. Da seca e da fartura. Do riso e da lágrima. De nascer e de morrer.O tempo é como a onda do mar, ele não volta, como a água passada, o vento sentido e o último outono. O ciclo da vida é mutável. Os sonhos se transformam e o tempo não para, como disse o imortal Cazuza. É pena que não podemos congelar o tempo, como o dia do casamento, da formatura, uma viagem inesquecível, a festa dos quinze anos, mas a nossa memória revive em fração de segundos boas lembranças e o tempo presente se encontra com o passado na fugacidade de nosso pensamento.

O dia hoje está bonito e ensolarado. O tempo é bom. Amanhã poderá não ser. Assim, não vamos deixar para amanhã o que podemos fazer hoje. Como diz o escritor Og Mandino, em seu celebre livro: "O Maior Vendedor do Mundo", vamos viver o dia de hoje como se fosse o nosso último dia.
pássaro poeta
Enviado por pássaro poeta em 27/03/2006
Código do texto: T129444

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
pássaro poeta
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
537 textos (101680 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:09)
pássaro poeta