Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Suburbanos

 

   É madrugada, o sol ainda não despontou e uma multidão já toma as ruas. Vão os atrasados,   pessoas sem recursos; o sapato quase rasgando, roupa fora de moda...é o melhor que eles têm. No fundo, sabem que vai chegar o dia em que tudo dará certo; vai ser como um tiro certeiro...na mosca! Será como tirar a sorte grande, um gol aos quarenta e seis minutos...na gaveta!

A maioria segue seu caminho, a eterna rotina que se estende por longos anos. Como são muitos, agrupam-se e juntos sobrevivem às devassas; agremiados, criam sua própria gíria e seu dialeto é forjado em palavrões, gestos obscenos. Baseiam-se na força e subjugam o lado sensível, temeroso de serem difamados ou menosprezados.Externam as suas emoções em trajes provocantes, usam tatuagens, estampas exóticas em manifesto ou em protesto contra uma causa que nem eles próprios sabem definir. Conhecem o submundo, os vícios, as drogas; sabem da dor e da solidão. Escravos do sistema, envolvem-se com qualquer propaganda. Falam alto, são exagerados, admiram Stallone, Van Damme; fixando-se nos mitos que fazem tudo aquilo que são incapazes de fazer! Mesmo sendo obra fictícia, deixa-os extasiados porque os "caras são demais, arrebentam"!

Criativos, fazem a própria moda, um esforço desesperado para serem vistos, na esperança de não ser mais um na multidão. "Curtem" o que é soft, "transam" tudo o que é diet, gostam de samba, do pagode e de tudo o que é divertido, lascivo e provocante. Divertem-se com os deboches, gostam do "rala coxa". Destemidos, são guerrilheiros que doam seu sangue por tão pouco. Constituem a maioria nas festas, nas filas, nos hospitais. É a massa que alimenta o comércio, as indústrias; é a mão forte que mexe o concreto, que trabalha a terra e a faz produzir. São os alicerces da sociedade, aptos para o trabalho pesado onde a tecnologia se faz improdutiva. Crescem desordenados, com dentes cariados, sorrisos tímidos, envolvidos de malícia, porque os homens só se fazem sinceros quando se vêem acuados; e, se a vida não lhes confiou fortunas, os “macetes" para a sobrevivência eles os têm desde a infância.

O horóscopo do dia afirma que haverá surpresas; que alguns passam pelo inferno zodiacal. Outros estão na fase dos grandes amores e há aqueles que se sentem no paraíso astral. Jornais e revistas reservam espaço em suas publicações. Trazendo presságios para todos vai despertando a situação ambígua que influencia as pessoas, as ideologias, os grandes "lances", o mundo empírico de cada um que os leva a uma busca constante de sua real personalidade. Que Paraíso seria esse se há coisas grotescas acontecendo?...Também não é Inferno, pois têm momentos inesquecíveis e, por serem humildes, desconhecem suas forças e o que poderiam fazer por seus mundos. Nesse paradoxo, passam pela vida, repetindo "chavões" e "bordões" inexpressivo. Possuem, no entanto, uma certeza: logo chegará o dia em que não será necessário conquistar as coisas no "grito"; será como tirar a "sorte grande", uma grande "tacada", uma flecha certeira...na mosca!... Tão agradável como uma bola metida no ângulo aos quarenta e tantos minutos...Indefensável!.. é só esperar.

 
A Notícia. jul.1997.
 
 

 

 
Ciro do Valle
Enviado por Ciro do Valle em 29/03/2006
Código do texto: T130664
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ciro do Valle
Salesópolis - São Paulo - Brasil
99 textos (5150 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:42)
Ciro do Valle