Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sorrindo e crendo

"D’onde viemos... se pedimos para vir" –  são questões indecifráveis,que não interferem contudo na missão real que se apresenta: viver.
Como uma construção, tijolo a tijolo,célula a célula  se esticam para o alto e se expandem,respeitando o limite restrito estabelecido pela lei divina.
Cedo amadurecem galhos empurrados por raízes que suprem e apóiam,tanto o ser inexorável quanto angelical, nos momentos de tormenta ou de candura, transfigurando-se compativelmente às expectativas individuais,que se mutam nas horas e nas eras, nascendo ou matando perspectivas.
Em romaria contínua, almas buscando luz, deparamos com obstáculos físicos,a começar pelo casulo que nos envolve,
não diria que nos protege pois a Proteção Superior atinge a essência plena e não a casca fugaz e falsa.
Os transtornos são pequeninos, comparados às delícias da natura,com estoque infinitamente disponível ao proposito da
nossa evolução.
Somos nós a fatia,a própria natureza em amplo desenvolvimen-
to conjunto, e devemos cuidar para que a nossa interferência aprendiz não ameace a sincronia do Universo – o corpo inteiro somatório das fatias.
De alma em alma, confabulando medos secretos,vamos amaciando as pedras do caminho até verterem  água santa,para nunca morrermos sem encanto e sem carinho,jamais estrangulando a conquista das almas plenas.
As folhas passarão, as peles, os casulos. Mas a Luz divina – a candeia  eterna que nos faz imortais,reina além de toda eternidade e solitude,não nos cabendo, portanto, perdas chulas, momentâneas,superficiais ou caprichosas.
Conduzamos pois, a energia que vem do Alto para o Alto sempre,que lá é a morada definitiva dos filhos crentes no Pai. Bebamos no sofrimento o compadecimento abençoado,
transfigurado pela fé e coragem, no encantamento  dos mistérios,dos sonhos, das saudades e das esperanças.
Às questões meramente mundanas e voláteis reservemos nossa paciência, tratando-as com o valor que realmente merecem,
compatível ao tamanho de sua importância.
Entretanto, quando se tratar da emoção que mobiliza os irmãos,e do funcionamento pleno da Mãe-terra, detenhamos o nosso maior,o nosso total AMOR desprendido e, lutemos, não com armas que sangram,mas com as armas que só o AMOR nos dá.
Segredos continuarão sendo segredos, mistérios mistérios, porquês porquês,limitações ídem; nossa agonia utrossim, será aplacada pela força sagrada e dias seguirão as eras de florescimento, dúvidas e descrenças fenecerão na certeza celeste onde a dor transcenderá a força crente.
Sorrindo e crendo,não há fardo que pese, nem suspiro que lastime; não há eco sem resposta ou vida morta na vida.

Santos-SP-08/04/2006
Inês Marucci
Enviado por Inês Marucci em 08/04/2006
Código do texto: T136005
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Inês Marucci
Santos - São Paulo - Brasil, 54 anos
584 textos (23412 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 17:54)
Inês Marucci