Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM GRITO DE SOCORRO À VIDA

Com a devida vênia, estou transcrevendo este texto, recebido de um amigo ontem. É um apelo à vida; ao direito à vida, em níveis ainda não devidamente considerados pelo ser humano obcecado com suas prioridades econômicas, e falsas prioridades gastronômicas. São palavras que nos alertam para um fato: o de que, em não nos cabendo os direitos autorais da Vida, não se justifica também, tampouco, a sua violação cruel com o desrespeito e a tortura dos seres irracionais, em cujas veias corre o fluxo vital, e cuja carne se convulsiona em espasmos de dor, tanto quanto a nossa, frente a qualquer agressão natural ou infligida.

O apelo é dirigido a todos nós - cabe a cada um decidir o que fazer dele, em termos de foro íntimo; no entanto, seria conveniente a conscientização urgente de que a Vida cobra o que lhe é usurpado na base da violência. E que não é coincidência o que já observamos globalmente, em termos dos efeitos indiciadores de que, sem dúvidas, a Mãe Terra vem buscando resgatar seu equilíbrio, lançando mão de recursos freqüentemente assustadores aos responsáveis pelas agressões seculares de que vem sendo vítima.

Segue, portanto, abaixo, o texto dígno de profunda reflexão.

"Os Chineses costumam encarar qualquer coisa que se mova como um alimento à sua disposição. Eles consideram o animal um mecanismo, um objeto, cuja dor e sofrimento não nos dizem respeito.

Ironicamente, os piores exemplos de maus tratos acontecem na mesma Ásia onde nasceu o budismo - a mais benevolente e avançada religião do mundo no trato com os animais. Nos tristemente famosos "mercados de vida selvagem" asiáticos há de tudo.Mamíferos, répteis, insetos, batráquios, tudo vai para gaiolas apertadas e lotadas, sem água nem comida. Qualquer foto desses mercados é um permanente festival de sangue, urina e fezes. Há mais do que cheiro ruim no ar: existe medo. E vírus de diferentes espécies novas se combinando uns com os outros. Não é por acaso que foi lá que surgiu a "gripe das aves"...

As imagens mais chocantes registram o que esses mercados destinam aos cães. Os mesmos cães que aqui viram membros da família, ajudam cegos ou orientam equipes de salvamento. Lá, cachorros são comida. E não se deixe enganar: esses mercados chineses não existem para "matar a fome do povo". Chineses pobres comem frango e peixe. Os cães são "iguarias" caras, assim como gatos, escorpiões, cobras, enguias etc. Eu tive a chance de ver fotos e vídeos desses mercados.

Os cozinheiros acreditam que a adrenalina no sangue dos cães amacia a carne. Quanto mais sofrimento, mais apetitoso o prato. Em nome dessa carne macia, a palavra de ordem é torturar os cães até a morte. Eu já via foto de um pastor alemão sendo enforcado na viga de uma cozinha, sendo puxado pelos pés. Eu já testemunhei um vira-latas com as patas dianteiras amarradas para trás do corpo e desisti de imaginar o tamanho de sua dor. Assisti ao vídeo de um cão magrinho que foi mergulhado em água fervendo; retirado, teve sua pele inteirinha arrancada e ainda olhava a câmera, tremendo junto à panela onde foi cozido em vida.

A pergunta básica é: nós, humanos, temos direito a isso? Quem nos deu esse direito? Temos o direito de jogar uma lagosta viva na água fervente? Temos o direito de comer um peixe fatiado ainda vivo no seu prato num restaurante japonês? Temos o direito de prender bezerros em lugares escuros, imobilizados por toda sua curta vida, por um vitelo? Nosso paladar é tão importante assim na ordem das coisas? Um sabor diferente em nossas bocas justifica tudo?

A questão ultrapassa a esfera da ética e da civilidade. A Sars nasce no chão imundo dos mercados chineses. A doença da vaca louca - permanente ameaça na nossa pátria do churrasco - surgiu quando obrigamos o gado a se canibalizar. O terrível ebola se espalha com cada homem africano que devora gorilas e chimpanzés. Vírus mutantes saltam do sangue de aves para o dos homens sem defesas naturais. Segundo a revista inglesa The Economist, nada menos que 60% das doenças humanas surgidas nos últimos 20 anos têm origem em outras espécies animais.

Tony McMichael, pesquisador da Universidade Nacional de Austrália, é bastante claro: "Vivemos num mundo de micróbios". Precisamos ser um pouco mais espertos no jeito como manejamos o mundo ao nosso redor."

Mercados chineses e churrascos africanos parecem fenômenos distantes. Mas o brasileiro continua dependendo demais de alimentação animal. Temos uma churrascaria por quarteirão, e numa cidade de 12 milhões de habitantes, como São Paulo, contam-se nos dedos os restaurantes vegetarianos. E ainda temos um lobby querendo ampliar a oferta de animais nas geladeiras: avestruzes, capivaras, jacarés, tudo criado em cativeiro com carimbo do Ibama.

A cada nova espécie consumida pelo homem, mais uma mistura de vírus - algumas combinações inofensivas, outras não. Para tentar controlar essas doenças, cometemos mais brutalidade: enterramos milhões de aves vivas, afogamos gatos selvagens em piscinas de desinfetante. Provocamos o desastre e massacramos as vítimas.

Temos um caminho inteligente: racionalizar, humanizar e diminuir cada vez mais o consumo de animais. Ou podemos continuar o banho de sangue. Aí, todos nós pagaremos o preço. Quando uma borboleta bate as asas na Europa, pode iniciar um furacão no oceano Pacífico.

A Sars começou em mercados chineses e chegou ao Canadá. A gripe aviária já se espalhou por diversos países asiáticos e ameaçam lugares distantes como o Paquistão e a Itália. Num mundo de vôos diretos, os gritos desesperados de um cachorro chinês podem chegar um dia ao Brasil por meio de alguma nova e tenebrosa sigla."

Com amor,
Christina Nunes
Enviado por Christina Nunes em 07/05/2006
Código do texto: T151949
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Christina Nunes
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
569 textos (125860 leituras)
8 e-livros (5720 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 04:18)
Christina Nunes