Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A curva da ascensão e da queda



Quantas vezes escorregamos em nossa própria sombra e mesmo assim, insistimos em continuar no mesmo caminho, com os mesmos métodos, buscando ideais que poderiam ser substituídos por outros, mas concretos ou condizentes com nós mesmos?

Sim e o que adianta termos uma Ferrari se não poderemos pagar o seguro e a sua manutenção?

Muitos vendedores, muitas empresas acham que é possível ter uma grande fatia do mercado mesmo sem poder dar a devida atenção que ele merece, subjugando a concorrência e os próprios clientes, porque acreditam que eles vão comprar porque assim o querem, quando a compra parte sempre do próprio mercado (cliente) e não dá vontade dos vendedores e das empresas em si.

O Brasil vive em crise política e mesmo assim, muitas empresas conseguem uma posição de destaque neste cenário, devido a vários fatores. O que mais mexe com a venda em si é o da motivação – motivo para uma ação –, porque se uma equipe de vendas não estiver motivada suficientemente para matar um leão todos os dias, logo o desânimo domina e as vendas despencam tal qual pára-quedista em queda livre: se não identificar logo o momento certo de agir, o tombo é certo, é mortal.

Sou um cinqüentão com muitos anos de venda, mas ainda não aprendi o suficiente para poder achar que eu domino o mercado; agora, quanto falta para eu dominar?

Jamais alguém domina o mercado, porque mesmo sendo monopólio, alguém criará alternativa e o primeiro passo é dado, na criação da concorrência. Mesmo governos de ditadores, sempre têm um plano b e este, legal ou ilegal, é a concorrência.

Portanto, o que leva as empresas a forçar um andar diferente ao do mercado, exigindo de suas equipes de venda à conquista de cotas, criando barreiras que ao invés de ajudar na realização dos objetivos, atrapalham?

É a mesma história de sempre: se impuser uma cota elevada, muito acima do que o mercado suporta à equipe de venda, devido as necessidades da profissão e familiar, muitos tentarão cumprir estes objetivos, mas muitos vão morrer na praia, a poucos reais da cota. De outro lado, as vendas aumentam e o lucro também, porque no não cumprimento das cotas, os prêmios (comissão disfarçada) não serão entregues e a empresa não gastará. É fácil, mas é a realidade.

É claro que haverá aqueles que desistirão no começo, mas o verdadeiro vendedor lutará até o final de sua força e do seu dinheiro, mas estará sempre dentro da curva de ascensão e da queda – a sua ou a da empresa, que não mais vendendo, por exigir demais, poderá ser eliminada do mercado.

Hoje é considerado o dia do marketing e finalmente eu consigo compreender o significado do marketing, resumindo em uma única frase: é o coração da empresa, voltado a ajudar o mercado, na tradução de suas necessidades e desejos, procurando sempre na inovação com criatividade, estar presente naqueles clientes; quando não, na abertura de novos.

Mas os administradores não podem esquecer que o elo entre o marketing e o mercado se chama vendedor e somos iguais a qualquer máquina: se parar de lubrificar, quebramos e aí a queda é livre e não haverá pára-quedas que salve – a nós e as empresas.

Oscar Schild, vendedor, gerente de vendas e escritor.
http://www.grandesvendedores.com.br
Oscar Schild
Enviado por Oscar Schild em 08/05/2006
Código do texto: T152407

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site www.grandesvendedores.com.br). Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Oscar Schild
São Leopoldo - Rio Grande do Sul - Brasil, 60 anos
98 textos (4840 leituras)
1 e-livros (52 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 12:27)
Oscar Schild