Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Onde estão parando o nome dos Autores das Velhas Árvores, Bilac?

"Hoje recebi a poesia de Bilac "As velhas árvores" sem os devidos créditos (mesmo a pedidos 05/2006). Divulgar bem é uma das vias preciosas para a Conscientização. A começar no respeito dos Direitos Autorais dos antigos Autores, o que dirá dos novos?" (Rosangela_Aliberti)



A velhice

O neto:

Vovó, por que não tem dentes?
Por que anda rezando só.
E treme, como os doentes
Quando têm febre, vovó?
Por que é branco o seu cabelo?
Por que se apóia a um bordão?
Vovó, porque, como o gelo,
É tão fria a sua mão?
Por que é tão triste o seu rosto?
Tão trêmula a sua voz?
Vovó, qual é seu desgosto?
Por que não ri como nós?

A Avó:

Meu neto, que és meu encanto,
Tu acabas de nascer...
E eu, tenho vivido tanto
Que estou farta de viver!
Os anos, que vão passando,
Vão nos matando sem dó:
Só tu consegues, falando,
Dar-me alegria, tu só!
O teu sorriso, criança,
Cai sobre os martírios meus,
Como um clarão de esperança,
Como uma benção de Deus!

Olavo Bilac
In: Poesias Infantis
RJ: Francisco Alves, 1929.

*


As velhas árvores
Olavo Bilac

Olha estas velhas árvores, mais belas
Do que as árvores moças, mais amigas,
Tanto mais belas quanto mais antigas,
Vencedoras da idade e das procelas...

O homem, a fera e o inseto, à sombra delas
Vivem, livres da fome e de fadigas:
E em seus galhos abrigam-se as cantigas
E os amores das aves tagarelas.

Não choremos, amigo, a mocidade!
Envelheçamos rindo. Envelheçamos
Como as árvores fortes envelhecem:

Na glória de alegria e da bondade,
Agasalhando os pássaros nos ramos,
Dando sombra e consolo aos que padecem. 

Olavo Bilac
In: Nossos Clássicos Olavo Bilac
publicados sob a direção de 
Alceu Amoroso Lima, Roberto Alvim Corrêa e Jorge Sena

Antologia
Livraria AGIR Editora, 1980
p. 71


__________________________________________________________


Há uma poesia circulando há anos em diversos sites e blogs
(principalmente aqui no Brasil) pelos ditos apreciadores dos trabalhos
de Victor Hugo ... a menos que o 'Victor Hugo' que tenha escrito "Homem & Mulher" abaixo seja um nome artístico (ou pseudônimo de algum escritor), a poesia até o momento tem Origem Desconhecida... somente a repassarei com os devidos Dados Bibliográficos, visto que o estilo de escrita do escritor Victor Hugo não confere com o que vem sido descrito.

A quem tiver interesse em Divulgar corretamente:

HOMEM & MULHER

O homem é a mais elevada das criaturas. A mulher é o mais sublime dos ideais. Deus fez para o homem um trono; Para a mulher um altar. O trono exalta; o altar santifica. O homem é o cérebro; a mulher o coração, o amor. A luz fecunda; o amor ressuscita. O homem é o gênio; a mulher o anjo. O gênio é imensurável; o anjo indefinível. A aspiração do homem é a suprema glória; A aspiração da mulher, a virtude extrema. A glória traduz grandeza; a virtude traduz divindade. O homem tem a supremacia; a mulher a preferência. A supremacia representa força A preferência representa o direito. O homem é forte pela razão; a mulher invencível pelas lágrimas. A razão convence; a lágrima comove. O homem é capaz de todos os heroísmos; A mulher de todos os martírios. O heroísmo enobrece; os martírios sublimam. O homem é o código; a mulher o evangelho. O código corrige; o evangelho aperfeiçoa. O homem é o templo; a mulher, um sacrário. Ante o templo, nos descobrimos; Ante o sacrário ajoelhamo-nos. O homem pensa; a mulher sonha. Pensar é ter cérebro; Sonhar é ter na fronte uma auréola. O homem é um oceano; a mulher um lago. O oceano tem a pérola que embeleza; O lago tem a poesia que deslumbra. O homem é a águia que voa; a mulher o rouxinol que canta. Voar é dominar o espaço; cantar é conquistar a alma. O homem tem um fanal; a consciência; A mulher tem uma estrela : a esperança. O fanal guia, a esperança salva. Enfim ...O homem está olocado onde termina a terra; A mulher onde começa o céu... 

VERSUS 

Le sacre de la femme - Ève
A consagracão da mulher - Eva
(IV) (La légende des siècles)
(IV) (A lenda dos século)

Ève offrait au ciel bleu la sainte nudité ;
Eva oferecia ao céu azul a santa nudez

Ève blonde admirait l'aube, sa soeur vermeille.
Eva loira admirava a aurora sua irmã cor de sangue

Chair de la femme ! argile idéale ! ô merveille !
Carne da mulher! argila ideal ! ó maravilha !

Pénétration sublime de l'esprit
Penetração sublime do espírito

Dans le limon que l'Être ineffable pétrit !
No meio do lodo no estado de inexprimível

Matière où l'âme brille à travers son suaire !
Matéria onde a alma brilha a inclinação oblíqua do sudário

Boue où l'on voit les doigts du divin statuaire !
Impureza onde se vê de longe dos dedos do divino estatuário !

Fange auguste appelant le baiser et le coeur,
Lodo augusto que apela o beijo e o coração

Si sainte, qu'on ne sait, tant l'amour est vainqueur,
A tal ponto santa que não sabe quando o é amor vencedor

Tant l'âme est vers ce lit mystérieux poussée,
Tanta alma e perto de seu impulso leito misterioso

Si cette volupté n'est pas une pensée,
Se esta volúpia não é um pensamento

Et qu'on ne peut, à l'heure où les sens sont en feu,
E que nos não podemos na hora onde os sentidos são acessos

Étreindre la beauté sans croire embrasser Dieu !
Estreitar a beleza sem acreditar abraçando Deus !

Ève laissait errer ses yeux sur la nature.
Eva flutua seus olhos sobre a natureza

Et, sous les verts palmiers à la haute stature,
E sob as verdes palmeiras com altas estaturas

Autour d'Ève, au-dessus de sa tête, l'oeillet
Em volta de Eva sobre sua cabeça, o cravo

Semblait songer, le bleu lotus se recueillait,
Parecia sonhar o azul lotus se recolhia,

Le frais myosotis se souvenait; les roses
O frescor do miosótis lembrava as rosas

Cherchaient ses pieds avec leurs lèvres demi-closes;
Procurando seus pés com os lábios semi fechados

Un souffle fraternel sortait du lys vermeil;
Um sopro fraternal surge do lírio vermelho

Comme si ce doux être eût été leur pareil,
Como se o doce ser pertencesse aos seu lábios semelhantes

Comme si de ces fleurs, ayant toutes une âme,
Como se dessas flores todas houvesse uma alma

La plus belle s'était épanouie en femme.
A mais bela desabrochou em mulher

Por VICTOR HUGO
Tradução: Françoise Palmucci Regdasinski
(nativa de França)

Tenho encontrado o poema em s(a)ites franceses em s(a)ites ñ oficiais!?! Ex:

http://www.amour.ro/spiritualite/homme-femme-victor-hugo.php

*

Teria o referencial da obra de Victor Hugo em vida?

SABEDORIA DOS SÉCULOS O HOMEM E A MULHER 
(escrito na forma de prosa)
In: ANTOLOGIA DO PENSAMENTO MUNDIAL - VOL. V
Seleção de NÁDIA SANTOS e YOLANDA LHULLER SANTOS
Coleção: ANTOLOGIA DA LITERATURA MUNDIAL
Livraria e Editora LOGOS, Ltda
1960,  p.197 (no livro adquirido em sebo da cidade,
não consta o referencial da obra de Victor Hugo)

A questão é: - Como alguém que escreveu o que está acima citado, poderia ter escrito em vida algo tão... "sublime", como o referido texto!?!
Partindo da idéia que a sra. Yollanda Lhullier dos Santos possui graduação pela Universidade de São Paulo (1954) , especialização pela Universidade de São Paulo (1956) e doutorado pela Universidade de São Paulo (1972) . Atualmente é PROFESSOR TITULAR da Universidade de São Paulo, PROF. COLABORADOR da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, PRESIDENTE DA COMISSAO ESPECIAL da , QUADRO ADMINISTRATIVO da , da e da . Tem experiência na área de Sociologia , com ênfase em Outras Sociologias Específicas. Atuando principalmente nos seguintes temas: Indianismo Literario, Indianismo Plastico, Pintores Academicos. Última atualização do currículo em 28/02/2007

Sendo Victor Hugo novelista tudo pode ser possível, no entanto:

«Dieu s'est fait homme; soit! Le diable s'est fait femme!»
[Victor Hugo] - Extrait de Ruy Blas

"Deus se fez de homem; de acordo! O diabo se fez de mulher!"
(Victor Hugo)

...a questão é, o texto acima de certa forma equipara e eleva a
condição de mulher, no entanto Victor Hugo não tinha por hábito
escrever algo tão bem comportado:

"Une femme qui a un amant est un ange,
une femme qui a deux amants est un monstre,
une femme qui a trois amants est une femme."

(Victor Hugo)

"Uma mulher que tem um amante é um anjo,
uma mulher que tem dois amantes é um monstro,
uma mulher que tem três amantes é uma mulher."

(Victor Hugo)

Nada neste s(a)ite por que?
http://poesie.webnet.fr/auteurs/hugo.html


..................

(apócrifo, Victor Hugo/O Homem e a Mulher)  ~ Em busca da autoria 

Nota: Segundo Wanderley (Manuel Segundo Wanderley, poeta e dramaturgo, Natal, 1860-1909), algumas citações, para ilustrar:
 
"Para documentar o malogrado crítico de "A Tribuna" passo a este ensaio, o "Paralelo entre o homem e a mulher" que Segundo publicou, e jornais do Rio, Pará, Alagoas, Paraíba etc. transcreveram e que depois foi confundido com a prosa catedralesca de Hugo..." ("Alma patrícia: crítica literária", Luís da Câmara Cascudo, 2ª ed., Fundação José Augusto, 1998, p. 88)
 
"É, ainda, de sua autoria o PARALELO ENTRE O HOMEM E A MULHER que, não sabemos a razão, foi atribuído ao gênio criador de Victor Hugo. Não há nas obras do mestre francês nada que diga respeito a este poema." 
 
(...) "O primeiro fascículo do 8° ano do órgão "Congresso Literário", publicou o "Paralelo" com a assinatura de Segundo Wanderley. A "Revista Católica", então dirigida pelo culto monsenhor Lustosa, do Rio de Janeiro, também divulgou o trabalho de Segundo. O prof. Esmeraldo Siqueira, de Natal, profundo conhecedor da obra de Victor Hugo, no original, disse que, indiscutivelmente, o trabalho é de Segundo." ("Família Wanderley: história e genealogia", por Walter Wanderley, publicado por Pongetti, 1966, pp. 309 e 311)
 
"Hugo é, como se sabe, mestre da antítese. O "Paralelo" é, todavia, da autoria de Segundo, que sofreu a influência do grande líder do romantismo francês, genial poeta e teatrólogo..." ("Revista da Academia Norte-Riograndense de Letras", 1976, página 40)
 
Coletânea: Comunidade (orkut) Afinal, quem é o autor?

______________________________________________

Até quando as pessoas vão se dizer apaixonadas ou não por Cecília
Meireles, Drummond, Lispector... sem entrar em contato como a
essência dos autores?! Rifa-se um coração foi escrito por Clarice Lispector? ...que eu saiba Lispector escreveu apenas prosas e os "poemas" que circulam atualmente foram escritos linha sobre linha retirado de seus livros... onde a escrita corre solta como o pensamento da autora.
Supostamente o mesmo poema vem sendo atribuído ao autor Paulo
Fuentes porém este não está registrado em seu s(a)ite, por ser da autoria de Ricardo Labatt (2008).

No meio do mar de "achismos", talvez esteja na hora de expressar também aquilo que eu acho no momento: Acho o Cúmulo do inadmissível por exemplo um professor lecionar a vida inteira poder passar uma informação aos demais e cruzar os braços, seria o mesmo que um mestre
em História ou Música que muitas vezes ganha seu pão ensinando 'por fora' Música Popular Brasileira e na hora de divulgar os velhos compositores se restringe em estender a bandeira apenas para os acordes da "sabedoria erudita" (para uma cota de escolhidos), tendo em nas mãos um falso poder, quando mais não 'desce a lenha nos pobres mortais' que ainda não têm a Consciência do valor de uma Biografia de um Autor, quanto mais de suas obras? ...E o que é pior a meu ver, quando este 'professor' propaga o seu repúdio a determinados acordes que fazem parte da História, facilitando as maus julgamentos e interpretações.

Poesia têm diversas interpretações, um poema poderá ser retratado de diversas formas, e nem por isto as pessoas tem o Direito de alterar as Letras, sendo de um autor ilustre ou não.
 
Ora quem não gosta de samba, ouça música clássica mas respeite quem se centra e/ou se alegra com o ritmo do samba... os acordes são degraus para um alcance maior, alguns estacionam na mesma tecla, outras novas tendências surgirão. Da mesma forma que vejo professores que não apreciam sonetos, no entanto respeitam os sonetistas... vejo professores que constroem palíndromos mas nem por isto saem criticando os trabalhos dos que tem o talento voltado para uma boa prosa (publicamente). O Universo virtual parece estar abrindo novas portas nem todos os "hombres" gostam de receber determinadas correções, se nem tem Coragem de reconhecer um erro quanto mais corrigi-lo (passando ERRATAS), às vezes dependendo da época e das estações que as pessoas se encontram possíveis melindres são fixados ao invés de serem dissolvidos... até quando as pessoas descontarão no mundo virtual, algo que teve uma origem desagradável no mundo real (mais fácil 'brigar" com os sentimentos atrás uma tela...?).
 
Há pessoas que estudam superficialmente determinadadas vertentes e se consideram "experts", mesmo porque ler um determinado autor de cabo a rabo não significa que se tenha domínio para "imitar" uma vírgula sequer de sua obra quanto mais de suas passagens na Vida e como todo o ser humano gosta de convencer a sim mesmo, é capaz de conduzir a mente de outros (de modo geral principiantes) ao desrespeito das obras de Autores conhecidos construídas em décadas, sem ao menos terem a compreensão ou contato do legado que este quis transmitir.

HAROLDO DE CAMPOS: Galáxias
(Trecho...) "aqui me meço e começo e me projeto eco do cômeço eco
do eco de um cômeço em eco no solo de um cômeço em eco no oco
eco de um soco no osso e aqui ou além ou aquém ou láacolá ou em toda
parte ou em nenhuma parte ou mais além ou menos aquém ou mais adiante ou menos atrás ou avante ou paravante ou à ré ou a raso ou a rés começo re começo rés começo raso começo que a unha-de-fome da estória não me come não me consome não me doma não me redoma pois no osso do cômeço só conheço o osso o osso buço do cômeço a bossa do cômeço onde é viagem onde a viagem é maravilha de tornaviagem é tornassol viagem de maravilha onde a migalha a maravalha a apara é maravilha é vanilla é vigília é cintila de centelha é favila de fábula é lumínula de nada e descanto a fábula e desconto as fadas e contos as favas pois começo a fala"
in: GALÁXIAS, HAROLDO DE CAMPOS, EDITORA 34, 2ªEDIÇÃO, SÃO PAULO, 2004

Leiam mais sobre o trabalho de Haroldo Campos neste site:
www.letras.ufmg.br/esthermaciel/entharoldo1.html

Até quando o pensamento da elite daqueles que pensam que sabem um pouco mais... no pedestal irá (re)afirmar a sua auto estima como se fossem 'os donos da bola' por se julgarem 'os detentores da intelectualidade'???

Quem nasceu para ser 'macaca véia' MESMO, nunca sairá fora de moda,
favor apreciar as 'garotas' da Play boy do tempo dos tatatataravós
clicando no canto da página à direita com o 'mouse', o 'rato',
seja lá com que for! www.pawelwojcik.com/grandfathersgirls/

Sugestão leiam os demais Artigos afixados por aqui, e/ou entrem na Comunidade: Afinal, quem é o autor? (no orkut).

São Paulo, 17.V.06
reeditado em 06.V.08
Arte Vladimir Kush

 

 

 

Rosangela Aliberti
Enviado por Rosangela Aliberti em 17/05/2006
Reeditado em 11/03/2014
Código do texto: T157922
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rosangela Aliberti
Atibaia - São Paulo - Brasil
345 textos (1552453 leituras)
33 áudios (64201 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 06:31)
Rosangela Aliberti

Site do Escritor