CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

HABILIDADES BÁSICAS PEDAGÓGICAS: LIMITES E POSSIBILIDADES

Claudete Terezinha da Mata
Psicopedagoga Clínica e Institucional


Breves considerações sobre transtornos de habilidades acadêmicas no cotidiano escolar, quando o não aprender bloqueia a aprendizagem do sujeito.

Vários estudos têm nos mostrado que nos últimos anos, o atendimento psicopedagógico às crianças e adolescentes, em idade escolar, com histórico de dificuldades de aprendizagem, vem aumentando significativamente nos últimos tempos.

Quando a busca pelo tratamento especializado chega por parte dos pais, percebe-se que a sugestão parte da escola, mas quando demanda da própria escola, a sugestão é do professor, que por sua vez, corre atrás de um diagnóstico especializado capaz de justificar os problemas exteriorizados no cotidiano das suas práticas pedagógicas.

Isto prova que muitos professores procuram justificar-se, buscando (des) culpas, dizendo que a culpa é:

a) dos pais;
b) do sistema;
c) do meio que o cerca;
d) do(a) professor(a) da série anterior;
e) de herança genética;
 f) da falta de aptidão dos alunos para a leitura e escritura;
g) da distração do sujeito que aprende;
h) do (des) ajuste de comportamento;
i)  da má educação familiar...

Em dadas realidades escolares, encontramos professores que elaboram o planejamento pedagógico, com a finalidade apenas de desenvolver os conteúdos curriculares, tudo sem levar em conta o processo de aprendizagem de seus alunos e as suas condições de desenvolvimento das habilidades cognitivas, emocionais, afetivas e sociais.

Desta forma, o trabalho com as diferenças em sala de aula, através da valorização dos alunos e das suas relações com o aprendizado e demais pessoas da comunidade escolar, deixa muito a desejar. E a falta de entendimento que vai além de um mero planejamento conteudista, bem como, as variáveis que se apresentam na sala de aula e fora dela, contribuem com a criação dos transtornos das habilidades pedagógicas no processo de ensino e aprendizagem, ficando o professor sem saber o fazer.

Neste contexto, muitos professores demandam sua atenção, voltando-se para aqueles alunos sem problemas de dificuldades no processo de aprendizagem, tendo em vista, que para esses professores, o mais importante é dar atenção aos alunos que sabem mais, sem desperdício de tempo com aqueles considerados perdidos no mundo da lua, incluídos na lista das (des) culpas.

Caracterizando as habilidades básicas pedagógicas, umas das causas responsáveis pelas dificuldades escolares, têm a falta de estimulação adequada nos pré-requisitos necessários à aprendizagem de sucesso dos alunos, desde o processo de alfabetização.

De acordo com os estudos piagetianos, as habilidades para o aprendizado da leitura e escritura não se dá de forma espontânea e contínua. Para tanto, há necessidade de estímulos e mediação, de acordo com a fase de desenvolvimento da criança, desde o período pré-operatório e demais fases. E que para o bom desenvolvimento dessas habilidades é necessário o trabalho de qualidade das seguintes estruturas:

* Imagem Corporal: Implica no conhecimento adequado do corpo como ponto de referência para a aprendizagem de conceitos básicos indispensáveis para a alfabetização, tais como: Em cima, em baixo, na frente, atrás, esquerda, direita, alto, baixo, gordo, magro...

É através do próprio corpo que a criança vai interagindo com o mundo que a cerca. Assim, a criança que não consegue desenvolver a imagem corporal, poderá apresentar transtornos de orientação espacial, resultando nas dificuldades de se locomover em determinado espaço, faltando-lhe equilíbrio postural.

* Lateralidade: Pressupõe o uso preferencial de um lado do corpo (direito ou esquerdo), tais como: a) Destro (utiliza a parte direita); b) Canhota ou Sinistra (utiliza a parte esquerda); c) Lateralidade Indefinida (quando o sujeito usa um ou outro lado do corpo sem distinções (ambidestro); d) Lateralidade Cruzada: pé e mão opostos (direito com esquerdo e esquerdo com direito).

Em termos de aprendizagem, a criança com lateralidade indefinida refere-se ao tipo de grafia, resultando na dificuldade de orientação espacial e posturas inadequadas para a escritura, ou seja, as duas ultimas irão interferir diretamente no processo gráfico da criança.

* Conhecimento da Direita e Esquerda: Conceito de grande importância para o processo de alfabetização. Está ligado diretamente ao conceito de imagem corporal e lateralidade, permitindo que a criança diferencie o lado esquerdo do lado direito, não somente em si, mas também no outro e nos objetos.

Sendo assim, ao Iniciar o processo de aprendizagem da leitura e da escritura, sem a compreensão dos conceitos de lateralidade, pode implicar em confusões na orientação espacial, levando a criança a apresentar dificuldades em discriminar letras que se diferem quanto a sua posição espacial, por exemplo: b – d, p – q. Observa-se que outra dificuldade apresentada é o aparecimento da escrita espelhada.

* Orientação Espacial: Está relacionada com a visão. Neste processo é necessário fazer a diferenciação “entre posição no espaço e relações espaciais”, ou seja:
- A posição espacial é quando a criança percebe a posição dos objetos, utilizando como ponto de referência o próprio corpo. Desta forma, ela passa a compreender e assimilar todos os conceitos relacionados a posição espacial - através, frente, direito e esquerdo...

- As relações espaciais: a criança é capaz de perceber a posição dos objetos, não só em relação ao seu corpo, mas também com relação aos outros objetos. Para a aquisição deste conceito, a criança num primeiro momento, precisa adquirir o conceito de posição espacial.

Ao iniciar o processo de alfabetização sem o domínio destes dois conceitos (posição e relação espacial), a criança passará a confundir letras que diferem quanto à orientação espacial, apresentando dificuldades em respeitar a ordem das letras nas palavras e das palavras nas frases. Também pode apresentar incapacidade de locomover o globo ocular durante a leitura (movimento do vai e vem), não respeitando os limites do espaço geográfico (linhas e margens) da folha, caracterizando dificuldades de organização, como: esbarrar nos objetos e nas pessoas (falta de percepção de obstáculos) e indecisão ao tomar direções em seus percursos.

* Orientação Temporal: Relaciona-se com a audição. A criança necessita apreender e discriminar a duração e sucessão de sons e dominar conceitos, como: ontem, hoje, amanhã, dias da semana, meses, anos, horas, estações do ano, etc. Com estes conceitos a criança para a se orientar no tempo, durante a realização de suas atividades escolares, etc.

A ausência destes conceitos pode causar dificuldades na pronúncia e na escritura, trocando a ordem das letras ou invertendo-as, resultando na dificuldade de retenção de uma série de palavras dentro de uma frase ou idéias de uma história, e na má utilização dos tempos verbais, um problema de correspondência de sons com letras, especialmente em ditados.

* Ritmo: Sua importância de ser trabalhado na fase pré-escolar e nas séries iniciais, é de proporcionar às crianças a percepção da ocorrência dos sons e das pausas que dão lugar a pontuação e entonação na escritura. Na sua falta, surge a leitura lenta e silabada, uma características disléxica.

A pontuação e a entonação também são conseqüências de habilidades rítmicas. Na escritura, a dificuldade no ritmo contribui com o não respeito dos espaços em branco entre as palavras, unindo palavras (escrita corrida, sem interrupções); dificuldades no ordenamento das letras dentro das palavras, omitindo ou acrescentando sílabas; falhas na acentuação das palavras.

O processo de aprendizagem e sua organização na Educação Infantil e nos Anos Iniciais relacionam-se diretamente com o desenvolvimento de todas as habilidades básicas pedagógicas, as quais para serem trabalhadas necessitam da competência e do comprometimento do professor no processo de ensino-aprendizagem. Sendo assim, cabe à escola se concentrar, não só na sua própria visão de mundo, mas conscientizar-se das diferentes modalidades de aprendizagem e nas habilidades pedagógicas trabalhadas no dia-a-dia em sala de aula.

Refletindo, não podemos negar o fato de que as crianças são controladas pelos estímulos do ambiente externo. Assim, de acordo com a teoria vygotzkiana, as relações entre processo de desenvolvimento e capacidade de aprendizagem, ocorrem através de dois níveis: nível real - desenvolvimento mental da criança ligado ao que ela consegue fazer por si mesma, e o nível potencial - determinado pela solução de problemas sob orientação de companheiros mais habilitados. A distância entre esses dois níveis é chamada de Zona de Desenvolvimento Proximal.
Bruxa da Mata
Enviado por Bruxa da Mata em 21/05/2009
Código do texto: T1607651

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Bruxa da Mata
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, 55 anos
41 textos (30854 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/04/14 10:08)