Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Responsabilidade e valor da borboleta

             Os códigos com os quais nos comunicamos armazenam nossa própria cultura. A riqueza da criatividade na elaboração e divulgação desses códigos aumenta o grau de compreensão dos sentimentos mais profundos, justificam ou comprometem nossas próprias ações, facilitam ou dificultam o diálogo, aumentam ou diminuem a empatia, na medida em que se processa o choque entre os indivíduos e, conseqüentemente, as inevitáveis comparações.

             Os valores de cada um são diferentes entre si. Valores morais ou materiais.

             Não há proporcionalidade na questão. O que falta na coleção de um não terá, certamente, o mesmo valor da que falta na do outro – que provavelmente será de natureza diversa.

             Isso na ótica de terceiros, pois na visão dos interessados a peça que lhe falta é simplesmente incomparável e de valor inestimável. Mas o interesse pode ser também temporário.

             A importância de hoje pode não ser a mesma de amanhã, se a coleção for deixada de lado, substituída ou desfocada. Se sabemos que o outro coleciona borboletas, sabemos o que é importante para ele. Se sabemos da borboleta que lhe falta, talvez saibamos do que é mais importante para ele.

             Mas se não temos certeza se ele ainda está interessado em borboletas, talvez não saibamos muita coisa sobre ele...  Sem idealismo não há impulso e luta, sem conquista não há ciência e evolução.

             Uma pessoa pode ser feliz com pouco, outra infeliz com muito. Ou o contrário. Tudo é possível... Alguém pode ter sede de saber e se afogar, depois, com o próprio conhecimento.

             Quanto mais descobrimos os segredos do Universo, e da potencialidade humana, mais angustiado podemos nos sentir.

            Quanto mais aprendemos, mais descobrimos que nada sabemos! Cada porta que se abre mostra um leque de outras fechadas e muitas janelas pelas quais olhamos sem autoridade para transpor.

             Sem alimento não há vida, sem fruto não há alimento, sem árvore não há fruto. Mas a árvore está na semente e esta no fruto. Se destruirmos a semente, ao comê-lo, destruiremos, também, a própria fonte da vida!

             É o círculo vicioso da natureza unindo e entrelaçando o finito ao infinito, materializando os prótons e elétrons nas suas variadas velocidades e respectivos graus de dureza, travando sua própria batalha para escapar do buraco negro ou entrar nele de cabeça. Como os milhões de espermatozóides...

             O que somos e o que queremos – ou o contrário – não são apenas coisas distintas; são potencialidades latentes e interligadas. O que conseguimos com elas e o que delas fazemos resulta no que somos e naquilo em que nos
transformamos. E o que baliza essa transformação e estimula nossa motivação?

             E depois, que parâmetros teríamos para saber se estamos realmente no caminho certo? Pois o certo e o errado não são apenas produtos de uma determinada cultura?

             Não sabemos de onde viemos, nem para onde vamos... mas não devemos nos angustiar por isso – não é para isso, certamente, que nascemos. A vida é uma especulação e um entretenimento. Pode ser uma brincadeira séria... ou um jogo perigoso!

             Mas não é algo do qual se possa fugir ou fingir desconhecimento de causa. Em maior ou menor grau, estamos todos comprometidos. E é bom que seja assim, pois sabemos, instintivamente, que somos todos responsáveis...

             Alegar ignorância não nos salvará, nem aliviará nossa carga. Se esta é leve ou pesada não nos compete julgar... Mas se levantar tem que sustentar; do contrário, será esmagado por ela!
Lourenço Oliveira
Enviado por Lourenço Oliveira em 24/05/2006
Reeditado em 08/06/2006
Código do texto: T161931
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lourenço Oliveira
Salesópolis - São Paulo - Brasil
1277 textos (109598 leituras)
23 e-livros (1394 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 12:40)
Lourenço Oliveira