Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A sigla do feitor

A sigla do feitor

   O desrespeito pela autoridade brasileira em qualquer escalão se consagrou com a invasão da Câmara em Brasília pelo grupo de baderneiros do MLST. O fato ocorreu 15 dias depois que bando de criminosos do PCC de aterrorizou a polícia e parou São Paulo. E alguns meses depois que a facção de bandidos do CV invadiu unidade militar no Rio de Janeiro para subtrair armas desta instituição. Juntando-se a estes a invasão e destruição de laboratórios no Rio Grande do Sul e o tumulto de Carajás, passamos a perceber o claro quadro completo da desordem social que reina em nosso território. A população ordeira (que paga os impostos sem gemer) está oprimida pelas criminosas siglas existentes no país: as violentas citadas acima comandadas por armas de fogo e as “legais” (produzidas por armas de tinta) que rotulam os pesados impostos que deveriam nos proteger contra as primeiras.

   Todos estes fatos na verdade constituem atos programados de treinamento das diversas facções criminosas com os seguintes objetivos:

a) Analisar a capacidade tática e estratégica dos grupos arruaceiros.
b) Testar o poder de defesa de nossas instituições falidas.
c) Conferir a pouca vontade política das autoridades em restabelecer a ordem pública.
d) Avaliar quanto custa o estado de impunidade implantado pelos legisladores corruptos.

   Se estes quatro itens forem positivamente aprovados, os pilantras passam a ter certeza de que possuem total poder de decidir quando se apossarão das propriedades particulares (fazendas, condomínios, indústrias) e do comando da nação (já que patrocinam parte deste).

   Pela reação pouco entusiasmada, ineficiente e covarde por parte daqueles que ganham bem e prometem zelar pela tranqüilidade da sociedade e preservação do patrimônio público, passamos a ter certeza (já suspeitávamos desde o início, com dizia o Chaves-Chapolim) de que existe algum tipo de “acordo” tenebroso entre as “autoridades” oficiais e os violentos comandos que estão a serviço (via caixa 2) daquelas.

   E no meio do núcleo deste furacão de imoralidade que nos envolve com brutalidade, ficamos pagando impostos que correspondem a 45% de nossos ganhos obtidos anualmente para sustentar a corja de gatunos engravatados que nos cercam. Ficamos paralisadas, anestesiados, amedrontados, acovardados e desarmados (para isto realizaram aquela coleta de armas há alguns meses). Permanecemos inutilmente imaginando que nossos atuais líderes farão algo para reverter este quadro caótico que lhes confere ganhos ilícitos em altas proporções. Caminhamos perdidos sonhando com os belos cenários exibidos nas pífias novelas de tv. Perdemos a capacidade de distinguir liberdade com libertinagem. Não aprendemos a decidir, protestar e exigir nossos direitos. Nos resignamos com o destino traçado por abutres que nos conduzem para o estado de eterna colônia das águias famintas. Não sabemos (ou não temos orgulho) ensinar aos nossos filhos a entoar o hino nacional nem o significado de cada estrela da bandeira da pátria. Escondemo-lhes o futuro negro que estamos polindo para eles.

   Não sabemos reconhecer pessoas de bons propósitos para cargos públicos.

   Não sabemos em quem votar.

   Nem sabemos como votar NULO!


Haroldo P. Barboza – Junho/2006
Autor do livro: Brinque e cresça feliz

Referendo de sucesso será o que permitir expurgo no Congresso.
Haroldo
Enviado por Haroldo em 09/06/2006
Código do texto: T172209
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Haroldo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
678 textos (24820 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 07:21)
Haroldo