Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Discriminação da pinga


Romeu Prisco
 
Há muito que o vinho e, mais recentemente, o café, representam bons indicadores para o coração, ambos com base em estudos e dados científicos.
 
Cardiologistas de renome recomendam a ingestão de um copo de vinho nas refeições, ou seja, o equivalente a mais de meia garrafa (750ml) por dia, inclusive para portadores de arritmia cardíaca. Enfim, o vinho possui propriedades terapêuticas, benéficas ao sistema cardiovascular. O mesmo agora se dá com o café. Não sei se a cerveja também já passou por um teste científico, mas, sei que alguns médicos a recomendam como diurético. Afora o fato de ser a bebida da moda, a cerveja, além de sempre nos trazer belas imagens nas suas campanhas publicitárias, como é o caso de Juliana Paes, já foi aprovada, isto sim, pelo teste dos apreciadores de todas as idades.
 
E a pinga ? Ora, a pinga, embora também seja do agrado de muita gente de "bem", principalmente quando serve de ingrediente para a famosa "caipirinha", ainda está relegada a um plano secundário, talvez por ser uma bebida mais popular, portanto, menos "nobre". Todavia, não teria ela boas qualidades ? Vejamos.
 
A exemplo do café, a garapa, pouco tempo atrás, também passou por estudos científicos, que igualmente a classificaram como saudável para o coração. Pois bem, a garapa nada mais é do que caldo de cana, ou seja, a mesmíssima matéria-prima empregada na produção da pinga. Daí esta, entre outros nomes, ser ainda conhecida como "caninha". Diz-se que a pinga não é recomendável por ser uma bebida alcoólica. E o vinho, por acaso também não é ? Assim, a ser desaconselhável a ingestão de pinga, então, que se passe a ingerir apenas garapa e suco de uva. Quanto ao teor alcoólico das bebidas, inclusive, pois, da pinga, nada impede a sua dosagem para mais ou para menos.
 
Apesar de já possuir embalagens vistosas e até de ser exportada, a pinga ainda não tem um "marketing" eficiente, como o vinho, o "scotch", a cerveja e outras bebidas. Quando isto acontecer, não se tenha dúvida, a pinga também será contrabandeada no Paraguai. Por tudo isso, já passou da hora de se acabar com a discriminação contra a pinga, a começar pela abolição das expressões "pinguço" e "cachaceiro". Porre de pinga não é nenhum pouquinho diferente do porre de outras bebidas.
 
Finalmente, um brinde com a "branquinha": "tchin-tchin", uma pro santo, outra pra mim !
Romeu Prisco
Enviado por Romeu Prisco em 14/06/2006
Código do texto: T175306

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Romeu Prisco
São Paulo - São Paulo - Brasil
142 textos (31844 leituras)
9 áudios (4848 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 06:41)
Romeu Prisco