Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Seleção cívica

Seleção cívica

   Tomando como base uma escala de 0 a 100 no futebol, a seleção do Brasil, entre 1960 e 1990 provavelmente flutuava entre os níveis 90 e 95 (a perfeição, só no Céu). Seus adversários mais próximos, não passavam de 90 mesmo no auge. E as seleções dos grupos inferiores, esporadicamente alcançavam 70. Por isto aplicávamos sonoras goleadas e nossa camisa amarela era temida e respeitada. Os adversários se contentavam em perder de 2 x 0 e comemoravam um empate com enorme entusiasmo.
   O tempo passou, os aprendizes se estruturaram, importaram nossos profissionais e atletas, pagaram caro, absorveram muitos de nossos segredos e criaram algumas armadilhas para nossos vaidosos jogadores. E aqui, na terra onde o governo não cumpria suas obrigações sociais, a imprensa domesticada era induzida a glorificar atletas botinudos para distrair o povo dos verdadeiros problemas nacionais e para valorizar a "mercadoria" de empresários vorazes. Juntaram-se a estes, políticos inescrupulosos preocupados em adquirir votos através de apoio demagógico ao futebol. Com isto, a corrupção atingiu o esporte no coração. Vários escândalos surgiram sem pudor: criação de ligas fantasmas, papeletas amarelas (Flamengo), acordo de resultados nas categorias profissional e aspirante (Vasco e Olaria) e bicheiros no comando (Botafogo e Fluminense). Despontaram dirigentes que mancharam a dignidade do futebol: Oinareves, Chedid, "caixa de água poluída", Eurico Miranda e Ricardo Teixeira. A CPI do futebol acabou em pizza (colocaram capim na mesma, como previ a mais de cinco anos em outro artigo).
   Hoje em dia o futebol é apenas mais um negócio, onde as mutretas (copiadas da administração pública) abundam sem cerimônia. Nossos atuais jogadores, já estabilizados na vida, talvez por terem origem humilde, trazem na alma alguma ponta de civismo revoltado com as freqüentes tentativas do governo em usar o esporte como capa para esconder o caos social que massacra o povo sofrido. Inconscientemente colocam seu prestígio em risco para nos ajudar a tirar a população da hipnose que nos anestesia em maior dose nos últimos quinze anos. Apesar da tristeza pelos resultados, agradecemos a eles esta falta de empenho em vencer, para não ajudar a mascarar nosso estado de miséria. E ergueremos uma estátua a eles se não forem coniventes com os abutres que dirigem nossos destinos. Esta estátua será de ouro por saírem da copa neste instante e se a seguir, nas entrevistas aos jornalistas, tiverem a coragem de contar as sujeiras que correm nas federações e nos clubes. São apenas em percentual menor das que acontecem nos palácios das elites que comandam os rumos dos pobres torcedores iludidos pelo esporte para não caírem na dura realidade da vida sofrida que os excluídos levam e da falta de qualidade da mesma para os que realmente pagam impostos.
Haroldo
Enviado por Haroldo em 01/07/2006
Código do texto: T185729
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Haroldo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
678 textos (24806 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 00:31)
Haroldo