Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Considerações sobre o amor

Considerações sobre o amor


Vivemos cada qual, o amor, da maneira como conseguimos compreendê-lo. No mais das vezes de forma limitada, sem nos dar conta do tão pouco que dele sabemos.
Parece que não relacionamos a confusão, inquietude e solidão que por vezes nos assola, com nossa inabilidade em lidar com o amor.
Amamos amiúde de forma equivocada, portanto, necessário se faz que reorganizemos esse sentimento, tão essencial a nossa felicidade.
Darmos atenção a ele é a única maneira de chegarmos a compreendê-lo, e assim experimentar sua a realização.
Confundimos o amor com sentimento de posse, desejando de forma incoerente aprisionar, reter, quando ele em sua própria essência é a encarnação da liberdade.
Talvez daí provenha toda sorte de desencontros e a razão maior de tanto sofrimento.
O Homem nasceu para realizar-se no amor e nele encontrar a possibilidade de alcançar a harmonia genuína que se manifesta no poder da criação.
Há que se dedicar com zelo a perceber a sutileza do movimento desta emoção, essencialmente humana. Sentimento que se expressa através do ritmo cósmico, que abrange a totalidade do universo, enquanto plenifica a unidade; que se perpetua pela eternidade, enquanto esgota-se no momento da paixão.
Mergulharmos sem receio nas profundezas da generosidade da alma, deixarmos nos perder no desapego ao que nos é tocado pelos sentidos, nos entregarmos sem reserva alguma, por inteiro ao prazer insólito de servir, de doar-se, sem nada solicitarmos em troca. Eis o que nos cabe, na busca de experimentar o amor em toda sua completitude.
Amor é um país sem fronteira, uma terra de ninguém, que possui a capacidade única de acolher a individualidade sem separar-se do todo.
O aprendizado do amor é algo fascinante e deliciosamente prazeroso. Um exercício contínuo de esquecer-se, de envolver-se nos meandros das necessidades e desejos do ser amado, não em atitude submissa, mas porque a felicidade do outro é tão plena e empática ao nosso coração, que se torna mais desejada que a nossa própria. É estar atento em silencioso apoio protetor, antecipando a cada trecho da jornada partilhada, os obstáculos possíveis, a fim de amenizar os sobressaltos do companheiro.
E o que de mais inusitado existe no amor, é que quanto mais o liberamos, mais ele nos corteja; quanto mais o dividimos, mais ele se multiplica; quanto mais o servimos, mas nos enche de mimos e cuidados, quanto mais o colocamos a prova, mais se intensifica.
Assim, misteriosamente o Amor seduz o ser humano, e dele se torna cativo. Quanto mais o encanta, mais dele se torna servo, num jogo que estabelece suas próprias regras.
No entanto, quando aprisionado, se esvai aos poucos, e mingua. Desintegra-se sem deixar vestígios. E seu vazio é repleto de aflitiva privação.
E o aroma perfumado da amizade genuína, a fragrância da cumplicidade, o odor característico da paixão, se perdem aos poucos pelo ar, tornando a atmosfera impregnada de um odor desagradável que exala a solidão.
O amor é Luz Multicolorida, alternando-se em matizes muito próprias do arco íris, em performance eternamente renovada.
Já a solidão tem cor escura que inviabiliza o caminhar, tolhendo qualquer possibilidade de se desvencilhar de sua densidade, aprisionando a alma na desesperança.
Assim, que cada qual se detenha a cuidar de compreender o amor, num ato de sobrevivência e conscientização; aventurando-se no mais louco, encantador e valoroso desafio, que é descobrir dentro de si o próprio amor.

Priscila de Loureiro Coelho
Consultora de Desenvolvimento de Pessoas
Priscila de Loureiro Coelho
Enviado por Priscila de Loureiro Coelho em 19/01/2005
Código do texto: T1899
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Priscila de Loureiro Coelho
Jacareí - São Paulo - Brasil, 65 anos
1286 textos (214509 leituras)
1 e-livros (147 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 29/09/16 07:10)
Priscila de Loureiro Coelho