Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ÀS VEZES


Às vezes parece que pedimos aos nossos fantasmas que se retirem de nosso caminho, muitas das vezes eles se recusam e tenta nos amedrontar.
Mas somos criaturas teimosas e propensas a nunca desistirmos dos desafios e sempre causarmos mais e mais marcas e danos ao nosso currículo de meros mortais desprotegidos, mostramos a nossa fraqueza.
Então somos zumbis soltos na noite, olhos acesos a vigiar um mundo escuro e sem trilhas para identificar o caminho. E nossa idade nos revela que dezessete ou quinze se torna tarde para regressar a ponto de origem e que apenas pais e mães não são a solução e nem o meio mais seguro de isolarmos a juventude roubada.
Choros e rangidos se debruçando atrás da porta, mordidas e carinhos se confundindo na medida em que o tempo pede mais um pouco de tempo.
Apenas gritos ecoando pelo ar, um chamado por um nome jamais pronunciado, metáforas repetitivas ao som de trombetas espalhando o pânico e o medo de ser livre do sucesso que nunca fora conquistado.
São olhos insanos e famintos pelo gosto da liberdade, são mãos que seguram berços para não caírem no desfiladeiro escuro, são pés que fogem da estrada pedregosa e cheia de espinhos, porque nunca uma chance será bem-vinda, não, aqui não. Quem sabe um outro dia, quem sabe uma outra hora, amanhã talvez o dia aconteça.
Por enquanto podemos dizer que a sorte sorriu para os que se guardaram do medo, para os que fugiram sem deixar rastros, para os que souberam administrar as coisas que nunca deixaram de fazer sentido. E como não questionar que algum dia a inocência deixou livre a culpa, será preciso desvendar o horizonte das páginas de um lunático para saber tais prodígios.
Esta é a certeza de que nada se iguala ao tudo, e tudo se une ao incerto, como nosso caminho se cruza pela ponte mais estreita, e apenas um de nós poderá passar, o outro terá que se jogar ao infinito rio sem ribanceiras e sem margens.
Este será um prodígio, esta será nossa ignorância, sem valer a pena correr, pois todos os esconderigios foram revelados, não sabemos mais quem somos, não temos mais o que éramos, e nossa morada afundou em cacos.
Às vezes essas coisas acontecem, às vezes elas voltam, e às vezes elas nem deixam de existir. Eu apenas sei que para isso tudo, eu preciso de companhia.

autor: Danilo Padovan
Daykon
Enviado por Daykon em 24/07/2006
Código do texto: T200632
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Daykon
Santa Fé - Paraná - Brasil, 33 anos
46 textos (1217 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 06:02)