Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O habito de falar mal dos outros.



“Você viu fulano? Ele só esta onde esta por que vive puxando o tapete dos outros. E sicrano? Dizem que a mulher dele tem caso com outro homem. Beltrano? Imagina ele não tem nada, ele é hipocondríaco. Vivo trabalhando até mais tarde por que tenho fazer serviço dos outros”.

Você já ouviu que falam por ai?

Infelizmente as pessoas encontraram um novo habito. O péssimo habito de falar mal dos outros. Não importa o lugar, pode ser no café, no bar, na festa ou mesmo no lar. O habito de falar mal dos outros está presente em todas às áreas sociedades, esta presente no nosso dia a dia. É infinitamente enorme o numero de fofoqueiros de plantão e que habitualmente temperam suas “historias” com pitadas de veneno. Sem pensar duas vezes a moral dos outros é posta em cheque, pela maldade dos fofoqueiros de plantão.

Em 90% dos casos, as pessoas que falam mal das outras, são absolutamente infelizes, afinal, alguém que tem como sua maior preocupação a vida alheia, além de não ter o que fazer deve realmente ser muito infeliz. É comum pessoas assim, serem potencialmente um vulcão de mentiras, também não poupam ninguém. Falam mal do chefe e da mulher do chefe, do companheiro de trabalho e também da sua esposa, da faxineira, do mecânico, do medico, do operário, fala mal do irmão, do amigo e chega ao cumulo de falar mal até mesmo dos próprios pais. Confunde sem a menor cerimônia os indivíduos e suas funções, não diferenciam o homem do profissional.

Particularmente conheço uma pessoa que tem esse péssimo habito, e que faz do falar mal dos outros, o seu verdadeiro emprego. Esta pessoa vive tão envolvida com a calunia que chega mesmo a acreditar no próprio engodo.

A pessoa que tem como habito, esse tipo de fofoca venenosa, atribui cinicamente, todos os seus fracassos ao sucesso alheio e sua maior realização é obter êxito ao tentar ofuscar o brilho de outras pessoas.

Cada riso, cada sinal da felicidade alheia, já é motivo suficiente para que o individuo sofra compulsivamente. Indignado o individuo que cuida mais da vida de seu vizinho, do que da sua própria vida, vive a se perguntar o “por que?” de tamanha felicidade, já que o mesmo imagina-se sempre superior aos demais. Seus pensamentos e atitudes são recheados de repulsa e da mais pura inveja.

Como o que colhemos é exatamente o que plantamos, pessoas assim, costumeiramente vivem muito mais que as outras, desta forma seu sofrimento também é maior e de uma intensidade sem limites.

Dignas de pena, essas pessoas ainda não encontraram o supremo equilíbrio da vida, dignas de pena essas pessoas ainda não encontraram o amor. Basta apenas um simples toque de amor para despertar a mudança nessas pessoas e passarem do extremo estado do sofrer para uma vida nova e plena de felicidade. Contudo, infelizmente, há pessoas que nunca mudarão, pois fazem do ódio, o eterno combustível de suas vidas.

Amigo leitor, faço um apelo para que tenhamos hábitos salutares, para que não desistamos do nosso policiamento intimo e do mais profundo exame de consciência. Faço um alerta para que possamos ponderar nossas atitudes e que possamos nos limitar com o habito de cuidar apenas de nossas vidas.


Reginaldo Cordoa, futuro Administrador de Empresas e Apaixonado pela Vida.
26/07/2006

 

Reginaldo Cordoa
Enviado por Reginaldo Cordoa em 10/08/2006
Código do texto: T213407
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Reginaldo Cordoa
Matão - São Paulo - Brasil, 46 anos
95 textos (23233 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 02:25)
Reginaldo Cordoa