Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Estações Climáticas

Estações Climáticas


Há muito tempo, os seres humanos aprenderam que a natureza se repete: as chuvas, as cheias, as flores, os frutos, o frio, o calor e o próprio aspecto do céu, tudo se repete com muita regularidade. Para acompanhar essas repetições no tempo, foi criado o ano que, por sua vez, foi dividido em estações climáticas.

Assim, o que conhecemos como Estações do Ano são quatro subdivisões do ano, baseadas em padrões climáticos.

Vamos tentar recuperar a acuidade na observação dos nossos antepassados. Para tal, nos desliguemos dos grandes centros, nos transportemos para um dos inúmeros campos do nosso interior e contemplemos o pôr-do-sol.

Identificamos onde fica o Oeste no horizonte e o alinhamos ao nosso posto de observação fixo e a uma árvore ou arbusto existente.

Passados alguns dias, vamos perceber que esse espetáculo da natureza se dá num ponto diferente a cada dia.

Após um ano de observações diárias, percebemos que o Sol fez um movimento até um ponto limite mais ao norte, voltou a passar pelo Oeste deslocou-se até um ponto limite mais ao Sul e retornou ao Oeste.
Caso seja de interesse ter acesso a esse mesmo artigo  com as ilustrações, entre no mesmo site em E-Livro e assista a apresentação pps de mesmo título.

Em apenas dois dias do ano o Sol se pôs precisamente no Oeste. E, foi nesses dois únicos dias em que o dia e noite tiveram a mesma duração, 12 horas.

No dia em que o Sol estava mais ao Sul, constatamos que foi o dia mais longo de todo o ano de observações e, contrariamente, no dia em que o Sol estava mais ao Norte, foi o dia mais curto, ou a noite mais longa.

Apenas por convenção, há muito tempo utilizamos esses pontos da trajetória aparente do Sol, para assinalar o início das estações do ano.

Por que o Sol não se põe sempre precisamente no Oeste e as noites têm sempre a mesma duração dos dias?

Muitos poderiam acreditar que seria porque a Terra no seu movimento de Translação - em torno do Sol, com sua órbita elíptica, ora estaria mais perto e ora mais afastada do Sol.

Se as estações ocorressem pelo fato da órbita da Terra ser elíptica o comportamento climático no planeta seria uniforme, ou seja, num mesmo mês o clima seria do mesmo jeito em todo lugar, pois não há como partes da Terra, estarem mais próximas ou mais afastadas do Sol, para produzir climas diferentes. No entanto, em cada região do planeta as estações apresentam-se de formas diferentes, mesmo se forem observadas na mesma data (Natal frio no hemisfério norte e quente no hemisfério sul).

Então, por que das estações?

A ocorrência das estações do ano depende de duas propriedades do eixo da Terra: primeira  está inclinado com relação á órbita que a Terra faz ao redor do Sol; segunda essa inclinação é sempre a mesma, ou seja, o eixo aponta sempre para a mesma posição.

Não é sem razão que os globos terrestres vendidos nas papelarias estão inclinados.

De fato, a Terra percorre sua órbita em torno do Sol inclinada cerca de 23° e disso resulta o fenômeno das estações. Ilustração só na entrada E-livro nessa mesma página, anteriormente já referida.

É por causa dessa inclinação que, durante um ano, uma dada região da Terra não recebe a mesma quantidade de irradiação solar. Isso interfere sensivelmente no clima do planeta e origina as estações.

Ou seja, as estações do ano e a inclinação dos raios solares variam de acordo com a posição da Terra em relação ao Sol. Ora o Pólo Norte se aquece com o Verão, pois o mesmo está inclinado em direção ao Sol. Seis meses depois é o Pólo Sul que se encontra mais exposto ao Sol, enquanto acontece o inverno no Pólo Norte.

Ao contemplarmos diariamente o pôr-do-sol, havíamos observado as posições mais características: a exatamente no oeste, a mais ao sul e a mais ao norte e que, por convenção, definem o início das estações.

Aquelas posições observadas correspondem a dois fenômenos astronômicos:

o solstício, do latim solstitium - significa parada do Sol, aqueles dias em que o Sol se põe ou mais ao sul ou mais ao Norte e definem o início do verão e do inverno; e

o equinócio das palavras latinas aequus, igual, e nox, noite, ou seja, correspondente aqueles dois únicos dias em que dia e noite tem a mesma duração e definem o início da primavera e do outono.

Na Europa, e Ásia o ano é dividido em quatro estações, pois há quatro períodos com condições climáticas muito distintas, como o inverno (frio), primavera (flores), verão (calor), outono (queda das folhas).

No Brasil, embora tradicionalmente se mencione as quatro estações por cauda da herança da colonização européia, elas não são tão distintas. As estações acontecem de forma diferente nos estados do norte e do sul. Nos estados do sul é mais fácil dividir o ano em quatro estações, pois a natureza apresenta as quatro predominâncias. Já nos estados do norte do Brasil é mais fácil dividir o ano em duas estações, verão e inverno ou chuvas e seca, pois este é o comportamento predominante da natureza na região norte.

Da nossa observação do cotidiano as estações são variações climáticas que dependem da região do planeta em que estamos. Essas variações vão desde frio intenso o ano todo (nas proximidades dos pólos) até calor intenso o ano todo (nas proximidades da linha do Equador).

A origem das estações na mitologia é explicada por acordo que a deusa Ceres, a deusa dos cereais ou da agricultura, teve que fazer com seu irmão Plutão.

Prosérpina, filha de Ceres, enquanto colhia flores numa luminosa manhã de primavera, foi surpreendida e engolida por uma fenda aberta no solo sob seus pés. Imediatamente, surpreendeu-se num carro de ouro, sendo levada para o reino de seu tio Plutão.

Depois de longa procura, Ceres, como retaliação, ordenou que a terra secasse e, assim, o mundo estaria condenado a perecer por falta de alimento.

Entretanto, graças à intervenção de Mercúrio, deus da comunicação, Ceres aceitou acordar com Plutão: Prosérpina viveria seis meses com ele e os outros seis meses com ela.

Do arranjo, aceito por Ceres, surgiram as estações do ano, que seriam nada mais que a manifestação do estado de espírito da deusa da agricultura no decorrer de cada ano.

A primavera e o verão, época das colheitas, eram sua alegria, pela volta da filha e pelo convívio com ela. Já o outono e o inverno, época em que pouco ou nada se colhia, eram sua tristeza, pela partida de Prosérpina.

Fontes:
www.recantodasletras.com.br;
numaboa.com;
zênite.nu;
cdcc.usp.br.

Outros links relacionados a Estações Climáticas:

Estações Climáticas
http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/2261074
Primavera http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/2275160
Verão  http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/2301986
Outono http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/2394028
Inverno http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/2410501

Para Acessar: marque o endereço escolhido. Clique com a tecla direita do "mouse". Tecle com a esquerda na opção "pesquisar http:..."


J Coelho
Enviado por J Coelho em 16/05/2010
Reeditado em 29/08/2011
Código do texto: T2261082
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
J Coelho
São Lourenço - Minas Gerais - Brasil, 74 anos
391 textos (332769 leituras)
228 áudios (8656 audições)
234 e-livros (13636 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/10/14 11:38)
J Coelho



Rádio Poética