Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poesia

Se projetas alguma coisa, ela te sairá bem, e a luz brilhará em teus caminhos. (Jó 22:28)

Atlas gostaria muito de substituir o suor frio de aflição pelo digno e agradável humor aquoso provocado pelo honrado trabalho, que tanto gostava de desempenhar. Não sabia mais o que fazer, uma vez que o conserto de pneus, ficou reduzido em 90%, desde que a Transportadora Neco, vizinha de seu estabelecimento mudara.

Já sei, vou pegar uns dez pneus e ficar na frente da loja, mexendo neles. Assim todo o mundo verá o movimento. Ônibus, caminhão, carreta, estarão parando para consertar um montão de pneu careca. Como eu sou burro! Só agora me veio tal idéia. Tudo bem!

Realmente o panorama mudou muito. Em frente ao Atlas Borracheiro. Começou a parar tudo quanto é veículo. Tudo para pedir informações. Já era sexta-feira e Atlas suado foi almoçar no restaurante de estrada que ficava próximo ao seu negócio.

-- Parabéns “pra” você, nesta data querida... – Piraram. Aí tem! Trabalho aqui há 10 anos, e ninguém nunca quis amizade nenhuma comigo.

-- Grande Atlas! – falou Chiquinho, o dono do restaurante (também abalado com a saída da Transportadora Neco). Hoje é teu aniversário e não vais pagar nada. É tudo por conta da casa.

-- Atlinha – continuou Chiquinho. Quero também te dar os parabéns pelos bons negócios. Soube que agora a loja vive lotada de cliente, é verdade?

Findo o almoço, Atlas sem dar maiores explicações, recolheu-se à sua insignificância, retornando à atividade, para fazer o marketing fajuto. Espalhou outro monte de pneus para simular trabalho, quando parou um caminhão de onde saiu um nordestino com cara de quem não comia há cinco dias. Muito falante, portava uma mala e disse que ia trabalhar com ele.

-- Elegância como é teu nome? – perguntou Atlas.
-- Arquimedes Ásimo, Poeta de Marketing, seu novo parceiro. E continuou:

Almejo enriquecê-lo,
Em imenso volume;
Trabalho com zelo,
Igual vaga-lume.

Cidade ou campo,
É só prosperar;
Com grande espanto,
Irás faturar!
 
-- Arquimedes.
É tudo encenação.
Carro, ônibus,
Perua, caminhão,
Pedindo informação.

-- Atlas tu também és poeta?
-- Passa lá naquele pé sujo, almoça, manda botar na minha conta e volte aqui para falarmos – respondeu Atlas, comovido com a inadmissível alegria do tão sinistro homem.

-- Chiquinho. Atlas me contratou como “Poeta de Marketing”. Coloca minha comida, que depois vou fazer uma poesia para teu restaurante – disse Arquimedes.

Que comida boa,
Acabei de provar!
Estou numa boa,
Querendo voar!

Me sinto bem forte,
Para trabalhar!
Não volto pro norte,
Aqui vou ficar.

-- Valeu Paraíba! Bicho talentoso!
Todos ficaram penalizados com o poeta e ofereceram esmola. Este porém recusara, dizendo que era um profissional de marketing, funcionário importante do Atlas Borracheiro. A partir de agora, vocês só ouvirão meus poemas quando forem fazer negócios com o Atlas.

Quando Arquimedes chegou à loja, três clientes que ouviram sua poesia estavam consertando pneus com Atlas e aguardando o poema.

-- Olá povo! Ai vai uma poesia:

Com assiduidade,
Venha me comprar;
Mas olhe a saudade,
Não deixe aumentar.

Ajouje a mim,
Seu grande valor;
Seu cheiro sem fim,
Jardim de sua flor!

Desejo ir consigo,
A todo lugar;
Ser o seu amigo;
De você gostar.

Atlas Borracheiro,
Firma compromisso;
Devolve o dinheiro,
Pelo mau serviço.

Retorne à loja,
Por breve que seja;
E desculpa forja,
Depressa me veja!

A estrada é local de difícil entretenimento. Os motoristas são pessoas sensíveis à arte, especialmente música e poesia.

A simulação de Atlas não era mais necessária, posto que agora sua loja estava lotada de clientes que iam até o estabelecimento. Agora não mais para pedir informações e sim consertar pneu com direito a poesia.

Por sugestão do poeta, o nome do Borracheiro mudara para “AA Borracheiros Poetas”. Arquimedes disse que seria uma maneira de prestigiar os dois na nova sociedade, além de ser mais fácil procurar na lista telefônica e quem sabe no Google?

Um excelente “marketeiro” americano, Bill Bode, esteve na empresa para faturar um case e colocar em seus anais e chamando Arquimedes perguntou: como você descobriu esse método?

-- Atlas! Por favor tira uma nota de 500 pneus. É o valor do “royalty” que vou cobrar deste gringo, pela transferência de parte do conhecimento – ordenou Arquimedes, prosseguindo:
 
-- Apesar de ser um homem humilde, do interior, trabalhei durante dois anos com um MBA em São Paulo. Como Poeta de Marketing, estamos tentando implantar aqui o “Paradigma Orientando Estímulo Solucionador, Incrementando Ascensão” – Poesia.
Gilberto Landim
Enviado por Gilberto Landim em 29/08/2006
Código do texto: T227956
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Gilberto Landim
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 68 anos
527 textos (25515 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:33)
Gilberto Landim