CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

DIA DA MATA ATLÂNTICA: COMEMORAR O QUE?

Neste dia 27 de maio, comemora-se o “Dia Nacional da Mata Atlântica”, bioma com a maior biodiversidade do planeta, mas também um dos ecossistemas mais ameaçados da Terra. Nela estão quase 20% de todas as formas de vida animal e vegetal do planeta. Somente de aves e pássaros são conhecidas 1.020 espécies – número três vezes superior ao catalogado em toda a Europa. Lá também estão 513 espécies de mamíferos, 350 de peixes, 340 de anfíbios e 197 de répteis. São mais de 20 mil espécies vegetais, 8 mil delas endêmicas.
Há cinco séculos, a mata cobria quase todo o litoral brasileiro, do Rio Grande do Norte até o Rio Grande do Sul. Era a segunda maior floresta tropical do país, somente atrás da Floresta Amazônica, com uma área ocupada de 1,3 milhão de quilômetros quadrados. Mas o homem se encarregou de mudar esse status e hoje a floresta tem cerca de 90 mil quilômetros quadrados, o que representa apenas 7% da sua extensão original.
A floresta começou a ficar menor a partir do século XVI, com a extração do Pau-Brasil, e continua diminuindo a cada dia por conta de fatores como a explosão demográfica e a especulação imobiliária, a derrubada para a expansão das atividades agrícola (entre elas a monocultura da cana-de-açúcar) e pecuária, instalação de carvoarias e a extração ilegal e predatória do palmito (Euterpe edulis), da erva-mate (Ilex paraguariensis) e de outras plantas.
Entre os anos de 1985 e 1990 foram derrubadas aproximadamente 1,2 milhão de árvores. Em alguns lugares, como no Rio Grande do Norte, a mata desapareceu. No restante do país encontramos apenas vestígios da floresta em 13 Estados e o que ainda existe são pequenas ilhas de manchas verdes.
Sem a floresta, não haverá umidade suficiente para provocar chuvas, agravando a seca no Nordeste, além de vermos diminuído o poder de captura do CO2 atmosférico. Sem floresta não haverá fauna. Das mais de 200 espécies de animais brasileiros ameaçados de extinção, 171 tem ali o seu habitat, como o Mico-leão-dourado, o Mico-leão-da-cara-preta, o Lobo Guará, o Tatu Canastra, a Jacutinga, o Papagaio-chauá, a Arara-azul e o Sagüi-da-serra.
Diante desses números a que conclusão chegamos? A de que não há nada a comemorar neste dia 27 de maio. A Mata Atlântica não tem nada para festejar. Muito pelo contrário! Esse momento deve ser de reflexão. O animal-homem deve parar para se arrepender, se penitenciar pela derrubada e destruição de milhões de árvores, pelas mortes causadas; pela agonia que provoca a centenas de espécies de plantas e animais a beira da extinção e por outras tantas que já desapareceram.
Felizmente, o pouco que existe ainda pode ser mantido e preservado, assim como as mais de 850 Unidades de Conservação e Parques Nacionais, criados ao longo das últimas décadas com o objetivo de proteger a biodiversidade daquele bioma. Pelo menos hoje, pensemos na possibilidade de abdicarmos do direito de destruir e de poder viver harmonicamente com a natureza. Ela vai agradecer...e as próximas gerações também.
ALEXANDRE ACIOLI
Enviado por ALEXANDRE ACIOLI em 25/05/2010
Código do texto: T2279949

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre de Souza Acioli). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
ALEXANDRE ACIOLI
Recife - Pernambuco - Brasil
53 textos (49227 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/04/14 05:13)