Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Podre poder eterno

 
Eterno podre poder

 

   Vez por outra nos damos conta de que são os mesmos personagens que estão ocupando cargos públicos há mais de 30 anos. Virou profissão para eles. Os elementos A, B, C, ... Z a cada 2 ou 4 anos mudam de cargo: Governadores para Prefeitos, depois tornam-se Deputados, Vereadores, retornam à Prefeitura, assumem uma secretaria e ficam ali em volta da doce colméia do farto dinheiro público impedindo que uma nova turma de pessoas oxigenem o ambiente e alterem o processo de condução de nossas vidas. Um novo elemento (na maior parte das vezes um parente próximo) só entra neste circuito depois de sabatinado com rigor e devidamente "doutrinado" a perpetuar o "esquema" que lhes garante embolsar algumas vantagens que jamais conseguiriam através de trabalho honesto, tendo em vista que grande parte deste bando não possui currículo, mas sim folha corrida.

 

   Alguns de nós chegamos a imaginar que depois de um primeiro mandato, o incauto já poderia se retirar da vida pública com os valores obtidos em negociatas e usando este montante acumulado e economizado (quase nada gastam pois as mordomias são polpudas e as "comissões" bem mais), para montar algum tipo de negócio próspero. Não fazem isto por duas razões básicas:

1 – Alguns são incompetentes para gerenciar empresas de qualquer tamanho. Até um carrinho de pipocas. Comprovam isto com os desleixos que cometem nas repartições e gabinetes que comandam mesmo por algum período curto. Desviam e deixam que em outras esferas também aconteçam sangrias. Não podem estabelecer controle para as verbas pois estariam dando um tiro no pé. E temem que em suas empresas surjam meliantes de igual quilate que possam desviar seus patrimônios da mesma forma como ocorreu com o patrimônio público.

2 – Muitas vezes os esquemas de desvios foram mal elaborados e deixaram rastros difíceis de apagar. Por isto o sujeito (ou o grupo) que comandou o plano quase que se vê obrigado a repetir o mandato por outros períodos para impedir que haja uma auditoria que faça devassa nas contas durante a gestão anterior. Ele torna-se um vigia permanente sempre atento, movendo o tapete para a região onde a sujeira ameaça despontar. Só consegue se livrar deste fardo depois que prepara um sucessor tão canalha quanto ele, com um passado já recheado de alguns delitos (devidamente armazenados num dossiê) e que se comprometa a impedir que fatos antigos de desmandos administrativos sejam desenterrados.

 

   Esta conduta predatória não acontece apenas nos cargos públicos. Ocorrem também em sindicatos, entidades sociais, associações diversas, condomínios e cooperativas. Eu sou sócio de um clube recreativo perto de casa, onde o atual presidente acaba de ser reeleito (deve ter feito muitos "acordos" para obter apoio) para o terceiro ou quarto mandato. Mesmo sem termos acesso aos documentos contábeis (aliás ele nunca nos apresentou balancetes periódicos das movimentações financeiras) dos arquivos agora informatizados, já soubemos que as dívidas trabalhistas alcançam patamares elevados e o elevador está empenhado para garantir a indenização de antigo funcionário que obteve suada vitória no tribunal trabalhista.

 

   E as festas oferecidas às autoridades, jornalistas e personalidades sociais da cidade custeadas por nossas mensalidades, pelos contratos de propaganda e pelas escolinhas diversas continuam portentosas e fartas, para agradar aos que de alguma forma podem retardar as ações explosivas que podem deitar por terra um conceito criado ao longo de alguns anos de comando da entidade esportiva. Por isto nosso futebol é maravilhoso dentro de campo e de péssima qualidade no que se refere à administração. Nossas entidades outrora respeitadas e enfeitadas por brilhantes rótulos escritos por nomes de valentes patriotas atualmente abrigam dirigentes comprometidos com o atual esquema de lama.

 

   Sabemos todos que para se manterem no poder desgovernado os abutres praticam todas as artimanhas imagináveis. Desde a imposição do voto aos mais ignorantes (como os "coronéis" fazem no interior flagelado pela seca controlada), passando pela compra de votos diante de "formadores de opinião" (que são agraciados com cargos do terceiro escalão para baixo), até o uso de programas eletrônicos passíveis de vícios (que o TSE não deixa ser analisado abertamente por entidades insuspeitas). E se sabemos disto, as entidades pelas quais no passado tínhamos orgulho (jornais, OAB, CNBB e outras Bs) são comandadas por pessoas que até podemos conhecer, também sabem. E se não se levantam pela defesa do processo limpo de definição do comando, entram na listas de suspeitos que estão levando alguma vantagem em troca de seu apoio e de seu prestígio conquistado no passado, que pelas atitudes presentes, comprometem nosso futuro. Por todo este complexo montado, que se desmoronado vai revelar conceituados nomes da sociedade, não lutam por uma transparência do sistema eleitoral, que apenas encena uma farsa para dar credibilidade à permanência dos "mesmos" nos postos de comando. Por isto não divulgam ao eleitor a opção de como votar NULO, pois pressentem que pode eclodir uma rejeição espontânea em massa que fatalmente abalará a podre estrutura do poder corrompido que começa a se solidificar e exibe uma longa perspectiva de permanência sob nossos olhares acomodados. Já que Deus e seu exército de anjos estão ocupados com as guerras e a fome no resto do mundo, que a Natureza tenha pena de nós.
Haroldo
Enviado por Haroldo em 31/08/2006
Código do texto: T229826
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Haroldo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
678 textos (24821 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:43)
Haroldo