CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

OS DITOS POPULARES:

A gente vai dizendo coisas no nosso cotidiano, mas nem sempre questionamos o real significado, principalmente dos Ditos Populares. Há expressões seculares que vão passando de geração a geração e se perpetuam em nossa linguagem. Considerando a finalidade da comunicação que é a interação entre pessoas, essas expressões cumprem muito bem suas funções. Quando a gente diz: “quem tem boca vai a Roma”, fica claro que queremos dizer que quem fala não terá dificuldade em chegar nalgum lugar, desde que pergunte. Contudo, poucos sabem que essa expressão, originalmente, é “quem tem boca vaia (verbo vaiar) Roma”. Talvez se a gente usá-la hoje no sentido de “vaia”, o interlocutor sinta-se “voando”.

A seguir elencamos algumas expressões conhecidas por todos, mas que tiveram sua origem com significado diferente do que aplicamos hoje:

 

01 – Expressão  usada: “Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão”. Expressão  original: “Batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão”;

02 – Expressão  usada: “cor de burro quando foge”. Expressão  original: ”Corro de burro quando foge”;

03 – Expressão  usada: “Quem tem boca vai a Roma”. Expressão  original: “Quem tem boca vaia Roma”;

04 – Expressão  usada: “Cuspido e escarrado”. Expressão  original: “Esculpido em carrara”. Carrara é   um  tipo  de     mármore.     Portanto, dizer que alguém se parece com  outrem,  significaria dizer que foi  esculpido como quem esculpe em      mármore carraro.

05 – Expressão  usada: “Quem não tem cão caça com gato”. Expressão  original: “Quem não tem cão caça como gato”, (da forma de gato,  ou seja, sozinho);

06 – Expressão  usada: “Esse menino não pára quieto, parece que  tem  bicho  de  carpinteiro”; Expressão  original: “Esse menino não pára quieto, parece que tem  bicho   no  corpo Inteiro”.

 

Estas e outras expressões são resultantes dos processos socias. Mostra-nos como a comunicação  interpessoal pode nos trair em seu contexto, principalmente a verbal. Outro exemplo disto é a “técnica do cochicho”, muito utilizada em dinâmica de grupo: conta-se uma pequena história e pede-se para uma pessoa do grupo cochichar no ouvido da outra. Esta repassa o que ouviu para quem estiver junta e assim por diante. Quando a ultima pessoa do circulo ouvir a mensagem irá falar o que ouviu para o grupo. Então o instrutor irá dizer a mensagem correta e todos verão que quase nada restou da mensagem inicial.

 

Aproveitando o mote, seguem-se expressões populares às avessas, ou seja, modernas, considerando a era do conhecimento e da informação em que a INTERNET entrou no nosso cotidiano de forma assustadora. Elas podem não primar pelo rigor do idioma, mas refletem a sociedade em que vivemos e o que ela fala, posto que a língua é um dos componentes básicos e fundamentas de qualquer sociedade. Além de comporem o linguajar “internetês”, essas mensagens estão correntes na NET, como estas que pesquisamos no site “COPI COLE” – RECICLANDO COISAS (IN)NÙTEIS DO SEU DIA A DIA. Vejamos:

 

 

1. A pressa é inimiga da conexão.

2. Amigos, amigos, senhas à parte.

3. Antes só, do que em chats aborrecidos.

4. A arquivo dado não se olha o formato.

5. Diga-me que chat freqüentas e te direi quem és.

6. Para bom provedor uma senha basta.

7. Não adianta chorar sobre arquivo deletado.

8. Em briga de namorados virtuais não se mete o mouse.

9. Em terra off-line, quem tem 486 é rei.

10. Hacker que ladra, não morde.

11. Mais vale um arquivo no HD do que dois baixando.

12. Mouse sujo se limpa em casa.

13. Melhor prevenir do que formatar.

14. O barato sai caro. E lento.

15. Quando a esmola é demais, o santo desconfia que tem vírus anexado.

16. Quando um não quer, dois não teclam.

17. Quem ama um 486, Pentium 5 lhe parece.

18. Quem clica seus males multiplica.

19. Quem com vírus infecta, com vírus será infectado.

20. Quem envia o que quer, recebe o que não quer.

21. Quem não tem banda larga, caça com modem.

22. Quem nunca errou, que aperte a primeira tecla.

23. Quem semeia e-mails, colhe spams.

24. Quem tem dedo vai a Roma.com

25. Um é pouco, dois é bom, três é chat ou lista virtual.

26. Vão-se os arquivos, ficam os back-ups.

27. Diga-me que computador tens e direi quem és.

28. Há dois tipos de pessoas na informática. Os que perderam o HD e os que ainda vão perder…

29. Uma impressora disse para outra: Essa folha é sua ou é impressão minha?

30. Aluno de informática não cola, faz backup.

31. O problema do computador é o USB (Usuário Super Burro).

32. Na informática nada se perde, nada se cria. Tudo se copia… e depois se cola.

33. O Natal das pessoas viciadas em computador é diferente. No dia 25 de Dezembro, o Papai Noel desce pelo cabo de rede, sai pela porta serial e diz: Feliz Natal, ROM, ROM, ROM!

 

                 

                 

 



 

CARLOS SENA
Enviado por CARLOS SENA em 12/07/2010
Reeditado em 15/02/2011
Código do texto: T2372955

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de carlos sena com trechos da net.- csena51@hotmail.com ). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
CARLOS SENA
Recife - Pernambuco - Brasil
1442 textos (206141 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/09/14 12:33)

Site do Escritor