Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Estação Outono

Estação Outono



No artigo “Estações Climáticas”, no qual tivemos a intenção de esclarecer o porquê das estações do ano e como foi convencionado identificar o início de cada uma delas, mostramos que qualquer um de nós concluiria, ao se dispor a observar o pôr-do-sol, durante um ano: o Sol só ocorre de pôr-se precisamente no Oeste duas únicas vezes (os dois Equinócios); o Sol, num movimento de vai e vem movimenta-se do Oeste (Equinócio de Setembro) até um ponto limite no Sul (Solstício de Dezembro)  e volta para o  Oeste (Equinócio de Março);depois continua e vai até um ponto limite na direção Norte (Solstício de Junho).
Ilustrações, neste mesmo site e  na entrada E-Livro com o mesmo título – Estação Outono.

Os solstícios definem os inícios do Verão e do Inverno, enquanto os equinócios definem os inícios da Primavera e do Outono.


O Outono é uma das quatro Estações do Ano. “Outono é outra Primavera, cada folha uma flor” – Alberto Camus. Ocorre após o Verão e antes do Inverno.

No hemisfério Sul inicia com o Equinócio de Março (dia 21) e termina com o Solstício de Junho (dia 22). Enquanto no hemisfério Norte inicia no Equinócio de Setembro (dia 23) e termina no Solstício de Dezembro (dia 21).

O Outono é a estação de transição entre o Verão e Inverno. Assim, presenciamos características de ambas, ou seja, mudanças rápidas nas condições de tempo.

O início do Outono é marcado por dia e noite com a mesma duração, 12 horas. Entretanto, a cada dia que passa, as noites vão se tornando mais longas, até chegarmos ao início do Inverno quando teremos a noite mais longa do ano.

No Brasil, devido sua grande extensão territorial, bem como ao sul ser cortado pelo Trópico de Capricórnio e ao Norte pela Linha do Equador, as características climáticas diferem conforme a região.

Nas serras das regiões Sudeste e Sul ocorrem nevoeiros e geadas com maior freqüência.

Nota-se uma redução das chuvas em grande parte do Brasil, enquanto no Leste do Nordeste se inicia o período mais chuvoso.

Nas Regiões Sul, Sudeste e parte da Região Centro-Oeste do Brasil, as temperaturas tornam-se mais amenas devido à entrada de massas de ar frio, com temperaturas mínimas que variam entre 12ºC a 18ºC, chegando a valores inferiores a 10ºC nas regiões serranas. Nestas mesmas áreas, as temperaturas máximas oscilam entre 18ºC e 28ºC. Nas Regiões Norte e Nordeste, as temperaturas são mais homogêneas: a mínima variando em torno de 22ºC, e a máxima variando entre 30ºC e 32ºC.

As frutas, legumes e verduras cujos períodos de safra coincidem com o período outonal e, por isso, nesse período são encontrados a bom preço, em maior quantidade e qualidade são: abacate; caqui; maçã nacional; uva Niágara;batata doce; berinjela; chuchu; inhame; jiló; macacheira; agrião; almeirão; couve; espinafre; rúcula; e repolho.

É o tempo da colheita de muitos produtos agrícolas e, apesar de o Outono ser conhecido como a estação das folhas caídas ou mortas, flores-de-maio; bico-de-papagaio (flor-de-Natal); camélias; prímulas; tulipas; begônias; e manacás –da –serra, numa espécie de rebeldia ao despir-se das folhagens, dão colorido especial aos outonos brasileiros.
Principalmente, nas regiões frias há árvores, que perdem suas folhas no outono e sem folhas, atravessam o inverno.

As árvores perdem suas folhas como estratégia de sobrevivência. As plantas retiram das folhas a energia que necessitam para manterem-se vivas.

As árvores no Outono precisam economizar energia, pelo fato de os dias de outono serem mais curtos, ou seja; menos luz solar disponível. Para tanto, retiram nutrientes das folhas e os concentram no caule.

Sem os nutrientes, as folhas ressecam e caem. Mas a árvore permanece viva e preparada para atravessar o inverno. A reserva estratégica, apesar de ter sacrificado suas folhas, garantiu a produção de energia suficiente para sua sobrevivência até a chegada da próxima Primavera, quando terá início a geração de novas folhas, flores e frutos.

Com o Outono começa a temporada de cuidados especiais com as plantas: limpeza, adubação e escarificação.

As chuvas diminuem e o solo passa a ficar ressecado. E ótima a medida de incorporar à terra elementos que absorvam e mantenham a umidade, como o húmus de minhoca.

A limpeza, iniciada por meio da retirada de ervas daninhas e insetos que possam ter invadidos o jardim é complementada com poda, somente para retirar folhas e galhos secos.
 
Tanto as regas como a adubação passam a ser moderadas, exceto para as plantas que florescem no meio do ano.

Antes de adubar preferencialmente com adubos orgânicos – húmus de minhoca, torta de mamona e farinha de osso – faça uma escarificação nos canteiros, ou seja, revolva a terra para aumentar a oxigenação das raízes.

Da mesma maneira atenção redobrada a crianças e idosos, pois frio, clima seco e baixa umidade do ar, características do Outono, aumentam a incidência de gripes, resfriados, crises de asma, rinites e bronquiolites.

O outono é uma estação “quem avisa amigo é”, ou “seja previdente”, pois quando chegar o inverno, a dificuldade será maior: o frio será mais intenso; a presença das cores e nosso ânimo serão menores.

A Natureza nos dá inúmeros exemplos de que a vida só é naturalmente vivida, quando em constante transformação. Exemplos como o da larva que se transforma em borboleta e do Outono, estação-transição entre Verão e Inverno.

Morremos ao dormir e cada acordar é renascer. A cada instante: “estalos mentais”, ou vivências, ou simples observações e pronto, já não somos mais os mesmos...

A Natureza revela com a tranqüilidade das árvores ao perderem suas folhas, que o reino vegetal tem fé, ou ciência de que a perda das folhas é promessa de folhas novas, flores e frutos.

Revela, ainda, que nada devemos temer ante os ciclos da vida. Repetem-se como as ondas do mar e nenhuma delas quebra por acaso. São todas causais.

Vamos aproveitar para acumular humores para os invernos, livrarmo-nos daquilo que, apesar de carregarmos conosco, já morreu, como as folhas e galhos secos de Outono.

“Outono” é composição feita no outono da vida. Rimas e melodia para celebrar os ensinamentos da Mãe Natureza que, com o Outono, indica que devemos descartar nossos horrores, como  as folhas secas de Outono.

Sites:
velhosamigos.com.br; clima1.cptec.inpe.br; bemdesaude.com;
orquídea.com.br; avozdaserra.com.br; brassar.se.


Outono


Dias mais curtos
com céu a brilhar
e noites mais longas,
para ninguém se queixar,
nem vir com “milongas”
de que falta tempo para amar.

Folhas, como tapete,
caídas pelo chão,
holocausto do seu vede
por colorido noutra estação.

Rebeldia em cores incontidas:
flores-de-maio; camélias; tulipas;
manacás-da-serra; e begônias
contrastam com árvores despidas.

Agreguemos valores.
Tornemos realidade o sonho.
Podemos nossos horrores,
como folhas secas de Outono.

Outros links relacionados a Estações Climáticas:

Estações Climáticas
http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/2261074
Primavera http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/2275160
Verão  http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/2301986
Outono http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/2394028
Inverno http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/2410501

Para Acessar: marque o endereço escolhido. Clique com a tecla direita do "mouse". Tecle com a esquerda na opção "pesquisar http:..."


J Coelho
Enviado por J Coelho em 22/07/2010
Reeditado em 29/08/2011
Código do texto: T2393992
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
J Coelho
São Lourenço - Minas Gerais - Brasil, 74 anos
391 textos (332105 leituras)
228 áudios (8654 audições)
234 e-livros (13604 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/14 14:41)
J Coelho



Rádio Poética