Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quem é Satanás?

O mal personificado. Muitos seguidores da Bíblia consideram Satanás um ser real, um espírito criado por Deus. Satanás e os espíritos que o seguiram rebelaram-se contra Deus. Foram expulsos do Céu pelo seu Criador. Teólogos podem perguntar-se porque é que o Todo Poderoso não aniquilou esses "anjos caídos", como fez com outras criações suas que falharam o caminho da retidão (salvando Noé e a sua família). Satanás foi autorizado a estabelecer o seu reino nos Infernos e a enviar demônios à terra para procurar convertidos. O mundo demoníaco parece ter sido permitido para um único fim: tentar afastar os humanos de Deus. Porque é que ele permitia isso a Satanás é explicado pelo Livro de Job. A história de Job é interpretada de diferentes modos pelos teólogos, mas a minha leitura é que ninguém sabe porque Deus deixa Satanás viver e atormentar-nos. Deus é Deus e pode fazer o que quiser. Não temos de nos interrogar, fazer ou morrer.
Satanás, sendo um espírito, não é macho nem fêmea. Contudo, como o seu Criador, é geralmente referido como sendo um ser masculino. Muitos acreditam que Satanás, ou o Diabo como também é chamado, pode "possuir" humanos. Possessão é a invasão do corpo pelo diabo. A Igreja Católica ainda realiza exorcismos naqueles considerados como possuídos. Diz-se que Jesus espantou demônios, isto é, praticou exorcismos, e a Igreja considera que recebeu esse poder de Jesus. Ao longo dos séculos, muitas pessoas consideraram certas doenças mentais e físicas como provas de possessão.
Mais freqüente que a possessão, contudo, foi a acusação de estar em consórcio com o diabo. Afirma-se que Satanás tem muitos poderes, entre os quais o de se manifestar com forma humana ou animal. A relação tem sido registrada como puramente física e particularmente sexual. Na maior parte da história da Cristandade existem relatos de Satanás tendo sexo com humanos, quer como incubus (diabo macho) ou succubus (diabo fêmea). As bruxas e feiticeiros foram considerados frutos dessas uniões. São considerados especialmente perniciosos porque herdaram alguns dos poderes do diabo.
De acordo com Carl Sagan, relatos de relações sexuais diabólicas são fenômenos culturais comuns:
Paralelos aos incubi incluem os Árabes dhinn, os Gregos sátiros, os Hindus bhuts, os Samoenses hotua poro, os Célticos dusii...[Sagan, p. 124]
Contudo, como criança ensinado no catecismo, histórias de freiras violadas por incubi vestidos de padres não constavam dos livros. O Diabo estava aqui para nos tentar, pura e simplesmente. Não era para ter relações ou fazer experiências reprodutivas. Com certeza que a principal atração era sexual. Ele gastava muito tempo usando raparigas para tentar os rapazes a terem pensamentos impuros. Invadia o nosso espírito durante a adolescência, plantando aí desejos de experiências sexuais demasiado pecaminosas para serem mencionadas, muito menos praticadas. Para ser honesto, penso que as raparigas foram ensinadas que os rapazes tentariam tudo para as levar até "ao fim". Mas não me espantaria que elas tenham sido ensinadas que são elas as tentadoras e que são elas que teem de se afastar dos rapazes com os seus encantos de fêmeas. De qualquer modo éramos ensinados a rezar constantemente, implorando a intercessão dos santos e da Mãe de Deus, que nos dariam proteção contra as investidas de Satanás. Ocorreu a muitos observadores que o medo de Satanás se parece muito com o medo da nossa própria sexualidade.
Apesar de toda a instrução que nos deram sobre o Mal, não me lembro de ter ouvido falar do Papa Inocêncio VIII e o inicio da Inquisição e seqüente perseguição de bruxas e heréticos. O Papa proclamou numa bula que os "anjos maus" estavam a ter sexo com muitos humanos, homens e mulheres. Não era o primeiro a fazer tal afirmação. Outros, como São Tomás de Aquino tinham explorado o mesmo campo em pormenor. Ele lembra-nos que uma vez que o Diabo não é humano, não pode produzir semente humana. Portanto, tem de se transformar em mulher, seduzir um homem, guardar a sua semente, transformar-se em homem, seduzir uma mulher e transferir a semente. Algo do diabo é capturado pela semente pelo caminho, pelo que o fruto dessa união não é normal. Aparentemente levou muito tempo até Satanás perceber que se queria controlar o mundo, a melhor maneira era copular com humanos. Invadir os nossos corpos seria mais eficiente que invadir as nossas mentes. Mas o Papa e outros homens piedosos engendraram um plano para exterminar a semente diabólica: torturar e queimar todos eles! Lutariam o fogo com o fogo! O Diabo não levaria a melhor. De facto, o comportamento sádico e monstruoso dos santos inquisidores quase leva um céptico a acreditar em Satanás. Não lhe faltava nada de diabólico.
Um dos mais interessantes aspectos da satanologia é o tema de humanos fazendo pactos com o diabo. A lenda de Fausto é o caso mais conhecido: em troca da alma, Satanás dá saúde, poder, tudo, durante um tempo específico. Na maioria das versões Fausto engana o Diabo e evita o pagamento. No original, o Diabo mutila e mata Fausto no fim do contrato. O cérebro é espalhado pelas paredes, os olhos e dentes jazem no chão e o corpo numa masmorra.[Smith, p. 269]
Hoje em dia ainda há os que acreditam que Satanás é um ser real, mas não ouvimos muitas histórias de incubi e succubi. O mais parecido que temos são histórias de raptos por extraterrestres. Felizmente, para os raptados com histórias de experiências sexuais--o diabo sendo substituído por ETs do espaço--não há Igreja para perseguir, torturar ou exterminá-los. Pelo contrário, há um mercado florescente dessas histórias e os órgãos de comunicação prontos a publicá-las. Infelizmente, um resto dos inquisidores continua entre nós. A única coisa que parecem ter em comum, para lá de gostarem de torturar e matar os outros, é o amor pelos uniformes: militares, policiais, judiciais ou clericais. Mas isto é uma fraca ligação, pois muitos que gostam de uniformes não se envolvem em torturas ou assassínios. O uniforme para os inquisidores de todas as épocas parece pouco mais que camuflagem ou uma desculpa para apresentar ao mundo.
É interessante notar que a maioria dos assassinos e torturadores sentem necessidade de se apresentar como estando a fazer algo de bom quando cometem os seus horrores. O que conduz o terrorismo ou as limpezas étnicas hoje em dia, é o mesmo que conduzia os pios inquisidores. O seu comportamento faz-nos pensar se afinal Satanás não existe mesmo, pelo menos nas almas destas boas pessoas lutando por nobres causas.
De uma perspectiva filosófica, a crença universal em demônios baseia-se na necessidade de uma explicação para uma enorme quantidade de mal físico e moral que nos acompanha ao longo da história. Penso também que os demônios servem de desculpa para as nossas próprias ações e mitigam o nosso sentido de responsabilidade sobre o mal que fazemos. Psicologicamente, os demônios podem ser uma projeção de nós mesmos, a pior parte da nossa natureza ou a mais temida. De uma perspectiva literária, os demônios teem de existir. Se não, teríamos de os inventar. Parecem essenciais para as nossas histórias. Quase mais que a sua contrapartida boa.
Quando o poder da Igreja diminuiu, também o poder de Satanás. Não é por acaso que este teve o pico do seu poder na mesma altura em que a Igreja tinha o seu, durante o século 13. Durante a Idade Média, ao Diabo foi atribuída a construção da muralha de Adriano, que separa a Escócia da Inglaterra, a construção de círculos megalíticos, de pontes em que cobrava a alma da primeira pessoa que lá passasse, etc. Satanás podia realizar magias, mas devemos recordar que a religião católica é basicamente uma religião de magias, de sacramentos que nos protegem de Satanás e que transformam o pão e o vinho em Cristo, de milagres que contradizem a ordem natural, a promessa de juventude eterna e de poderes maravilhosos. A Ordem Satânica foi uma criação da Igreja, necessária para estabelecer o seu poder no mundo. Heréticos, bruxas e feiticeiros eram uma ameaça ao domínio do mundo pela Igreja. Tinham de ser erradicados. Enquanto os inimigos da Igreja cresciam e se tornavam mais poderosos, também o reino de terror cresceu e o poder da Igreja de estabeleceu mais firmemente.
Pelo século 18, na Europa, a queima de bruxas e feiticeiros tinha cessado. Hoje, a maior parte do mundo cristão considera primitivo e bárbaro que alguém seja perseguido ou morto por ser acusado de comungar com Satanás. Mesmo os que fazem mal em nome de Satanás são perseguidos pelo mal que fazem e não pela sua associação com o diabo.
Se o desenvolvimento da ciência moderna tem a ver com a queda da Igreja Católica da sua posição de influência na cultura ocidental, então a ciência deve ter crédito pelo exorcismo de Satanás da consciência ocidental. Claro que o Diabo não está morto, mas uma vez que recebe os seus poderes de Deus, e como o poder de Deus diminui, também os de Satanás. Um dia, talvez, Deus e Satanás tornar-se-ão estranhos impotentes para a imaginação humana. Mas não contem com isso. Muitos teístas acreditam que os males atuais se devem à influência de Satanás e ao decréscimo da influência religiosa. E são muitos, como sabem. Se conseguem os seus objetivos ficaremos a rezar mais e a trabalhar contra as tentações do diabo. Outros pensam que devemos temer mais destas pessoas piedosas do que do Diabo ou dos seus admiradores. Alguns chegam a pensar que os que defendem as rezas nas escolas são diabos disfarçados. Não penso isso, pois quando os filhos de Deus matam pessoas com bombas nas clinicas que praticam abortos, não necessitamos de Satanás. De fato, se Satanás e os seus parceiros voltassem à terra veriam que os melhores trabalhos para os diabos já estavam preenchidos.
Finalmente, existem os modernos satanistas que encontram poder na magia, e especialmente em qualquer coisa anti-Cristã. Obteem a sua inspiração nas grandes obras de imaginação em arte, literatura criados principalmente por cristãos nas suas guerras contra os seus inimigos, mas também por cultos pré-cristãos como o culto egípcio de Set, e ocultistas não- Cristãos como Aleister Crowley e Anton LaVey. Os satanistas de hoje foram acusados, por Cristãos, do assassínio ritual de crianças, mutilação e sacrifícios de animais, enviando mensagens subliminares, causando a decadência da moral e da civilização tal como a conhecemos. Contudo, eles negam tal. As provas não são fortes de que os satanistas sejam piores ou mais poderosos do que os seus inimigos afirmam. Há mais provas da força e maldade dos piedosos. Vejam as caças recentes contra infantários e pais de crianças. As provas são fortes de que estes pios freqüentemente e injustamente acusaram muitos de  abuso por rituais satânicos de crianças. E foram ajudados nessa caça por devotados terapeutas e pios policias e acusadores.
http://brazil.skepdic.com/satanas.html
Ed
Enviado por Ed em 14/09/2006
Código do texto: T240489
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ed
Hortolândia - São Paulo - Brasil
142 textos (42144 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 22:30)