Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NÃO!... MOEDA DE TROCA NÃO!

NÃO!... MOEDA DE TROCA NÃO!
Relacionamentos são constitui bases do ser humano se desenvolver. Conheci uma tribo de jovens de características especiais, que hoje é comum na sociedade; comum, mas despercebido muitas vezes, dos olhos das organizações sociais e comunitárias e igrejas etc. Esses jovens vivem  fases de realização profissional, são independentes financeiramente, são bem sucedidos em quase tudo, mas se perderam na vida amorosa; alguns já estão vivendo em solidão, pois foram infelizes no primeiro casamento.
Toda vez que um relacionamento conjugal desfaz, as perdas são inevitáveis, pois a situação em si, já é constrangedora. Na maioria das vezes vão os antigos amantes, agora inimigos declarados, para os tribunais, travam uma guerra e começam a negociar interesses. São bens móveis e imóveis; mas a guerra ultrapassa os limites do patrimônio, e a disputa chega aos filhos. Os antigos cônjuges disputam os filhos como patrimônio financeiro. Os filhos são patrimônios, são patrimônios do amor; não de disputas egoístas.
Os casos são os mais inusitados: Mães que não permitem mais o seu filho, conviver com pai, pois agora ele representa uma ameaça. Avós entram no meio e querem fazer o papel do pai ou da mãe, achando que a presença dos avós substitui o pai ou a mãe. Pais querendo ser pai e mãe, mães querendo suprir a presença do pai... Os casos são os mais diversos e desastrosos possíveis.
As funções e papéis são invertidos, alterados e adulterados. Ninguém consegue substituir a paternidade, a maternidade. Um pai consegue ser no máximo pai, uma mãe consegue ser no máximo mãe, avós conseguem ser no máximo avós. Em meio a essa gama de personalidades querendo desenvolver o papel da outra, quem leva o prejuízo é a criança, que não tem nenhuma culpa.
Qual pergunta precisa ser feita e respondida pelos jovens pais mal sucedidos no casamento e na vida amorosa?
O que a presença do pai (mãe) representa para o meu filho? Se os separados entenderem que a formação psíquica da criança necessita da presença de ambos, pai e mãe; a presença do masculino e feminino; o egoísmo será colocado de lado e não penalizará o necessitado, que aqui é a criança. Elas deixarão de ser moeda de troca, nos tribunais e também nos telefonemas desaforados enviados e recebidos.
Se esses jovens bem sucedidos na vida profissional entender que o mundo emocional, as necessidades são outras, permitiriam seus filhos, amar e respeitar; conviver com o pai ou a mãe, mesmo que estes sejam agora um desafeto intragável.
A Bíblia diz: “Os filhos são herança do Senhor, uma recompensa que ele dá” (Sl 127.3). Uma herança indivisível, para duas pessoas. Tentar dividir essa herança é rasgar uma alma que em formação. Uma criança dividida e disputada como mercadoria terá uma alma fragilizada. Você poderá até ganhar a exclusividade do seu filho; mas lembre-se: o pequerrucho perderá na formação da sua alma. Na maioria das vezes os prejuízos são irreparáveis.
CIRLON PEREIRA
Enviado por CIRLON PEREIRA em 15/09/2006
Reeditado em 27/12/2006
Código do texto: T240518

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (: cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CIRLON PEREIRA
Ilhéus - Bahia - Brasil, 44 anos
208 textos (24674 leituras)
12 áudios (364 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 12:38)
CIRLON PEREIRA