Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A “coisificação” do homem no conto “Pai contra mãe” de Machado de Assis: “Miséria e Escravidão se defrontam”


                “É um escravo. Mas  talvez livre de espírito. É um escravo.
       Isso fará mal a ele? Aponta alguém que não o seja. Um é escravo
     “do prazer, outro, da avareza, outro, da ambição, todos, do medo.”
                                                                                  (Sêneca)


Resumo:

O presente artigo desenvolve uma leitura do conto “Pai contra mãe”, apontando nele a “coisificação” do homem, revelada, tanto pelo fato de os escravos serem resumidos a meras mercadorias, quanto pelo egoísmo e pensamento político astucioso capitalista, onde o ser humano vale o que possui. O autor aponta ainda, a escravidão e a miséria humanas numa luta pela sobrevivência.

Palavras-chave: coisificação, escravos, miséria, luta, sobrevivência.



Abstract:

This paper develops a reading of the story "Father against the mother," pointing it to "commodification" of man, revealed both by the fact that slaves be summarized as mere merchandise, as the selfishness and cunning capitalist political thought, where the human worth what they get. The author also points out, slavery and human misery in a fight for survival.

Keywords: commodification, slaves, poverty, struggle, survival.


O conto Pai contra Mãe, de Machado de Assis, objeto de estudo deste artigo, foi publicado em 1906, no livro Relíquias de Casa Velha e é de característica marcadamente Realista. Um texto escrito após o fim da escravidão, conforme está escrito logo no primeiro parágrafo do conto: “A escravidão levou consigo ofícios e aparelhos...” (Contos Escolhidos – “Pai contra mãe”, p. 102). Ela terminara e, segundo este trecho, também os ofícios que a alimentavam. Porém, mais que eliminar ofícios, o fim da escravidão não foi capaz de eliminar os efeitos que séculos de sua existência causaram.
O conto pode ser dividido em três partes. A primeira quando o autor relata as características da escravidão reforçando seu lado grotesco e bárbaro. A segunda quando insere a história do casal Clara e Cândido que vive da captura de escravos. A terceira quando retrata a luta pela sobrevivência, em que a condição social se sobrepõe à condição humana.
O narrador, com a maior simplicidade, segue descrevendo as prisões e as perseguições aos escravos como se estes fossem animais. Julga como escravo fiel aquele que não procura o caminho da fuga. Só que relata que cada vez mais escravos fugiam, levando o narratário, mais uma vez, a se perguntar o porquê dele se abster de um comentário mais profundo, do tipo: fugiam por quê? Mas não, ele só se dá ao luxo do sentimentalismo quando descreve a tristeza de Candinho ao saber que tem que levar seu filho à “Roda dos Enjeitados”. Usa de um tom melodramático que imediatamente cessa quando volta o olhar para os escravos. Isso demonstra que os sentimentos existem. O que não existe, e aí está o agravante, é o reconhecimento do escravo como ser humano nem a identificação com a escrava pela perda do filho. Isso não acontece porque, no sistema escravocrata, para Candinho, ela é trabalho; para seu dono, ela é mercadoria.
Os escravos eram transformados em coisas, deixando de ser humanos. E essa coisa, objeto, mesmo quando fugisse, não poderia sofrer muitos castigos, já que estes poderiam impedi-los de prestar os serviços necessários a seu senhor, inutilizando-o, causando assim, grande prejuízo. “Sucedia ocasionalmente apanharem pancada e nem todos gostavam de apanhar pancada. Grande parte era apenas repreendida.” (Contos Escolhidos – “Pai contra mãe”, p. 102). Para dar realidade aos fatos e reforçar a ironia à escravatura e à diminuição dos seres, o espaço ambiente, na cidade do Rio de Janeiro, é fundamental, pois sabemos que os nomes das ruas em que se desenrola a ação, são nomes reais, e que muitos são os mesmos até hoje. Fato que torna essa narrativa extremamente passível de verossimilhança externa. No conto em análise, a luta pela sobrevivência está aí implicada no tema da opressão em cadeia que essa luta desata. Nesse conto, as cruéis relações de dominação entre seres humanos são determinadas por um sistema político e social marcado pelo autoritarismo e pela crueldade. Contudo, personagens como Cândido Neves não hesitam em reproduzir e legitimar a opressão de que são vítimas: “cedeu à pobreza, quando adquiriu o ofício de pegar escravos fugidos” (Contos Escolhidos – “Pai contra mãe”, p. 102).  Nessa estrutura de opressão do sistema escravocrata do império brasileiro, tanto o negro escravo quanto o pobre livre tornam-se vítimas do poder do senhor.
Trata-se, este momento – em que um ser oprimido sanciona a outrem a mesma opressão de que é vítima. Assim, o Candinho vítima da sociedade se torna agressor. É sua intransigência (de pai) diante das súplicas de Arminda (a mãe) que permitem o desfecho tal como conhecemos. Desfecho, aliás, que vem abonar o tema da crueldade, recorrente nesta obra machadiana.
É, pois, no auge do desespero da perda, no momento em que leva seu filho à Roda, que Cândido Neves avista uma escrava fugida, procurada por ele há algum tempo. Segue-se aí, o momento mais dramático do conto, a guerra de pai contra mãe:
Chegou ao fim do beco e, indo a dobrar à direita, na direção do Largo da Ajuda, viu do lado oposto um vulto de mulher; era a mulata fugida. Não dou aqui a comoção de Cândido Neves por não podê-lo fazer com a intensidade real. Um adjetivo basta; digamos enorme. Descendo a mulher, desceu ele também; a poucos passos estava a farmácia onde obtivera a informação, que referi acima. Entrou, achou o farmacêutico, pediu-lhe a fineza de guardar a criança por um instante; viria buscá-la sem falta.
--Mas...
Cândido Neves não lhe deu tempo de dizer nada; saiu rápido, atravessou a rua, até ao ponto em que pudesse pegar a mulher sem dar alarma. No extremo da rua, quando ela ia a descer a de S. José, Cândido Neves aproximou-se dela. Era a mesma, era a mulata fujona. --Arminda! Bradou, conforme a nomeava o anúncio.
Cândido encontra a única maneira retornar com seu filho à casa. Se consegue capturar a mulata Arminda recebe a paga do obséquio, que tem o valor de cem mil réis. Neste momento, quem ata os pulsos da escrava não é mais o homem, o caçador de escravos Cândido Neves, mas o pai que ama ao filho. A escrava, porém, está grávida e tenta apelar para os sentimentos de Cândido, já que suas forças são insuficientes para resgatar a liberdade perdida. “--Estou grávida, meu senhor! exclamou. Se Vossa Senhoria tem algum filho, peço-lhe por amor dele que me solte!” (Contos Escolhidos – “Pai contra mãe”, p.110-111).
Ora, a condição para o pai libertar aquela mãe e filho é retornar à situação anterior, que é separar-se do seu próprio filho. E ambos, pai e mãe, sob o instinto, guerreiam pela vida e pela preservação da sua cria.
Houve aqui luta, porque a escrava, gemendo, arrastava-se a si e ao filho. Quem passava ou estava à porta de uma loja, compreendia o que era e naturalmente não acudia. Arminda ia alegando que o senhor era muito mau, e provavelmente a castigaria com açoutes, cousa que, no estado em que ela estava, seria pior de sentir. Com certeza, ele lhe mandaria dar açoutes.
--Aqui está a fujona, disse Cândido Neves. -- É ela mesma. --Meu senhor! --Anda, entra...
Arminda caiu no corredor. Ali mesmo o senhor da escrava abriu a carteira e tirou os cem mil-réis de gratificação. Cândido Neves guardou as duas notas de cinqüenta mil-réis, enquanto o senhor novamente dizia à escrava que entrasse. No chão, onde jazia, levada do medo e da dor, e após algum tempo de luta a escrava abortou. (Contos Escolhidos – “Pai contra mãe”, p.111).
Vejam que o encontro dos dois ocorreu na rua da Ajuda e a casa do senhor ficava na rua da Alfândega. Apesar de serem próximas, há de convir que a luta e o esforço de ambos não foi de pouca monta. Aliás, apenas como referência, é interessante lembrar que o ato de coroação de Rubião em Quincas Borba, também se deu neste mesmo local, bem como seu destronamento. Ao entregar a escrava ao dono, Cândido recebe o dinheiro pela conclusão da tarefa. Mas vejamos como ocorre a cena. Embora ambos tenham lutado bastante, é a escrava quem chega à casa em fadiga física. Chegou ‘arrastada e arquejando’. Ou seja, chegou, simbolicamente, moribunda, em direção à morte. E enquanto a escrava tomba, Cândido ascende, de maneira que o narrador traça quatro linhas no mesmo momento em que há o encontro das três personagens. No primeiro caso, são duas linhas verticais, opostas e simultâneas. Enquanto a escrava sofre o processo da queda, não sem antes ajoelhar-se diante do caçador, num gesto de submissão, Cândido sofre o processo de elevação. As duas linhas seguintes são horizontais, simultâneas e recíprocas, pois eleva Cândido a uma condição de superioridade diante de Arminda, mas na mesma condição de elevação em que está o senhor. Desta feita é quando Cândido está de pé, em posição vertical, com a moral, autoridade e a auto-estima restituída, bem quando ele pode, enfim, retomar a posse do filho, que a escrava tomba ao chão e aborta o filho que carregava no útero. A alegria do pai Cândido ocorre em simultaneidade à dor e aos gemidos da mãe Arminda. Para o senhor, o desespero está apenas em perder o futuro escravo. Aliás, o pagamento de cem mil réis recebido por Cândido é feito em duas notas de cinquenta. Afinal, são dois os escravos que seriam resgatados.
Cândido Neves retorna à casa e com o filho nos braços não sentia culpa do aborto sofrido pela escrava. O que tinha importância naquele instante era a posse do seu filho. Nada mais do que um exemplo de Humanitas. E se as batatas são suficientes para matar a fome de apenas uma tribo, entre as duas existentes, dá-se a guerra. Ao vencedor, as batatas!
 Os aspectos sócio-econômicos das personagens beiram a miséria, com dificuldades muito grandes, dependência e escassez. “A situação era aguda. Não achavam casa (...) Tia Mônica teve arte de alcançar aposento para os três em casa de uma senhora velha rica...” (Contos Escolhidos – “Pai contra mãe”, p. 108). O pensamento predominante é maquiavélico e capitalista, com destaque para a “coisificação” do ser humano, resumindo os escravos a mercadorias. “... além disso, o sentimento de propriedade moderava a ação, porque dinheiro também dói. (...) Quem perdia um escravo por fuga dava algum dinheiro a quem lho levasse).” (Contos Escolhidos – “Pai contra mãe”, p. 102).
Notamos que, no conto, becos estreitos, sujeira, miséria fazem contraponto com a riqueza e a ostentação dos donos de escravos. O autor mostra a miséria humana, através dos dramas paralelos de um pai contra uma mãe, lutando por duas vidas, onde o indivíduo é capaz de aplacar sua consciência, mesmo tendo cometido o maior dos crimes, justificando a troca de uma vida pela outra. Notamos na passagem que se segue, que o desejo é má, pois provoca a agitação, o egoísmo e o ciúme. Por isso a personagem principal coloca a sua vontade de continuar com o filho acima de qualquer coisa, por isso é levado a agir com egoísmo. Luta corpo a corpo com a escrava para poder entregá-la ao seu senhor, e receber o dinheiro da recompensa, sem ao menos pensar que poderia agir de outra forma para não maltratá-la, já que estava grávida. Mas era apenas uma escrava, qualquer um que assistisse à cena dela arrastada pelas ruas acharia normal.
Houve aqui luta, porque a escrava, gemendo, arrastava-se a si e ao filho. (...) Foi arrastada a escrava pela Rua dos Ourives, em direção a Alfândega, onde residia o senhor. Na esquina a luta cresceu; a escrava pôs os pés à parede, recuou com grande esforço, inutilmente. Chegou, enfim, arrastada, desesperada, arquejando. (...) O fruto de algum tempo entrou sem vida neste mundo, entre os gemidos da mãe e os gestos de desespero do dono. Cândido Neves viu todo este espetáculo. (...) – Nem todas as crianças vingam, bateu-lhe o coração.  (Contos Escolhidos – “Pai contra mãe”, pp. 111-112).

Os sentimentos de pai e de mãe são diferenciados a partir da classe social de ambos. Apesar da semelhança das situações, Cândido e Arminda possuem lugares distintos na sociedade brasileira. Ele, mesmo pobre, é livre e ela é escrava. A obra não concentra a discussão entre a luta de classes, mas na exploração do ser humano entre classes e dentro de uma mesma classe, uns, como forma de lucrar, e outros, como forma de sobreviver.
Fazendo uma análise do perfil psicológico das personagens, ele traz à tona o problema do egoísmo humano. A sociedade hipócrita em que se ambienta a narrativa é constantemente ironizada pelo narrador que vê em seus mandos e desmandos uma tentativa de impor a ordem social aos dominados, como se pudesse colocar-lhes uma máscara de folha-de-flandres para impedir seus excessos.
A falta de liberdade verdadeira transformava o homem em objeto do próprio homem. A oposição em que se apresentam as personagens é uma briga de iguais que legitima o poder da classe dominante e da qual sai vencedor o mais forte, apesar de sua fraqueza moral e instabilidade emocional. O que desnuda ironicamente o caráter desumano e antiético do pensamento da “lei do mais forte”. O sistema em que o personagem está vivendo é que tem maior culpa. Sem saída digna para escapar à sua miséria, ele se submete à lei natural da sobrevivência que regia o Brasil da escravidão: só se consegue viver tirando o sustento da dor alheia. A frase final do personagem corrobora esta lei e serve para livrar Cândido de qualquer culpa pela morte do filho da escrava: "Nem todas as crianças vingam, bateu-lhe o coração" (Contos Escolhidos – “Pai contra mãe”, p. 112).
Nesse conto, é possível perceber a intenção do autor em analisar as cruéis relações de dominação entre seres iguais, todos subjugados por um sistema político e social marcado pelo autoritarismo, mas que não hesitam em reproduzir e legitimar a opressão de que são vítimas. Ao contrário de muitos autores de sua época, Machado de Assis não denunciou os males da sociedade, mas falou de como eles criam raízes nas pessoas. Para ele, o que mais interessa não é a denúncia explícita e panfletária de certos males da sociedade brasileira, como a violência. É, ao contrário, o modo pelo qual esses males se enraízam no cotidiano das relações humanas, ao falar da escravidão e do jogo de poder que a relação encerra.
Machado, através de "Pai contra mãe", mostra como o negro livre e, no caso, o trabalhador branco pobre está em situação muito semelhante ao negro escravo. Ganha a liberdade, ou mesmo já a possuindo por uma questão de origem, o trabalhador livre possuía pouca perspectiva num país em que a bipolaridade social e econômica era, ainda, a principal característica. Ou seja, de um lado o senhor branco, rico, nesse momento não mais escravagista, e do outro o negro livre e o branco em estado pleno de miséria, vivendo numa sociedade em que as possibilidades de mudança são remotas. É esta a situação que Machado anuncia dentro de "Pai contra mãe". A figura central do conto é, como vimos, um trabalhador miserável que forma uma família também miserável. Parece-me que Machado já antevia o que seria a realidade do Brasil durante muitos anos - e sabemos que pouco mudou até hoje. No sistema capitalista vigente, quem tem dinheiro é que ostenta o poder e se sobrepõem às classes “inferiores”. As pessoas valem o que têm. Esse processo desumaniza o homem em seu meio social, fazendo uma ponte com a escravidão. A “coisificação” do homem é um sinal do trágico destino da humanidade: a banalização da vida, a perda de valores éticos. Todos são escravizados de alguma forma e presos a instrumentos. Substitui-se o valor moral pelo material.
                     
                       “A abolição é a aurora da liberdade; esperemos o sol;
                        emancipado o preto, resta emancipar o branco.”
                                                   (Machado de Assis. Esaú e Jacó)




Referências bibliográficas


SCHWUARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas. 3. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

ALBERGARIA, Consuelo. “A Filosofia do Humanitismo”. In: Machado de Assis:

ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Quincas Borba. São Paulo: Cultrix, 1965.

ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Contos Escolhidos. São Paulo: Gráfica e Editora do Brasil Ltda.

Giselma Maurício
Enviado por Giselma Maurício em 02/08/2010
Código do texto: T2414007

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Giselma Maurício
Estância - Sergipe - Brasil, 38 anos
15 textos (3685 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/12/14 13:10)
Giselma Maurício



Rádio Poética