Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                    Carlos Novaes. S/título.2004,técnica mista.98,5cmx 89,00cm
                    acervo do artista
   
                 A EXPERIMENTAÇÃO POÉTICA NA PINTURA DE CARLOS NOVAES
                              

        Novaes é pintor e poeta inserido no contexto da arte paranaense e brasileira contemporâneas, trazendo uma bagagem poética de dolorosa desconstrução signíca, espacial e temporal em sua pintura.  Reciclando formas espaciais-temporais, com a experimentação pictórica, o mundo real lhe é fornecedor de sua matéria prima, a qual coleta,desconstruindo-a e a rearticulando-a no plano bidimensional. Esse fazer-se de sua obra, já caracteriza por si a performance do próprio artista em relação à arte, à vida, vez que coloca-se numa relação direta, corporal, com a espacialidade e o tempo presente, utilizando artefatos e produtos consumidos pela sociedade tecnológica, portadores de signos culturais e existenciais os quais são retalhados e amalgamados pela experiencialidade.
     Este é um procedimento que nos remete à historiografia e ao pensamento estético da arte na modernidade, quando em princípios do século XX, o Cubismo com Picasso multifacetou, decompôs espaço e forma, desmoronando trezentos anos de perspectiva renascentista, estilhaçando a mímese (cópia direta do real), abrindo flancos e interações e possibilitando a introdução de elementos do mundo real ao plano da tela. Marcel Duchamp, por sua vez, investe sobre essa abertura de forma radical e questiona a obra de arte e os espaços instituídos, inserindo no contexto oficial produtos manufaturados pela indústria, isto é, coloca nos espaços oficiais produtos industrializados como obras de arte, questionando os valores estéticos-culturais da arte. Arte e pensamento caminham juntos. Nieztsche derroga paradigmas tradicionais na filosofia, reabrindo proposições existenciais, advindas de fontes de reflexão como "O Mundo como Vontade e Representação" de Schopenhauer e anuncia a morte de deus, fazendo a apologia de um novo novo homem, tão dramaticamente utilizada por esquesmas políticos e ideológicos na Europa, durante a segunda grande guerra.
           A arte reflete essa desconstrução de espaço, tempo e pensamento humanos. Dessa maneira, diante do niilismo então ascendente e às correntes existenciais sartrianas, nunca no contexto da feitura, da confecção da obra em si, esteve tão presente de forma expressiva, na arte moderna e contemporânea, a presença do artista com a sua experimentação córporea, física, material. E nesse processo desconstrutivo da linguagem visual, signos, sinais são reabertos e experimentados na flexibilidade de alternâncias semióticas, desconstrutivas, em novos contextos que se suportam pelas novas visões linguísticas de Wittgenstein, Derrida.
                   O trabalho de Novaes é catalizador dessas alternâncias. Tem como suporte o próprio suporte do mundo, rearticula esse procedimento e embate o corpo pictórico com a apresentação da realidade através da representação signíca. Embebe suas telas com tintura  como em um procedimento alquímico, onde a emoção, a gestualidade, a destruição e a reconstrução da forma-pensamento busca no angustiante caminhamento com a realidade da consciência, uma identificação perdida, num processo onde as sensações amalgamam vida e arte.








Lilian Reinhardt
Enviado por Lilian Reinhardt em 16/09/2006
Reeditado em 07/12/2009
Código do texto: T241746

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lilian Reinhardt
Curitiba - Paraná - Brasil
1294 textos (152934 leituras)
52 áudios (8664 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:04)
Lilian Reinhardt

Site do Escritor