Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pensamento lógico corruptivo

Se Fedro saísse de sua caverna hoje será que ele acreditaria que o PT foi além do esquema Collor/PC? E se seu mestre lhe dissesse que deputados eram pagos por fora para aprovar projetos de melhoria para o país? Minha nossa! Quem acreditaria que o Maluf foi preso? Alguém acreditaria que o presidente da república não sabia de nada?

É triste, mas é verdade. Em uma análise, por cima, dos últimos quinhentos e cinco anos qualquer um comprovaria facilmente que a classe política brasileira só tem um objetivo: favorecimento pessoal. Mais triste ainda é saber que isso não se reserva apenas à classe política.

A impressão que se tem é que a quantidade de corruptos é tanta que esta faltando gente para ser corrompida. Assim como Roma, a corrupção não tinha mais para onde se expandir e simplesmente se explodiu. É um fenômeno contraditório e raro de ser observado, acontece de muito tempo em muito tempo. É como se todas ações da bolsa fossem vendidas em poucas horas e não houvesse mais papeis para serem negociados. Então a máquina pararia e entraria em colapso.

Explicações bizarras vieram à tona. Severino Cavalcanti tentou criar graus de corrupção. Para ele caixa dois não é um crime tão grande assim. O presidente Lula não vê problema nenhum. Segundo o ele se todo mundo tem, porque o PT não pode ter também? Valdemar Costa Neto acha normais alianças políticas que incluam transações financeiras, afinal, ideais partidários não elegem ninguém. Assim como o secretario do PT, Silvio Pereira, acha normal ganhar uma Land Rover de presente. Assim, por amizade. José Dirceu adotou o discurso malufista: “Não há provas contra mim”. Em meio ao mangue alguns tentam se salvar. João Paulo Cunha e José Genuíno sumiram. Delubio Soares se afundou no álcool. Roberto Jefferson se fez de vítima da situação. Paulo Maluf se cala. Se alguém souber da Marta Suplicy, por favor, me avise. Interessante a tática “me incluam fora dessa” do senado e dos senadores.

Pois bem, a lição passou de pai para filho. Alguém conhece um funcionário público que nunca tenha surrupiado materiais diversos do setor onde trabalha? E um funcionário publico que cumpre seu horário de trabalho? Vale até mesmo um prestador de serviço que não super fature a nota fiscal quando presta serviço para um órgão público. Admito até um comerciante/empresário que nunca sonegou imposto. Você nunca falsificou um atestado médico para justificar uma falta? Em meio ao mar de lama e caos de nossos comandantes somos os paus e folhas que obstruem ainda mais a passagem. Ser correto (termo que de tão temido é considerado antiquado por alguns) é como não usar droga, é como ser careta. Não abusar do poder quando se tem é o mesmo que ganhar e não levar a taça.

A crise não é só política, é social também. Corrupção é corrupção e não importa se foi por uma caixa de clipes ou uma mala de dinheiro. Corrupto é corrupto e não importa se ele é deputado ou continuo na prefeitura. Dinheiro sujo é dinheiro sujo e não importa como ele foi parar no seu bolso se ele esta lá. A punição deve ser igual em todos os casos: cadeia e devolução do patrimônio ou valor com juros e correção. Aguardávamos ansiosamente (e babando) punições pesadas para todos os que fossem considerados culpados, políticos ou não. O que vimos foi realmente desanimador.
Eder Capobianco (Antimidia)
Enviado por Eder Capobianco (Antimidia) em 17/09/2006
Reeditado em 15/11/2008
Código do texto: T242443

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eder Capobianco (Antimidia)
Assis - São Paulo - Brasil
176 textos (9946 leituras)
4 e-livros (156 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 00:39)
Eder Capobianco (Antimidia)