Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Aprendizagem significativa e construção de Diários de Bordo: configurando registros na práxis de formação em Psicopedagogia.

Aprendizagem significativa e construção de Diários de Bordo: configurando registros na práxis de formação em Psicopedagogia.
                                                                  Prof. MS. João Beauclair  

Resumo:

Este artigo pretende vincular aspectos teóricos da Aprendizagem Significativa, abordando a construção de Diários de Bordo como configuração de registros de aprendência, na práxis de formação em Psicopedagogia vivenciado pelo autor enquanto mediador em cursos de pós-graduação lato-sensu. O conjunto de idéias aqui elaborado é fruto de algumas inquietações sobre ensinagem e, ainda, procura demonstrar como esta estratégia de formação de adultos pode ser facilitadora dos processos de resgate e/ou construção de autoria de pensamento e de significação e sentido para o agir/fazer de cada ensinante e de cada aprendente.


Palavras-chaves:

Aprendizagem Significativa, Diários de Bordo, Aprendência, Práxis psicopedagógica, Construção do olhar, Autoria de pensamento.









I - Aprendizagem Significativa na construção de Diários de Bordo

“Mas cada um só vê e entende as coisas de um seu modo”
Guimarães Rosa
“O que é, exatamente por ser tal como é,
não vai ficar tal como está.”
Bertolt Brecht

Nos processos de ensinagem o essencial é que o ato de aprender e ensinar sejam significativos e seus processos materiais possam ser apreendidos com a objetivação de se fazer sentido, tanto para ensinantes como para aprendentes, quando uma informação nova busca ancoragem em conceitos anteriormente existentes nas estruturações de cognição presentes em cada um de nós. A informação nova interage com as estruturas específicas do conhecimento, por Ausubel denominada de "subsunçor".
Neste sentido, o que precisa ser apreendido liga-se ao já conhecido, e à medida que tal processo não ocorre, o que podemos perceber é a aprendizagem mecânica , outro conceito importante na teoria de Ausubel, onde se constata que, quando as novas informações são apreendidas sem interação, não ocorre nenhuma alteração na estrutura cognitiva e sim o processo de decorar fórmulas e leis, regras e conteúdos para apenas ser avaliado, sem nenhuma significação real na constituição das subjetividades dos sujeitos.
Na aprendizagem significativa, o fundamental é que ocorra ao menos duas situações iniciais. A primeira reside na figura do aprendente, que deve ter incorporado ao seu mover-se no mundo o desejo de aprender, indo além da memorização pura e simples. Caso isso não ocorra, percebemos a aprendizagem mecânica, não dotada nem de significado nem de sentido.
Outra situação a ser observada está ligada ao fato de que o conteúdo/tema a ser assimilado, construído e apreendido na relação de ensinagem entre ensinantes e aprendentes deve ser significativo, criar possibilidades de vínculos psicológicos e filosóficos e conter, em sua vinculação, sentido lógico e que neste processo, ocorra a mediação enquanto experiência entre sujeitos que interagem, cada qual com sua própria bagagem existencial e com seus próprios modos de ser e estar neste movimento de aprendizagem.
Na experiência que aqui é relatado fica claro que a construção do conhecimento se dá a medida em que cada um movimenta-se no sentido e na direção de articular novos saberes aos que já possui. Tal estruturação cognitiva perpassa a trajetória de cada aprendente, em todo o seu processo existencial, vivenciado de modo consciente ou não,   através de uma seqüência de eventos, única para cada pessoa e desse modo se configura como um processo idiossincrático. Atualmente, esse entendimento de como se constrói a estrutura cognitiva humana chama-se genericamente de construtivismo.
        Na década de sessenta David Ausubel propôs a sua Teoria da aprendizagem significativa, onde enfatiza a aprendizagem de significados (conceitos) como aquela mais relevante para seres humanos. Ele ressalta que a maior parte da aprendizagem acontece de forma receptiva, e desse modo a humanidade tem se valido para transmitir as informações ao longo das gerações. Uma de suas contribuições é marcar claramente a distinção entre aprendizagem significativa e a aprendizagem mecânica.
        Neste Seminário iremos expor em linhas gerais como se dá a construção do conhecimento segundo a Teoria da Aprendizagem significativa de Ausubel, bem como algumas de suas aplicações para o Ensino de modo geral, e Ensino de Física em particular.


Na busca por informações, conceitos, idéias, exemplos e sugestões de como autuar como mediador em grupos humanos para o exercício de minha docência, sempre me pautei pela curiosidade, experimentação e criatividade.  Desde a educação infantil, onde iniciei pelo trabalho como educador, estas três palavras sempre marcaram minha práxis: curiosidade, experimentação e criatividade.
Curiosidade


II – Registros de aprendência: uma prática motivadora.

“O mistério da vida me causa a mais forte emoção.
É o sentimento que suscita a beleza e a verdade,
cria a arte. Se alguém não conhece esta sensação
ou não pode mais experimentar
espanto ou surpresa,
já é um morto vivo e seus olhos se cegaram”
Albert Einstein
 


III - Prática Psicopedagógica e Autoria de Pensamento: o aprender a ser, a fazer, a conviver, a conhecer.

“Atitude: só para quem tem a ousadia de
querer ser si mesmo, deixar de sofrer, se encontrar.
Tudo está em suas mãos.”
Anônimo

“O senhor... mire e veja o mais importante no mundo é isto”:
que as pessoas não estão sempre iguais,
 não foram terminadas – mas que elas vão sempre mudando.
 É isso que a vida me ensinou. Isso me alegra.”
 João Guimarães Rosa

IV - Um quinto pilar a aprendizagem essencial: aprender a amar.

“Algum dia, quando tivermos dominado os ventos,
 as ondas, as marés e a gravidade...
utilizaremos as energias do amor.
 Então, pela segunda vez na história do mundo,
o homem descobrirá o fogo”
Teilhard de Chardin







Bibliografia básica:

Ausubel, David. The Psychology of Meaningful Verbal Learning. New York: Grune & Stratton,1963.
Ausubel, David. In defense of advance organizers: A reply to the critics. Review of Educational Research, 48, 251-257, . 1978).
Ausubel, David, Novak, J., & Hanesian, H. Educational Psychology: A Cognitive View (2nd Ed.). New York: Holt, Rinehart & Winston, 1978.
AUSUBEL, David P. Psicologia Educativa: um punto de vista cognoscitivo. México: Trillas, 1978.
BEAUCLAIR, João. Olhar, ver, tecer: a busca permanente da teoria no campo psicopedagógico. In.:  Pinto, Silvia Amaral de Mello, (coord.) e SCOZ, Beatriz Judith Lima et al.  (orgs.) Psicopedagogia: contribuições para a educação pós-moderna.  Editora Vozes, Petrópolis, 2004, p. 24-35.

___________,___.Psicopedagogia: trabalhando competências, criando habilidades. Coleção Olhar Psicopedagógico, Editora WAK, Rio de janeiro, 2004(a).
___________,____.Neuropsicologia e Biociências: aprendendo Ecologia Humana com um novo olhar – sobre si mesmo e os outros – a partir da autopoiese.IN.: RIBEIRO DO VALLE, Luiza Helena e CAPOVILLA, Fernando César. Temas Multidisciplinares de Neuropsicologia e Aprendizagem. Tecmedd, Ribeirão Preto, 2004(c).
___________,___.Autoria de pensamento, aprendências e ensinagens: novos modelos e desafios na produção de conhecimento em Psicopedagogia. Publicado no site da ABPP www.abpp.com.br , em abril de 2004(d) e no site www.pedagobrasil.com.br, em junho de 2004.
___________,___.Por entre permanências, aprendências e transcendências: (re) criando vínculos numa perspectiva psicopedagógica e inclusiva, Publicado no site da Fundação Aprender www.fundacaoaprender.org.br, Julho, 2004(e)
___________,___. Psicopedagogia institucional e formação do/a psicopedagogo/a numa perspectiva paradigmática: breve relato de uma experiência em processo.  Publicado no site www.psicopedagogiaonline.com.br   em  maio 2004 (f)
___________,___. Mansidão, afabilidade e doçura nas relações humanas: o resgate necessário a partir das instituições. Publicado no site www.psicopedagogiaonline.com.br  em agosto de 2004 (g)
___________,___.O lugar da teoria: aprender e ensinar em Psicopedagogia. Artigo inédito, ainda não publicado. 2004 (h)
___________,___. Oficinas psicopedagógicas como estratégias de formação: a arte da aprendizagem ou aprendizagem em arte. Artigo inédito, ainda não publicado. 2004(i)
___________,___. A coragem essencial: formação pessoal em Psicopedagogia, 2004(j)
____________,_____. Iniciantes idéias: a construção do olhar do/a  psicopedagogo/a. Artigo publicado no site da Associação Brasileira de Psicopedagogia  e no site www.psicopedagogiaonline.com.br em fevereiro/março de 2003.
________, ______. Da Educação Ambiental à Ecologia Humana: o caminhar necessário nos processos de Educação em Direitos Humanos. Trabalho aprovado (comunicação oral) para o XI Simpósio sobre Meio Ambiente da UNIVERSO - Universidade Salgado de Oliveira, Campus São Gonçalo, outubro 2003.
____________,_____.Vencer o Medo, Nutrir a Esperança, Cuidar da Vida, construir a Paz: a contribuição (necessária) da Educação. Artigo apresentado como comunicação oral no Encontro de Diretores e Supervisores de Ensino da Coordenadoria Metropolitana IX, Itaboraí, Rio de Janeiro, dezembro de 2002.
____________,_____.Direitos Humanos na Prática Pedagógica: perspectivas, limites e possibilidades.  Dissertação de Mestrado em Educação. Programa de pós-graduação e Pesquisa da UNIVERSO- Universidade Salgado de Oliveira, Campus são Gonçalo, Rio de  Janeiro, dezembro de 2002.
____________,_____.Educação para a Paz: um estilo de ‘aprenderensinar’ e ‘ensinaraprender’ na perspectiva da Educação em Direitos Humanos como possível suporte psicopedagógico. Publicado no site www.aprender-ai.com.br e comunicação apresentada na mesa redonda “Estilos de Ensinar e Aprender”, da II Jornada Regional de Psicopedagogia, promovida pela ABPp- Associação Brasileira de Psicopedagogia e organizada pelo Núcleo Sul Mineiro de Psicopedagogia, na cidade de Poços de Caldas, em 23/06/2001.
____________,_____. A prática de ‘ensinagem’ no desenvolvimento de projetos educativos: potencialidades e condições básicas” apresentado na III  Jornada Cientifica da UNIVERSO / II Encontro Anual de Iniciação Científica da  Universidade Salgado de Oliveira. Campus São Gonçalo,  RJ e publicado no Caderno de Estudos e Pesquisas da UNIVERSO, volume especial, de setembro de 2001. Este artigo também se encontra disponível no site www.aprender-ai.com.br e na Revista PARADOXA - Projetivas Múltiplas em Educação, UNIVERSO, vol. 8 , n.º 10/11/2001 .
____________,_____. Um pé na escola e outro no mundo: idéias de Paulo Freire para um cotidiano escolar em Direitos Humanos. Revista PARADOXA - Projetivas Múltiplas em Educação, UNIVERSO, vol. 12, 2001.
GAINES, Brian e SHAW, Mildred. Collaboration through Concept Maps. 1995. Disponível na Internet: http://ksi.cpsc.ucalgary.ca/articles/CSCL95CM/
Gonçalves, Júlia Eugênia. Falar ou Fazer? A prática docente na pós-graduação em Psicopedagogia. In: Psicopedagogia: avanços teóricos e práticos: escola, família, aprendizagem: I Congresso Latino Americano de Psicopedagogia, IX Encontro Brasileiro de Psicopedagogia - São Paulo, Vetor,2000.
____________,_____________. Construtivismo não é um método, mas uma filosofia de vida.disponível em www.fundacoaaprecner.org.br
KAWASAKI, Evelise I. FERNANDES, Clóvis T. Modelos para Projeto de Cursos Hipermídia. Tese de Mestrado, Divisão de Ciência da Computação, Instituto Tecnológico da Aeronáutica. São José dos Campos, 1996.
LEUNG, Johnson. The use of Concept Maps in the Teaching-Learning Process. 1997.Disponível na Internet: http://www.fed.cuh.edu.hk/~johnson/cmap/cmapguid.html
MIHKELSON, Ann. Concept Maps. 1996.Disponível na Internet: http://www.utas.edu/.au/docs/cult/concept.html
MOREIRA, Marco A., MASINI, Elcie F. S. Aprendizagem Significativa: A Teoria de David Ausubel. Editora Moraes, São Paulo, 1982.
MOREIRA, Marco A., A Teoria de Educação de Novak e o Modelo de Ensino-Aprendizagem de Gowin. Fascículos da IFUFRGS, Série Ensino-Aprendizagem, n. º 4 , 1993.
MOREIRA, Marco A., Aprendizagem Significativa: A Teoria de Ausubel. Monografias do Grupo de Ensino, Série Enfoques Didáticos, n.º 1, 1993
NOVAK, Joseph D., GOWIN Bob. Aprender a Aprender. Lisboa: Plátano, 212 p. 1996.
RORATO, A. M. Aprendizagem Significativa e a Construção de Softwares Educacionais Hipermídia. Faculdades Franciscanas, Santa Maria, 1997, digitado.
AUSUBEL, D., NOVAK, J., & HANESIAN, H. (1978). Educational Psychology: A Cognitive View (2nd Ed.). New York: Holt, Rinehart & Winston.
BRAATHEN, PER CHRISTIAN. A Case Study of Prior Knowledge, Learning approach and conceptual change in na Introductory College Chemistry Tutorial Program.  Madison, University of Wisconsin, 1987.
CACIQUE, A. A construção do conhecimento em ambientes virtuais: uma abordagem sobre ambientes interativos de aprendizagem. Assunto: Tecnologias e suas aplicações como recursos didáticos. Ambientes interativos de aprendizagem. Ensino virtual. Evolução do conhecimento.Telemática no desenvolvimento cognitivo.
CARLSON, Patricia A. & LARRALDE, V. Combining Concept Mapping and Adaptive Advice to Teach Reading Comprehension. J. UCS. v. 1 n. 3.
CAVALCANTI, R.A. Andragogia: a aprendizagem nos alunos. Assunto: Arte e ciência de orientar os adultos a aprender. Estímulo do autodidatismo, capacidade de autocrítica e de trabalhar em equipe.
PEDUZZI, L. O. Q. Algumas fases ou estágios na resolução de problemas- Sobre a resolução de problemas no ensino da física. Caderno Catarinense de Ensino de Física, Volume 4, Número 3, Pág. 229 a 253, Dez/1997
PLOTNICK, Eric. 1997. Concept Mapping: A Graphical System for Understanding the Relationship Between Concepts. ERIC Digests, junho.
MOREIRA, Marco Antônio. Guia de estudos individual. In: _________ Ação docente na Universidade. Porto Alegre, Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 1985. Pag 116 a  135
MOREIRA, Marco Antônio. Uma Abordagem Cognitivista ao Ensino da Física. Porto Alegre, Ed. da Universidade, UFRGS, 1983
SZTAJN, Paola. Resolução de problemas, formação de conceitos matemáticos e outras janelas que esse abrem. Educação em Revista, Belo Horizonte, edição 20 a 25 de dez/94 a jun/97, p. 109-122, 1997.
WATSON, Bruce and Richard KOPNICEK. Teaching for Conceptual Change: Confronting Children's Experience. Phi Delta Kappan, May 1990, pp. 680-684.
 
MOREIRA, Marco Antônio. Guia de estudos individual. In: _________ Ação docente na Universidade. Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, p. 116 a  135, 1985.
MOREIRA, Marco Antônio. Uma Abordagem Cognitivista ao Ensino da Física. Porto Alegre, Ed. da Universidade, UFRGS, 1983.

Artigo originalmente publicado na Revista Científica da FAI, volume 5, número 1, 2005.
Joao Beauclair
Enviado por Joao Beauclair em 19/09/2006
Código do texto: T244222

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de João Beauclair www.profjoaobeauclair.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joao Beauclair
Cachoeiras de Macacu - Rio de Janeiro - Brasil, 51 anos
117 textos (932686 leituras)
3 e-livros (4380 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:45)
Joao Beauclair