Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Melancolia

Por Janethe Fontes

[É nessa hora vazia/que lenta agonia/Me vem visitar...]

Na Antiguidade, a Teoria Humoral, teoria médica vigente na época, que teve seus princípios herdados dos pitagóricos por Hipócrates, o comportamento e funcionamento do corpo humano era explicado pela existência de quatro humores, o sangue, o fleuma, a bile amarela e a bile negra. Cada um destes humores, no sentido do significado primitivo da palavra, como líquido, e não como disposição de espírito, como a usamos atualmente, correspondia a uma estação do ano, a uma etapa da vida humana, a uma natureza da matéria, a saber, terra, água, fogo e éter ou ar, e assim por diante. O equilíbrio destes quatro configurava a boa saúde, tanto física quanto mental, e suas perturbações eram sentidas pelo seu portador. Regulava-se a saúde pela aplicação do contrário àquilo que estava em demasia, ou seja, combate-se o frio pelo calor e a sequidão pela umidade. Aristóteles, bem como seus contemporâneos e a quase totalidade dos cientistas e estudiosos de medicina até quase a modernidade, acreditava que um dos humores preponderava no temperamento das pessoas, e as influenciava determinantemente. Os melancólicos eram dominados pela bile negra, donde vem o nome desta afecção, melas, negro, e chole, bile. Este humor tem, em sua natureza volátil, a propriedade de causar em seus portadores um comportamento semelhante ao vento de que é composta, ou seja, uma constante inconstância, que não seria desígnio de doença, como naqueles que ela apenas ataca esporadicamente, os deprimidos, e sim por natureza. Esta volubilidade é o que desencadeia a alternância entre os estados passivos e ativos dos melancólicos, entre a inatividade desinteressada, o isolamento dos obscuros, a tristeza sem razão e a aparência sombria e a atividade convulsa, o envolver-se impetuosamente nas mais difíceis e gloriosas empreitadas, o furor criativo e a dedicação compulsiva a algum afazer que os caracteriza como pessoas de exceção, gênios de excelência naquilo a que se dedicam.
 
Durante a Idade Média a melancolia não é vista somente como desequilíbrio dos humores corporais, mas também como influência maléfica do mais distante dos planetas conhecidos até então, o mais antigo e desgraçado dos deuses do panteão clássico, Saturno. Estes conceitos chegam até a Baixa Idade Média através dos estudos astronômicos dos árabes, que começam a conquistar a Europa através da Península Ibérica, levando não apenas armas, mas também cultura e ciência. A identificação de Saturno com a inconstância melancólica se dá através dos paralelos traçáveis desta com a história do deus dentro da mitologia, ele ora é o senhor de todos os deuses, ora o deus desterrado, exilado e humilhado, a um só tempo pai de todos e deus castrado, impotente. Também seu correspondente na mitologia grega, Cronos, o senhor do tempo, ajuda neste processo. Ele é o deus do tempo, da consumição de tudo o que cria, devora seus filhos, presentifica o não-ser sendo a causa da morte inexorável, evidenciando a vacuidade de toda obra humana, demonstrando que o orgulho de nossa racionalidade não passa da maior das vaidades, e nada vale, pois somos apenas pó, estamos fadados à morte assim como tudo o que existe está condenado a não existir mais, é apenas questão de tempo. A melancolia, em seu estado inativo, é vista pejorativamente, enquanto é identificada com a preguiça, que é pecado capital e vista por alguns como o maior de todos os pecados. A capacidade de criação que ela inculca em seus portadores não é valorizada porque, nesta época, a arte não tem valor estético, mas apenas utilitário, o artista não passa de um canal da manifestação da graça divina, ele é inspirado, e sua obra não precisa ser bela, do ponto de vista da forma, e sim útil quanto ao seu conteúdo. Quanto mais nos aproximamos do fim do Medievo e dos alvores do Renascimento, mais a melancolia vai recuperando seu aspecto qualitativo, conforme tinha na Antiguidade, pois vai despontando a genialidade dos artistas e a capacidade criativa do sujeito por ele mesmo, independente de qualquer estância externa. Assim como a melancolia é colocada ao lado dos santos sob a designação de acedia, que é o desligamento das coisas mundanas e a elevação ao que é espiritual, à contemplação do ser divino, em uma fusão com a divindade que desobriga o corpo de qualquer vínculo com o que for terreno e mundano.

[Tristezas, soluços, ais,/Eis a verdade da minha vida./Quando eu partir, com certeza,/Levo minha alma ferida./Então indagarei ansiosa/Quem é Deus?... Onde estará?]
 
As profundas modificações psicológicas ocasionadas pelo Renascimento trazem a melancolia de volta plenamente imbuída do caráter de excelência e motivo de orgulho em virtude das produções que estimula no campo das artes e da filosofia. A quebra dos antigos paradigmas no campo da fé, pela Reforma Protestante, e no campo do conhecimento, através da Renascença, que davam ao homem todas as respostas, ocasiona a potencialidade da exploração dos limites do intelecto humano em diversos campos. Revolucionam-se as ciências, revolucionam-se as éticas religiosas, revoluciona-se o que o homem pensa dele mesmo e aquilo através do qual ele se define. Mas, simultaneamente a esta efervescência de criações culturais, o ser humano toma a consciência de que está terrivelmente só, e de que é senhor absoluto de seu destino, único árbitro de sua conduta, e este peso é demasiadamente opressor para que ele o carregue sem cambalear novamente entre dois pólos opostos, o furor criativo intercalado pela apatia. Em um primeiro momento, coloca-se o sentido da vida, da própria e de tudo o que há, em uma projeto qualquer, em uma realização ou em um desejo a ser realizado. Uma vez este realizado, esvazia-se de sentido e abandona-nos novamente no deserto da falta de certezas, da multiplicidade de possibilidades e perspectivas.

Mas afinal o que é melancolia? Freud designou-a como um desânimo profundamente penoso, a cessação de interesse pelo mundo externo, a perda da capacidade de amar, a inibição de toda e qualquer atividade, e uma diminuição dos sentimentos de auto-estima a ponto de encontrar expressão em auto-recriminação e auto-envilecimento, culminando numa expectativa delirante de punição. A psiquiatria designa como um estado mórbido caracterizado pelo abatimento mental e físico que pode ser manifestação de vários problemas psiquiátricos, tendendo hoje a ser considerado mais como uma das fases da psicose maníaco-depressiva. Já segundo o dicionário Houaiss, podemos considerar a melancolia como um estado afetivo caracterizado por profunda tristeza e desencanto geral; depressão. Na derivação por extensão de sentido, melancolia é um sentimento de vaga e doce tristeza que compraz e favorece o devaneio e a meditação. Entretanto eu prefiro a explicação simples, mas nem um pouco simplória, de Moacir Scliar: Melancolia é, antes de tudo, algo que faz parte da natureza, é uma condição existencial. Diferente da tristeza que é passageira; do tédio, que nos dá a sensação de que o tempo não passa; da depressão, termo moderno para uma condição clínica psicológica associada a fatores psicossociais, a melancolia, antiga companheira da humanidade, é tanto uma doença (como a depressão) como um estado de espírito (como a tristeza e o tédio). O sucesso de livros sobre o assunto, no século XVII na Europa e no começo do século XX no Brasil, são sintomas de grande identificação com o tema.
Porém, como já vimos acima, a melancolia não fica relegada apenas à esfera dos artistas, ela atinge qualquer pessoa. A única diferença é que a “melancolia de artífice ou melancolia de artista, é a melancolia criativa, que aparece nos homens de exceção e que, ao contrário da melancolia apática e desinteressada, vista como doença, faz da angústia o motor propulsor da criação e da genialidade, doando sentido ao absurdo da existência”.

[Dia a dia a mesma coisa/Nesta vida tão maninha,/Horas inteiras passando/Filosofando sozinha.]

Ainda segundo Marsílio Ficino – uma das figuras mais importantes do Renascimento Italiano, conhecido através de seu trabalho de tradutor de obras clássicas e autor – a melancolia, um dom divino e singular, influencia ambiguamente a profunda reflexão e o isolamento, a apatia e o furor criativo, o desinteresse e o brilhantismo intelectual. A saída apontada como paliativo contra as influências maléficas de Saturno era, justamente, se dedicar por inteiro às suas influências benéficas, como a criação artística, a reflexão filosófica, o estudo profundo, pois, apesar de ser o último e mais elevado dos planetas, também é ligado ao desterro nas profundezas do mundo, tanto eleva a alma quanto possibilita que ela mergulhe profundamente em autoreflexão. Portanto, um melancólico não tem outra alternativa senão resignar-se ao seu destino sob os mandos de Saturno, ser excelente e sofrer por isto.

[Mágoas... Mágoas... Sempre mágoas/Enchendo meu coração./Procuro alegrias na vida/E só encontro solidão.]



Continuação...


Tristeza do Infinito
Cruz e Sousa - 1861-1898

Anda em mim, soturnamente,
uma tristeza ociosa,
sem objetivo, latente,
vaga, indecisa, medrosa.

Como ave torva e sem rumo,
ondula, vagueia, oscila
e sobe em nuvens de fumo
e na minh'alma se asila.

Uma tristeza que eu, mudo,
fico nela meditando
e meditando, por tudo
e em toda a parte sonhando.

Tristeza de não sei donde,
de não sei quando nem como...
flor mortal, que dentro esconde
sementes de um mago pomo.

Dessas tristezas incertas,
esparsas, indefinidas...
como almas vagas, desertas
no rumo eterno das vidas.

Tristeza sem causa forte,
diversa de outras tristezas,
nem da vida nem da morte
gerada nas correntezas...

Tristeza de outros espaços,
de outros céus, de outras esferas,
de outros límpidos abraços,
de outras castas primaveras.

Dessas tristezas que vagam
com volúpias tão sombrias
que as nossas almas alagam
de estranhas melancolias.

Dessas tristezas sem fundo,
sem origens prolongadas,
sem saudades deste mundo,
sem noites, sem alvoradas.

Que principiam no sonho
e acabam na Realidade,
através do mar tristonho
desta absurda Imensidade.

Certa tristeza indizível,
abstrata, como se fosse
a grande alma do Sensível
magoada, mística, doce.

Ah! tristeza imponderável,
abismo, mistério, aflito,
torturante, formidável...
ah! tristeza do Infinito!



Fonte(s): Wikipédia, Dialética Brasil e pequenos trechos das poesias Hora Vazia e Trovas das Minhas Mágoas, de Neuza Rodrigues Leonel - Livro “Vozes do Coração”.

[Texto originalmente publicado no blog http://palavreando.zip.net]
Janethe Fontes
Enviado por Janethe Fontes em 25/09/2006
Código do texto: T248601
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Janethe Fontes
Guarulhos - São Paulo - Brasil
13 textos (508 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 08:41)
Janethe Fontes