Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O olhar da solidão

Vivemos em um tempo de olhares tímidos, diria até que medrosos, covardes. Os olhos de hoje não buscam fixar-se em outros, como se a possibilidade de encontrarem no olhar de um estranho o sentido de sua busca lhes inibisse a intenção ou a necessidade de encontrar.

É um tempo, então, em que prevalece o senso de solidão e fuga, no qual o sentimento de estar seguro pelo desencontro, ou o não-encontro, comunica aos corações solitários uma certa tranqüilidade. Se o outro a quem não olho eqüivale a um salto no escuro, a um mundo desconhecido, não há como não se sentir a salvo pela simples decisão de não ir lá, de não buscar nesse mundo estranho e perigoso o que quer que seja, pois o encontro pode resultar em uma frustração absurda, em um trauma insuperável e o fim mesmo de qualquer esperança nutrida durante o percurso.

Nos metrôs, nos ônibus, nos estádios, nas ruas, nas escolas, o que permeia o ambiente são os comportamentos mecânicos, previamente estudados e decididos no âmbito de cada individualidade. Antes de ir para a rua, cada um já se arma com os equipamentos mentais escolhidos criteriosamente para todos os momentos do dia, para cada circunstância, desde antes previstas, desde cedo aguardadas.

Não sabemos o que iremos encontrar, mas sabemos o que não queremos achar. Não queremos contatos com estranhos, com quem à primeira vista nos parece esconder em seu comportamento amistoso elementos perigosos à nossa integridade. Afinal, quantas más intenções não se ocultam na mente de pessoas hábeis em revesti-las com gestos educados, sorrisos amenos e favores altruístas?

Esse é o drama de nossos dias. O medo de dar-se a outros no mesmo ato de conhecê-los, pela simples presunção de não ser possível derivar do encontro algo benéfico e duradouro. Por causa do medo quase patológico dessa sociedade em que o indivíduo resolveu enclausurar-se nos limites daquilo que lhe é insuspeitavelmente seguro, há aqueles que vivem absolutamente solitários, mantendo um contato meramente físico, porque inevitável, com as pessoas, permanecendo, todavia, distantes de todos, e além de qualquer possibilidade de descobrir, por um possível encontro, o quanto o seu medo em relação ao outro é simplesmente medo de viver.
Clóvis Luz da Silva
Enviado por Clóvis Luz da Silva em 25/09/2006
Código do texto: T248891
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Clóvis Luz da Silva
Ananindeua - Pará - Brasil, 50 anos
36 textos (11356 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 23:04)
Clóvis Luz da Silva