Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Existe

Existe, sim, alguma massa cinzenta nos programas da onipresente Globo

Apesar da avalanche de programas e novelas que não acrescentam nada de valor cultural ao nosso intelecto.

A televisão brasileira está lotada de programas supérfluos, que ajudam a entreter sem informar a massa brasileira, acostumada a assistir, sem o menos esforço mental, a inúmeras situações que, se analisadas a fundo, trazem a tona a total falta de interesse dos que controlam a tevê em contribuir de alguma forma com um conteúdo pertinente e elucidativo a população brasileira.

Acredito que não precisamos mais de programas especializados em encher lingüiça. Se acha que exagero, tente observar algum dos programas de fofoca que invadem a televisão diariamente. Com raríssimas exceções, assistimos a um “fast-food” para o cérebro, onde o espectador fica extremamente passivo, e, para usar um clichê já batidíssimo, alienado.

Mas, como nem tudo na vida é completamente bom ou ruim, com certo esforço conseguimos encontrar algo pertinente neste limbo que nos cerca. Uma boa dica, pra quem chega da balada do sábado cedo, é acompanhar o Altas Horas, do bom e velho Serginho Groissman. O cara realmente sabe como aumentar o nível com conversas inteligentes, entrevistados bacanas, e conteúdo de grande relevância. O melhor programa da Globo hoje em dia, sem sombra de dúvida.

Não digo com isso que o famosérrimo programa do Jô seja sem conteúdo. Muito pelo contrário, é uma excelente opção para os notívagos de plantão, só que, pela arrogância que nosso maior apresentador estampa, fica difícil deixar que os entrevistados exerçam sua vital função, a de simples entrevistados, tendo sempre que brilhar acima de um ego do tamanho de um colosso (ou seria elefante?). Sem querer ser crítico por demais, mas o programa era bem melhor no começo, no SBT, quando ele ainda estava mais preocupado em fazer uma coisa nova com muita coragem e pioneirismo, sem se preocupar única e exclusivamente com a forma, e sem imitar tanto o David Letterman,  famoso entrevistador americano.





Achei também bastante relevante um especial de dentro do Jornal Nacional, a caravana nacional. Em épocas de eleições, achei bastante justo ouvir todas aquelas pessoas, nas mais distantes cidades de todas as regiões do nosso país. O que para mim não foi surpresa, mas que pra muita gente se tornou uma, foi o fato de que o desejo de quase todas as pessoas que apareceram na matéria serem basicamente o mesmo, o que nos mostra que os problemas enfrentados são os mesmos, a muito tempo. O que falta realmente é vontade e comprometimento político para mudar esta realidade. Tomara que com essa iniciativa, e com a consciência coletiva que, graças a Deus está melhorando muito, consigamos de uma vez por todas tornar nosso país mais justo de verdade, sem maquiagem.

Até as novelas, as danadas das novelas, ditadoras da moda nacional, estão encaixando um conteúdo muito bom, de fundo social bastante sólido e honesto. Refiro-me, claramente, a novela das oito Páginas da Vida, onde vemos a todo instante dilemas do nosso cotidiano sendo encarados com a devida responsabilidade, e ensinando a todas as faixas, seja de renda, seja de escolaridade, a como proceder com um pai alcoólatra, uma filha com down, ou uma filha que namora com um rapaz casado.

Vale a pena dar uma conferida então nestas atrações da gigante Global, que, ultimamente, vem acenando com sopros de vitalidade em sua grade. Lembre-se: quem faz  sua programação é você, não se deixe manipular.
Chico Piancó Neto
Enviado por Chico Piancó Neto em 01/10/2006
Código do texto: T253647

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Chico Piancó Neto
Fortaleza - Ceará - Brasil, 38 anos
91 textos (4422 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:46)
Chico Piancó Neto