CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

A IGREJA DE DEUS

Já falamos em outro artigo codificado por nós que na atualidade têm sido criadas organizações evangélicas com nomes os mais diversos com a pretensão de parecer a escolhida ou eleita pelo sumo pastor das ovelhas, Jesus o Cristo. Assim, existe a organização religiosa com uma fachada intitulada de "a igreja do Deus vivo", outra, de "igreja de Jesus Cristo dos santos dos últimos dias", e ainda outra com o nome de "igreja Universal do Reino de Deus", e por aí vai. E não são poucos os que têm se filiado a essas organizações e que acreditam estarem no caminho para os céus. Qual delas seria a descrita no livro de Cantares de Salomão como a noiva, a esposa, a rainha, a eleita, a senhora? A qual igreja pertenceram os profetas, como Enoque, Noé, Abraão e os patriarcas da sua linhagem, Elias, Elizeu, Isaías, Jeremias, Jó, e os apóstolos, etc.? Qual seria a universal Igreja de Deus?

Vamos fazer algumas considerações a fim de suscitar não dúvidas, mas certezas naqueles que querem verdadeiramente seguir o caminho da vida, da justiça, e dos céus.

Os evangélicos e cristãos dizem se fundamentar nas Sagradas Escrituras como cânon sagrado, e regra de fé e proceder. E citam muitas porções dela em favor de si, criando argumentos em cima dos dogmas que estabelecem, nos fazendo lembrar o que disse o apóstolo Paulo, que se nomeou de apóstolo dos gentios, quando disse: Segundo a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele. Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo. E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, a obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo. I Co. 3:10-15.

Jesus falou de dois caminhos, sendo um que leva a vida eterna, e outro a perdição eterna. Assim não pode existir coluna do meio. Ou se é de Deus e se serve a ele, ou se jaze no maligno e, por conseguinte, se está em trevas.

Há quem julgue por vista e ache que um homem de Deus deva, obrigatoriamente, manifestar todo o poder para tudo e em todas as circunstâncias, a fim de ser assim considerado. Entretanto, diz o apóstolo Paulo: Porventura são todos apóstolos? são todos profetas? são todos doutores? são todos operadores de milagres? têm todos o dom de curar? falam todos diversas línguas? interpretam todos? I Co. 12:29-30.  E diz que o Senhor repartiu os dons a cada um para um fim, a saber: a edificação do corpo de Cristo. E que cada um seja fiel naquilo que recebeu. Pois que importa que o despenseiro seja achado fiel.

 Outrossim, Elias era um homem de Deus. Apesar disso não o vemos curando ou sempre fazendo maravilhas diante do povo, a não ser quando convocou tanto o povo quanto os profetas de Baal, deus a quem servia Jezabel, mulher do rei Acabe, que reinava sobre o povo de Israel, e que tinha levado o povo também a servir, devido a sua influência como mulher do rei. Elias convocou aqueles profetas, cujo número montava a quatrocentos e cinqüenta, a fim de fazer prova de qual deles era o poderoso. Ao final, depois de oferecer o seu sacrifício e ter caído fogo do céu e queimado tanto o sacrifício como lambido até a água que ele mandou derramar sobre o altar e que encheu o rego em volta dele, mandou que pegassem todos os profetas do falso deus Baal, a quem Jesabel servia, e os matou.

Naquele tempo, e devido Jezabel ter jurado matar Elias, este apesar de profeta e homem de Deus, fugiu por temor a Jezabel. Refugiou-se a margem do ribeiro de Beirite onde os corvos o alimentavam com pão e carne pela manhã e à noite. Depois, quando esse ribeiro se secou, devido a escassez de água que sobreveio pela palavra dele, este saiu dali e foi se refugiar em uma caverna. Nessa ocasião Elias ouviu uma voz após alguns fenômenos sobrenaturais, que lhe perguntou: Que fazes aqui Elias? Ele reconheceu ser o Senhor, e respondeu: Senhor, mataram os teus profetas, derrubaram os teus altares, e só eu fiquei. E lhe disse o Senhor: Eu reservei sete mil varões que não dobraram os seus joelhos a Baal. Onde se reuniam esses varões, em que igreja?
Verificando as Sagradas Escrituras não encontramos nenhum nome dado aos locais de reunião do povo de Deus a não ser templo. E isso foi o que ele próprio determinou a Moisés. Também quando Davi teve esse desígnio em seu coração. Deus lhe disse que o seu filho que procedesse dele construiria um templo para a habitação do seu nome, nome de Deus. E assim foi até quando Jesus veio a este mundo para restaurar o tabernáculo caído de Davi. Mostrou aos doutores da lei, os sacerdotes e escribas, os seus erros doutrinários, retirou do meio dos transgressores aqueles que aceitaram a sua doutrina, os quais passaram a se reunir no cenáculo, um local escolhido por Jesus para comer a páscoa com os seus discípulos antes da sua morte. Mas pelo que vemos, ele não colocou nenhum nome ou fachada nesse lugar. Muito menos os seus discípulos e apóstolos o fizeram.

Por conseguinte, nas igrejas que foram sendo formandas por todo lugar aonde a palavra chegava não houve nenhum nome. Muitas reuniões foram feitas nos lares. Prova disso encontramos na epístola de Paulo a Filemom, onde ele diz: "Paulo, prisioneiro de Jesus Cristo, e o irmão Timóteo, ao amado Filemom, nosso cooperador, e à nossa amada Áfia, e a Arquipo, nosso camarada, e à igreja que está em tua casa: Graça a vós e paz da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo". Fm. 1:1-3.

Entende-se pelas citações que igreja, conforme o significado da palavra, é reunião de pessoas, e não uma organização religiosa ou evangélica como hoje os homens convencionaram nomear. Aliás, a palavra igreja só é usada a partir dos livros epistolares. Ou seja, a partir das cartas doutrinárias enviadas pelos apóstolos.

Como o próprio Senhor revelou a João, e registrado no livro do Apocalipse, ele deveria enviar diversas cartas, sete no total, a diversas igrejas, quais sejam: Éfeso, Esmirna, Tiatira, Pérgamo, Sardes, Filadélfia e Laodicéia. Algumas dessas igrejas foram advertidas apesar de também receberem louvor por alguma obra ou comportamento.
Apesar de alguma controvérsia que há entre os líderes evangélicos quanto à aplicação do conteúdo dessas cartas às igrejas hoje existentes, a maioria concorda que elas servem para todas da atualidade. Assim sendo, vamos examinar o conteúdo de cada uma e ver se as igrejas de hoje, ou melhor, quais das igrejas de hoje se enquadram nas que receberam só louvor, e nenhuma repreensão, a saber, a igreja de Esmirna e a igreja de Filadélfia. Seguiremos a mesma ordem em que está relacionada às cartas no livro do Apocalipse. Assim sendo, vamos transcrever a primeira missiva.

Carta ä igreja de Éfeso

Ao anjo da igreja de Éfeso escreve: Isto diz aquele que tem na sua destra as sete estrelas, que anda no meio dos sete candeeiros de ouro:

Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua perseverança; sei que não podes suportar os maus, e que puseste á prova os que se dizem apóstolos e não são, e os achaste mentirosos; e tens perseverança e por amor do meu nome sofreste, e não desfaleceste. Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, donde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; e se não, brevemente virei a ti, e removerei do seu lugar o teu candeeiro, se não te arrependeres. Tens, porém, isto, que aborreces as obras dos nicolaítas, as quais eu também aborreço. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus. Ap. 2:1-7.

Não queremos ser prolixos quanto à explicação do conteúdo da carta. Isso muitos têm feito, discorrendo sobre elas. Entretanto queremos nos deter especialmente na mensagem de reprovação que é o necessário para comparar aquela igreja com as que hoje estão na mesma condição. E a reprovação diz: Tenho, porém contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Que será esse tal primeiro amor?

Já tenho ouvido algumas proposições quanto a isso. Entretanto não partilho do mesmo pensamento dos que se propuseram interpretar esse texto da missiva em questão. E a seguir eu passo a explicar não só as minhas razões, como dar a que me foi concedida à luz das próprias Escrituras.

Pra começar, vamos buscar o conceito das Sagradas Escrituras para aquilo que a igreja de Éfeso deixou, qual seja, o amor.

O que é o amor?

Não podemos recorrer ao dicionário de palavras na esfera humana, pois que os homens têm conceitos divergentes do das Sagradas Escrituras do que ele seja. Segundo as Escrituras existem diversos amores, quais sejam: amor materno, amor fraterno, amor conjugal, amor ao mundo e as coisas dele, amor carnal, amor ao próximo e amor a Deus. Não vamos discorrer sobre eles todos, pois que aqui está em evidência coisas espirituais. Assim sendo, o que deve está em primeiro lugar é o amor a Deus, e em seguida o amor ao próximo. Pois estes são os exigidos por Deus para serem observados. Nesse caso temos necessidade de saber o que eles significam. Vamos então recorrer as próprias Escrituras Sagradas, regra de fé de todo bom cristão, para conceituá-los.

Quando o Senhor deu os seus mandamentos ao seu povo, ele disse:
Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que faço misericórdia até a terceira e quarta geração daqueles amam e que guardam os meus mandamentos. E que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, a milhares dos que me odeiam. Êx. 20:5 e 6.

Grosso modo, parece que Deus usa de misericórdia para com dois grupos de pessoas, quais sejam: os que lhe amam e os que guardam os seus mandamentos. Mas não é assim, veja: Porque o amor de Deus é este: que guardemos os seus mandamentos. I Jo. 5:3. Assim, amar a Deus e guardar os seus mandamentos corresponde à mesma coisa. O nosso amor para com Deus é demonstrado dessa forma. E isso está manifesto em várias passagens bíblicas. Como exemplo, temos outras passagens na qual Jesus disse: Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama. Jo. 14:15. Também outra diz:

Aquele que me amar será amado do meu Pai, e viremos a ele e faremos nele morada. Jo. 14:21 a 23.

Por conseguinte o apóstolo Paulo escreveu dizendo de como age o amor, veja:

O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece, não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. I Co. 13:4-6. E nessa mesma epístola, ao início do capítulo treze, ele diz:

Ainda que eu falasse a língua dos anjos e dos homens, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disse me aproveitaria. II Co. 13:1-3.

Os homens conceituam amor como sentimento vindo do coração. Entretanto as Escrituras dizem que o coração do homem é enganoso, veja:

Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá? Jr. 17:9.

E Jesus disse:

Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias. Mt. 15:19.

Diz ainda a Escritura:

Assim diz o Senhor: Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do Senhor! Porque será como a tamargueira no deserto, e não verá quando vem o bem; antes morará nos lugares secos do deserto, na terra salgada e inabitável. Jr. 17:5 e 6.

Conforme o que vimos na epístola paulina citada acima, de nada adianta a pessoa ser poliglota, falar as línguas dos anjos, que correspondem às línguas estranhas, ter o dom de profecia, ter dons que lhe permita conhecer mistérios e ciência, ou ter fé a ponto de transportar montes, se não tiver o amor. Mas os homens insistem em dizer que esse amor é um sentimento. Entretanto além das Escrituras claramente darem o conceito do amor, ainda exemplificam esse amor.
Mas vamos pormenorizar ainda um pouco mais para chegarmos a uma conceituação bem alicerçada. Quando um certo escriba quis provar ao Senhor Jesus, lhe perguntou:

Mestre, qual é o grande mandamento na lei? E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas. Mt. 22:35-40. Marcos também registra uma ocorrência semelhante, veja:

Aproximou-se dele um dos escribas que os tinha ouvido disputar, e sabendo que lhes tinha respondido bem, perguntou-lhe: Qual é o primeiro de todos os mandamentos? E Jesus respondeu-lhe: O primeiro de todos os mandamentos é: Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes. Mc. 12:28.

Noutra ocasião ele foi abordado por um certo mancebo que lhe perguntou: Mestre que farei para herdar a vida eterna. E Jesus lhe disse: Se queres entrar na vida guarda os mandamentos. Então ele voltou a lhe perguntar, quais? E Jesus lhe recitou os relativos ao próximo, quais sejam: honra o teu pai e a tua mãe; não matarás; não adulterarás; não dirás falso testemunho contra o teu próximo; e não cobiçarás coisa alguma do teu próximo. A seguir, e após o mancebo declarar que esses ele observava desde a sua mocidade, Jesus lhe deu o seu mandamento, como segue: Vai vende o que tens, dá aos pobres, e vem e segue-me e terás um tesouro no céu. O moço se retirou triste porque tinha muitas propriedades. Mt. 19:17-22.

Há quem pense que por Jesus não ter relacionado os mandamentos relativos a ele, ou seja, os quatros primeiros da sua lei, que eles não mais tinham importância. Mas são dezenas, se não centenas de porções bíblica que nos levam a concluir que os dez mandamentos estão em vigor, tal e qual fora dado por Deus. E isto não apenas desde o Sinai mais desde a fundação do mundo. E isto o leitor poderá examinar no conjunto que já temos formulado com um amplo questionário sobre o tema. Continuaremos aqui a buscar tão somente esclarecer aquilo que se faz necessário quanto ao tema que estamos tratando no momento, e relativo a carta enviada pelo Senhor a igreja de Éfeso, quando ele advertiu ao anjo da igreja, ou seja, ao pastor, dizendo que este havia deixado o seu primeiro amor.

Apesar de já termos falado sobre estes temas e significados em outros trabalhos que elaboramos, para não fazermos o leitor ter que recorrê-los, voltamos a tratar sobre eles já que estão diretamente ligados na sua conceituação e propósito.

 Ora, sendo a lei de Deus composta de mandamentos que dizem respeito a Deus, bem como outros que dizem respeito ao próximo, e sendo esse respeito chamado de amor, por Deus, então eles se resumem naquilo que Jesus falou:

Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas. Mt. 22:37-40.

Por conseguinte, após citar como amar a Deus, o mancebo completou: e amarás o teu próximo como a ti mesmo. Ao que lhe disse Jesus:
Respondeste bem; faze isso, e viverás. Lc. 10:28.

Assim, sendo a observância dos mandamentos a nossa prova de amor para com Deus bem como a prova do nosso amor para com o próximo, eles podem ser chamados de primeiro amor e segundo amor. Pois foi nessa ordem que o Senhor os estabeleceu e também os mencionou ao mancebo.

Por conseguinte, João registrou palavras de Jesus que vem consubstanciar o que expomos, veja:

Como o Pai me amou, também eu vos amei a vós; permanecei no meu amor. Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor. Jo. 15:9 e 10.

Mas o que se vê hoje é que os homens têm não só invertido essa ordem, como até inseridos outros amores antes daqueles estabelecidos por Deus. Pois hoje colocam segundo a ordem das suas conveniências, amor a mulheres, maridos, filhos, profissões, esportes, casas, carros, etc., apesar de Jesus ter dito:

Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim. Mt. 10:37.

Se o amor a Deus é o primeiro exigido por Deus, logo esse é o primeiro amor, já que o amor de Deus é este: que guardemos os seus mandamentos. I Jo. 5:3.

Não é suficiente dizer que se ama, é preciso provar esse amor. E a regra estabelecida por Deus diz claramente: se me amardes guardareis os meus mandamentos, arrematando que os seus mandamentos não são pesados, o que os homens negam, contrariam e mudam.
Negam porque dizem que eram mandamentos de Moisés; contrariam porque não obedecem; e mudam porque dizem que basta amar no coração, ou até que eles são os citados na bem-aventurança.

Mas a missiva é explícita quando diz: deixaste o teu primeiro amor. Ora se o amor de Deus é a observância dos seus mandamentos, qual seria então o amor da igreja de Éfeso, e que o Senhor disse ser “o teu primeiro amor?”

Em certa parte o Senhor fala do seu povo de Israel dizendo que o seu amor para com ele é como névoa da manhã, que cedo passa. Os. 6:4.
Bem, se o amor de Deus é a guarda dos mandamentos dele, seja os que lhe dizem respeito propriamente e os que dizem respeito ao próximo, então a igreja de Éfeso havia deixado de observar algum mandamento do decálogo.

Na advertência ao anjo daquela igreja o Senhor diz que o ministro se lembre de onde ele caiu, e que se arrependa. Assim sendo, ele esteve em cima e agora está em baixo. E manda que ele volte à prática das primeiras obras. Quais seriam?

Quando Jesus aqui esteve, disse em determinado momento:

A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou. Jo. 6:29. E João, pelo Espírito diz: Que creiais no seu nome para que tenhais vida em vós mesmos.

Conforme já demonstramos em outra ocasião, o nome do Senhor tem dois conceitos básicos. Primeiro a sua fama, e segundo a representação da sua natureza, e, por conseguinte, do seu ser, ou pessoa.

 Mas nessa carta o Senhor diz que o anjo da igreja de Éfeso sofreu por causa do seu nome e não o negou. Nesse caso a obra não é falta de fé, mas de obediência, ou de prática de princípios do cânon, pois que o Senhor não lhe manda que não se esqueça, como disseram os discípulos na recomendação feita ao apóstolo Paulo, quanto aos pobres. Mas diz que ele se lembre. Portanto ele havia negligenciado a prática. Pois diz o Senhor: Volta à prática das primeiras obras.

É comum em movimentos evangélicos a rigidez de princípios quando uma organização é fundada ou estabelecida. Entretanto, quando esta já se considera consolidada, ou estruturada e cheia de membros, vai se tornando flexível e tolerante com erros doutrinários que foram defendidos com rigor a princípio. Com temor de afugentar os seus membros e perder renda, se valem do que disse Jesus numa de suas parábolas, na qual disse: não arranqueis o joio para que não abale o trigo. Deixa que cresçam juntos até a ceifa.

Mas não é só isso.

Tomei conhecimento que em 1997 foi revelado a um líder de uma igreja tradicional, que está construindo uma torre na cidade de Manaus, e através da qual pretende divulgar mensagem de salvação para o mundo todo, que a guarda do Sábado deveria ser observada. Ele então disse que a igreja deveria fazê-lo. Mas ao mesmo tempo disse que não iria obrigar a sua membrezia a fazê-lo, pois que ela era composta de mais de quatro mil membros e que muitos trabalhavam nesse dia, razão porque ele não podia exigir deles isso. Um dos seus liderados, quando por mim abordado sobre a veracidade da revelação, além de confirmar, me disse que era propósito daquela organização religiosa instituir a observância da guarda do Sábado a partir do ano seguinte. Eu então considerei comigo mesmo: isso nunca acontecerá, pois a lei de Deus está sendo colocada em segundo plano, ou lugar, enquanto que o Senhor manda que o amor a ele seja praticado em primeiro. Disse Jesus: de que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma?

O apóstolo diz que alguns pregam o evangelho por interesse. Mas não importa que assim seja, importa que ele seja anunciado.

Isso nos faz também lembrar das palavras de Jesus, que disse: naquele dia irão dizer: Senhor, profetizava-mos em teu nome, etc., mas receberão a resposta: apartai-vos de mim vós que praticais a iniquidade. Há quem pense que esses serão aqueles que deixaram a igreja, ou as igrejas, como queiram. Mas eu afirmo que isso se refere aos que deixaram ao Senhor. E explicitamente aos que deixaram de observar os seus mandamentos, que são como ele próprio, pois que isso dizem as Escrituras quando o Senhor em diversas ocasiões denuncia isso pelos profetas, dizendo que o seu povo lhe deixou por Baal ou deixou a Ele transgredindo o seu Sábado. Até porque iniqüidade é pecado e pecado é transgressão, e transgressão é violação de algo que alguém recebeu como instrução para ser observada, e que segundo o cânon sagrado se compõe de leis, mandamentos, estatutos, preceitos, ordenanças, testemunhos e juízos, conforme o Salmo 119.

Portanto, apesar de o nome do Senhor corresponder a sua fama e senhorio, ou seja, os seus mandamentos, também correspondem a sua pessoa. E como o anjo da igreja de Éfeso não negou o nome do Senhor, concluímos que aquela igreja, tal qual acontece hoje, anunciava a Jesus como salvador, mas negligenciou aquilo que a princípio fazia, guardava os mandamentos que propicia a salvação, e que são a vida eterna como disse Jesus.

Carta à igreja em Esmirna

Ao anjo da igreja em Esmirna escreve:

Isto diz o primeiro e o último, que foi morto e reviveu:

Conheço a tua tribulação e a tua pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que dizem ser judeus, e não são, porém são sinagoga de Satanás. Não temas o que hás de padecer. Eis que o Diabo está para lançar alguns de vós na prisão, para que sejais provado; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. O que vencer, de modo algum sofrerá o dano da segunda morte. Ap. 2:8-11.

Nessa carta o Senhor não faz nenhuma reprovação ao anjo da igreja de Esmirna. Tão somente reitera a riqueza dessa igreja que se considera pobre.

Disso podemos dizer que a igreja de Esmirna deveria se considerar pobre materialmente, entretanto para o Senhor ela era rica espiritualmente.

Outrossim, Ele avisa sobre a tribulação que lhe está determinada, mas lhe concita a não temer e ser fiel até a morte, para obter a coroa da vida.

Conforme diz o apóstolo Paulo: vida eterna aos que, com perseverança em fazer o bem, procuram glória, honra e incorrupção. Rm. 2:7.

Ainda que exista certa controvérsia na tradução do texto acima, optamos pela versão corrigida e atualizada de João Ferreira de Almeida. É que as versões revista e corrigida de João Ferreira de Almeida, editada pela Sociedade Bíblica do Brasil, bem como a versão da Imprensa Bíblica Brasileira, do mesmo tradutor, vertem “fazer bem”. Rejeitamos estas devido o que alcançamos por pesquisa que fizemos onde concluímos que “o bem” são os mandamentos do Senhor. Enquanto que bem é qualquer coisa que se faça corretamente, inclusive na esfera material, o que não é o caso. Quando o artigo definido antecede o substantivo ou o adjetivo significa que estes se referem a algo específico, e não em geral. Assim, o apóstolo está falando de coisas espirituais para os espirituais.

Carta à igreja em Pérgamo

Ao anjo da igreja em Pérgamo escreve:

Isto diz aquele que tem a espada aguda de dois gumes: Sei onde habitas, que é onde está o trono de Satanás; mas reténs o meu nome, e não negaste a minha fé, mesmo nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita. Entretanto, algumas coisas tenho contra ti; porque tens aí os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, induzindo-os a comerem das coisas sacrificadas a ídolos e a se prostituírem. Assim tens também alguns que de igual modo seguem a doutrina dos nicolaítas. Arrepende-te, pois; ou se não, virei a ti em breve, e contra eles batalharei com a espada da minha boca. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao que vencer darei do maná escondido, e lhe darei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe.

Apesar do anjo da igreja de Pérgamo não ter negado o nome do Senhor, e não ter negado a sua fé, ainda assim o Senhor disse que tinha algumas coisas contra ele. E observe que havia no meio da igreja uns que de certa forma seguiam a doutrina de Balaão, esclarecendo que este ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, induzindo-os a comerem das coisas sacrificadas a ídolos e se prostituírem. E como o pastor é o representante e responsável pela igreja, diz então o Senhor diretamente para ele: Arrepende-te, pois; ou se não, virei a ti em breve, e contra eles batalharei com a espada da minha boca.

Por essa passagem vemos que o alimento pode ser motivo de tropeço para a salvação. Entretanto há quem queira excluir a observância de regras quanto ao comer e beber das exigências estabelecidas por Deus, e dizem que Deus não quer o corpo, mas o coração. Não obstante o apóstolo dizer que devemos conservar irrepreensíveis, corpo, alma e espírito para o dia da vinda do Senhor.

Conforme o que Senhor revelou a João, e constante no livro de Apocalipse, ficarão de fora da cidade santa os medrosos, os abomináveis, os incrédulos, os homicidas, os adúlteros, os feiticeiros, os idólatras, e todos os mentirosos, cuja parte que lhes está reservada é o lago de fogo, que é a segunda morte. Ap. 21:8.

No trabalho que elaboramos com o título “Os abomináveis”, mostramos quem são. Dentre outros aqueles que comem coisas abomináveis, entre estas, carne de porco, etc. Também já codificamos outro trabalho com o título “Comer é bom quando se come do bom”. Portanto recomendamos a leitura das obras citadas, a fim de não termos que repeti-las.

Queremos frisar, entretanto, um aspecto que achamos ser necessário.
Hoje é comum o culto a imagens de escultura, a que os gentios chamam de “santos”, principalmente nas cidades do Brasil, bem como as festas que fazem em suas homenagens, e que chamam de “sírio”, festa de “padroeiro(a)”, etc. E por ocasião dessas festividades fazem comidas e bebidas para atender aos que se acercam dos templos desses ídolos, servindo assim aos demônios. Pois diz o apóstolo:
Vede a Israel segundo a carne; os que comem os sacrifícios não são porventura participantes do altar? Mas que digo? Que o ídolo é alguma coisa? Ou que o sacrificado ao ídolo é alguma coisa? Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios. I Co. 10:18-20. E, se algum dos infiéis vos convidar, e quiserdes ir, comei de tudo o que se puser diante de vós, sem nada perguntar, por causa da consciência. Mas, se alguém vos disser: Isto foi sacrificado aos ídolos, não comais, por causa daquele que vos advertiu e por causa da consciência; porque a terra é do Senhor, e toda a sua plenitude. Digo, porém, a consciência, não a tua, mas a do outro. Pois por que há de a minha liberdade ser julgada pela consciência de outrem? I Co. 10:27-29.

Como vimos nas passagens acima, aquilo que os gentios sacrificam aos ídolos, ou oferecem-nos, é aos demônios que os fazem. Por conseguinte, como é possível que esteja à venda no mercado alguma dádiva ou coisa oferecida aos ídolos, caso tenhamos informação sobre isso, devemos nos abster dela, por causa da consciência daquele que nos advertiu. Para que a nossa consciência não seja julgada pela consciência de outrem.

Por conseguinte as comidas oferecidas aos ídolos podem ocasionalmente estar em toda a cidade. É o caso quando os homens fazem a festividade a que chamam de “festas juninas”, e que fazem comidas e bebidas para festejarem. Isso é dedicação a ídolos, e a demônios, portanto.

Há ainda outras festas profanas, como a que os homens chamam de “páscoa”, e em cuja época presenteiam ou vendem guloseimas como a que chamam de “ovos de páscoa”.

Tenho certeza que há evangélicos desavisados que têm comido dessas coisas, se prostituindo com isso.

Recomendamos ainda a leitura do artigo que codificamos com o título “Cristo nossa páscoa”.

Carta à igreja em Tiatira

Ao anjo da igreja em Tiatira escreve:

Isto diz o Filho de Deus, que tem os olhos como chama de fogo, e os pés semelhantes a latão reluzente: Conheço as tuas obras, e o teu amor, e a tua fé, e o teu serviço, e a tua perseverança, e sei que as tuas últimas obras são mais numerosas que as primeiras. Mas tenho contra ti que toleras a mulher Jezabel, que se diz profetisa; ela ensina e seduz os meus servos a se prostituírem e a comerem das coisas sacrificadas a ídolos; e dei-lhe tempo para que se arrependesse; e ela não quer arrepender-se da sua prostituição. Eis que a lanço num leito de dores, e numa grande tribulação os que cometem adultério com ela, se não se arrependerem das obras dela; e ferirei de morte a seus filhos, e todas as igrejas saberão que eu sou aquele que esquadrinha os rins e os corações; e darei a cada um de vós segundo as suas obras. Digo-vos, porém, a vós os demais que estão em Tiatira, a todos quantos não têm esta doutrina, e não conheceram as chamadas profundezas de Satanás, que outra carga vos não porei; mas o que tendes, retende-o até que eu venha. Ao que vencer, e ao que guardar as minhas obras até o fim, eu lhe darei autoridade sobre as nações, e com vara de ferro as regerá, quebrando-as do modo como são quebrados os vasos de oleiro, assim como eu recebi autoridade de meu Pai; também lhe darei a estrela da manhã. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ap. 2:18-29.

Como vimos nas palavras do Senhor ao anjo da igreja em Tiatira, o Senhor conhecia as obras dele, e o seu amor, e a sua fé, e o seu serviço, e a sua perseverança, e que as últimas obras dele eram mais numerosas que as primeiras. Ainda assim havia algo contra ele. Donde vemos que não é suficiente ter amor, e fé como alardeiam alguns. Essa igreja estava sendo tolerante com outra igreja, provavelmente co-irmã, que tinha tomado o encargo de profeta.

Devido a profecia ser um dom, e que por ela se fica sabendo de coisas ocultas e também o futuro, há quem se agarre nisso e recorra aos vasos que se dizem, ou de quem dizem ser usado com tal dom, mas esqueça de conferir com as Escrituras o que dizem. Queremos dizer que o profeta é um vaso. E que Deus usa o pior vaso, veja:

Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; e Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são; para que nenhuma carne se glorie perante ele. I Co. 1:27-29.

Que não é pelo fato de um vaso ter algum dom, como o de profecias, que ele é um santo na ampla acepção da palavra. Diz a Escritura que Deus dá dom até aos rebeldes, veja:

Tu subiste ao alto, levaste cativo o cativeiro, recebeste dons para os homens, e até para os rebeldes, para que o Senhor Deus habitasse entre eles. SL. 68:18.

Um profeta a quem Deus comissionou para ir até Samaria profetizar contra Jeroboão, deu ouvido a outro profeta e fez contrário ao que Deus lhe determinou, tendo comido onde Deus lhe disse que não comesse. Isso resultou na morte do profeta comissionado. Talvez devido à meninice de alguns profetas, eles presumem que por terem recebido aquele dom, já estejam na medida da estatura de varões perfeitos, e acabem extrapolando os limites da sua competência. Diz o Senhor: Aquele que tem a minha palavra, fale a minha palavra em verdade. Mas tem quem queira profetizar por achar que pode alguma coisa de si mesmo. E não raras vezes promete isso e aquilo pra um e pra outro. Diz a Escritura que nenhuma profecia foi produzida por vontade humana. E, portanto, nunca o será. Vaso é vaso. E importa que cada um seja achado fiel naquilo que recebeu. Existe um hino no meio evangélico, que diz: Eu vou profetizar... Quem pode dizer que vai profetizar? Ainda que a profecia precise de um vaso para poder ser trazida ao homem, isso depende do Espírito, que é quem concede os dons, e que opera segundo a eficácia do Seu poder.

Outrossim, a tal igreja ensinava os servos do Senhor a comerem das coisas sacrificadas aos ídolos, fazendo com que se prostituíssem. É um caso parecido com aquele que vimos na carta ao anjo da igreja de Pérgamo. Portanto é bom que se leia o que falamos sobre a carta ao anjo daquela igreja. Ademais, ser tolerante com o erro é pecado. Não é demais lembrarmos o que diz a Escritura: O que repreende o homem gozará depois mais amizade do que aquele que lisonjeia com a língua. Pv. 28:23. Mas pode ser que um pastor ache que por ser pastor de uma congregação não possa ser responsabilizado por não denunciar os erros de outras, tendo sido conivente com ela.

João na sua segunda epístola universal, diz: Muito me alegro por ter achado alguns de teus filhos andando na verdade, assim como recebemos mandamento do Pai. II Jo. 4. Assim, se são alguns então não são todos que andam na verdade, segundo o mandamento do Pai. Mas nem por isso devemos nos omitir de denunciar e concitar ao arrependimento aqueles que se tem desviado dela ou que não estão nela, na verdade.

Carta à igreja em Sardes:

E ao anjo da igreja que está em Sardes escreve: Isto diz o que tem os sete espíritos de Deus, e as sete estrelas: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives, e estás morto. Sê vigilante, e confirma os restantes, que estavam para morrer; porque não achei as tuas obras perfeitas diante de Deus. Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te. E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei. Mas também tens em Sardes algumas pessoas que não contaminaram suas vestes, e comigo andarão de branco; porquanto são dignas disso. O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ap. 3:1-6.

A principal mensagem contida nessa carta, diz: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives e estás morto. Sê vigilante e confirma os restantes que estavam para morrer, porque não achei as tuas obras perfeitas diante de Deus.

Essa mensagem nos lembra a organização que tem o nome de "igreja do Deus vivo", mas que apesar disso está morta. Isso porque não observa os mandamentos do Deus vivo. Disse Jesus: As palavras que eu vos falo são espírito e vida. Também disse: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Quem crê em mim como diz a Escritura, rios de água viva fruirão do seu interior, que jorrarão para a vida eterna.

Mas essas mulheres igrejas não crêem como diz a Escritura, mas conforme foram ensinadas por mandamentos de homens, e não segundo o mandamento do Deus eterno.

Ademais, diz o Senhor:

Sê vigilante!

Isso diz de despertamento, pois que apesar do seu nome, tanto o anjo quanto à igreja estão vivendo o sono da morte espiritual. Diz o apóstolo: E isto digo, conhecendo o tempo, que já é hora de despertarmos do sono; porque a nossa salvação está agora mais perto de nós do que quando aceitamos a fé. A noite é passada, e o dia é chegado. Rejeitemos, pois, as obras das trevas, e vistamo-nos das armas da luz. Rm. 13:11 e 12.

Assim, desperta tu, ó anjo dessa igreja, e confirma ("firma com" a verdade) os demais que estavam sentenciados à morte. E por quê? Porque não achei as tuas obras perfeitas diante de Deus. E adverte: Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te.

Disse o apóstolo João, falando da parte do Espírito:
Portanto, o que desde o princípio ouvistes permaneça em vós. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis no Filho e no Pai. E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eterna. I Jo. 1:24 e 25.

Ora, Jesus é a vida, e, esta, são os seus mandamentos, veja:
E a vida eterna é esta: Que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus a quem enviaste. E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos. E sei que os seus mandamentos não são pesados. I Jo. 2:3. ú.parte. E sei que os seus mandamentos são a vida eterna.  João 12:50, ú.parte. Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida. Jo. 5:24. Como sabemos e já temos provado pelas Escrituras, a palavra de Deus corresponde aos mandamentos de Deus, o decálogo divino.

Ora, as nossas obras devem ser feitas em Cristo, que é o autor e consumador da nossa fé. E este é o verbo de Deus que se fez carne e habitou entre nós. E o verbo é a palavra de ação, através de quem tudo fora criado. E que é poderosa para nos salvar. Se nós atentarmos para tão grande salvação.

O que desde o princípio ouvistes. . .

A semente é a palavra de Deus. E era isso o que primeiramente todos os discípulos e apóstolos pregavam. É a sã doutrina; a palavra fiel; e o que desde o princípio têm sido anunciado aos homens. Pois diz o apóstolo, que a palavra de Deus saiu por toda terra. E energicamente diz o senhor pelo sábio Salomão: Convertei-vos pela minha repreensão. E mais:

A mulher louca é alvoroçadora; é simples e nada sabe. Assenta-se à porta da sua casa numa cadeira, nas alturas da cidade, e põe-se a chamar aos que vão pelo caminho, e que passam reto pelas veredas, dizendo: Quem é simples, volte-se para cá. E aos faltos de entendimento ela diz: As águas roubadas são doces, e o pão tomado às escondidas é agradável. Mas não sabem que ali estão os mortos; os seus convidados estão nas profundezas do inferno. Pv. 9:13-18.
A mulher igreja que não observa os mandamentos de Deus é como essa descrita por Salomão. Busca aliciar os passantes, e convencê-los a tomarem águas roubadas, e a comerem pão tomado às escondidas. Ou seja: oferecem uma água roubada e que foram poluídas, dizendo que elas são doces, e o pão, que comem em oculto. Essas mulheres igrejas ensinam que basta crer em Jesus para ter a vida eterna. E assim seus membros não se arrependem e não se convertem pela repreensão do Senhor, ou pelo seu evangelho, que é poder de Deus para salvar.

Apesar disso existem alguns que tem o temor do Senhor, e por isso diz o seu anjo na missiva enviada ao anjo da igreja:

Mas também tens em Sardes algumas pessoas que não contaminaram suas vestes, e comigo andarão de branco; porquanto são dignas disso.
Por isso anjo da igreja "Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te. E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei".


Carta à igreja em Filadélfia

E ao anjo da igreja que está em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre: Conheço as tuas obras; eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar; tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome. Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo. Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra. Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ap. 3:7-13.

Uma das igrejas aprovadas foi a de Filadélfia, e por isso ela também será poupada da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo. Essa igreja guardou a palavra de Deus, os seus mandamentos, não negando assim o nome do senhor.

Recomendamos a leitura dos artigos que codificamos com os títulos "A palavra de Deus" e "Um nome sobre todo nome", e respectivos questionários com o mesmo título, e encartados no trabalho codificado com o nome "A Lei Perfeita". Ali mostramos com clareza de detalhes os seus significados.

Carta à igreja em Laodicéia

E ao anjo da igreja que está em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus: Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas. Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te. Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ap. 3:14-22.

Essa missiva é rica de advertência, mas de grande profundidade. Vamos buscar analisar aquilo que o Espírito diz à essa igreja, a fim de alcançarmos a sua intenção e propósito.

O Anjo do Senhor inicia a missiva endereçada à igreja de Laodicéia se identificando como o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, e o princípio da criação de Deus.

Como já provamos no trabalho que codificamos com o nome "O Anjo do senhor", ele é Jesus, o Cristo, que atuava no passado e conforme registrado nas Escrituras Antigas, e que esteve no deserto diante do povo de Israel, que simbolizava a pedra da qual eles bebiam. Portanto recomendamos a sua leitura. Por conseguinte, ele também é o Amém. E sobre esta palavra recomendamos a leitura do artigo que codificamos com o nome "Amém, e amém", onde mostramos os seus significados.
A testemunha verdadeira. Sobre isto recomendamos a leitura do trabalho que codificamos com o título "A testemunha fiel".
O princípio da criação de Deus.

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Jo. 1:3. Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo. Hb. 1:1 e 2.

O Senhor me possuiu no princípio de seus caminhos, desde então, e antes de suas obras. Desde a eternidade fui ungida, desde o princípio, antes do começo da terra. Quando ainda não havia abismos, fui gerada, quando ainda não havia fontes carregadas de águas. Antes que os montes se houvessem assentado, antes dos outeiros, eu fui gerada. Ainda ele não tinha feito a terra, nem os campos, nem o princípio do pó do mundo. Quando ele preparava os céus, aí estava eu, quando traçava o horizonte sobre a face do abismo; quando firmava as nuvens acima, quando fortificava as fontes do abismo, quando fixava ao mar o seu termo, para que as águas não traspassassem o seu mando, quando compunha os fundamentos da terra. Então eu estava com ele, e era seu arquiteto; era cada dia as suas delícias, alegrando-me perante ele em todo o tempo; regozijando-me no seu mundo habitável e enchendo-me de prazer com os filhos dos homens. Pv. 8:22-31.

Mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus. I Co. 1:24.
Como vimos, Jesus é o princípio da criação de Deus, e por quem tudo fora criado. Ele é o arquiteto e o construtor. Por isso diz ainda o Espírito na missiva aos Hebreus:

Pela fé habitou na terra da promessa, como em terra alheia, morando em cabanas com Isaque e Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa. Porque esperava a cidade que tem fundamentos, da qual o artífice e construtor é Deus. Hb. 11:9 e 10.

Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca.

O Senhor não rejeita nenhum dos que vêm a Ele. Mas esse anjo poderá ser rejeitado se não se arrepender. E se isso ocorrer Deus não é injusto. Pois ele retribui segundo as obras de cada um.
O anjo não é frio nem quente. Que isso quer dizer?

Para Deus não se pode ser coluna do meio, segundo uma linguagem usada pelos homens, se referindo a um sorteio que havia em época recente, e que era formado por três colunas, sendo a central o resultado de um empate entre as equipes competidoras, e cujo prognóstico os homens faziam pretendendo ganhar o prêmio que era conferido aos acertadores, aos que conseguissem acertar antevendo os resultados. Esse procedimento de assinalar a coluna central, muitas vezes, mostrava a incerteza do apostador quanto ao resultado. Ficou essa atitude sendo conhecida como sinônimo de indecisão. Significa pessoa que não se decide, que também é de duas caras, caráter vacilante, etc.

Quem dera foras frio ou quente. . .

Diz o Espírito por Pedro:

Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado. II Pe. 2:21. E Paulo diz:

Porque se estais sem correção, do qual todos se têm feito participantes, sois filhos bastardos.

Por essa ocorrência, ou seja, por não estarem sendo corrigidos, pensam alguns que Deus é com eles. Mas enganam-se. Pois diz a Escritura: Deus está na congregação dos justos. E como sabemos, justo é o que pratica a justiça. I Jo. 3:7. Não a dos homens, mas a de Deus. Outros pensam que por terem alcançado o que chamam de bênçãos, que isso é sinal de que Deus se agrada deles. Mas diz a Escritura que o Senhor é chegado a boca do ímpio, mas que está longe do seu coração. Jr. 12:1 e 2.

Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu.
Existem organizações religiosas que têm esse conceito de si. Existe uma no Brasil que possui hospitais, escolas, industriais, etc., e se orgulha disso. Entretanto, apesar de dizer que tem os mandamentos de Deus, nem todos os guardam. E até buscam se justificar, alegando que acendem fogo no dia do Senhor por isso não ser transgressão, alegando não ser tarefa árdua como no passado. Apesar de que as Escrituras não vinculam uma coisa à outra.

 Afirmam que conhecem a Deus, mas o negam com as suas obras. E uma das provas mais notórias de que isso é verdade, mesmo sendo essa organização rica como dizem, ela não pratica a filantropia, não dividindo o pão com o necessitado dessa entidade. Enquanto os apóstolos recomendaram que não nos esquecêssemos dos pobres. E esse proceder têm sido visto até mesmo por adeptos que lá se reúnem.
Os seus dirigentes estão confiados nos seus recursos materiais, e negam os dons como o de curar concedido pelo Espírito Santo, em quem também não crêem como dizem as Escrituras. Dizem que de nada têm falta. Mas o Senhor afirma que esse anjo é um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu. E diz mais:

Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas.

Que seria esse ouro provado no fogo?

Para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória, na revelação de Jesus Cristo. I Pe. 1:7.

E as roupas brancas?

As obras de justiça, veja:

E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino é as justiças dos santos. Ap. 19:8. E essa justiça não é a humana, mas a de Deus, cuja prática nos torna justos como êle é justo. I Jo. 3:7. E que corresponde também à armadura de Deus, que contém a sua verdade com a qual devemos cingir os nossos lombos, veja:

Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça. Ef. 6:14.

E o colírio?

As Escrituras falam do povo de Deus, dizendo:

Depois disto ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim. Então disse ele: Vai, e dize a este povo: Ouvis, de fato, e não entendeis, e vedes, em verdade, mas não percebeis. Engorda o coração deste povo, e faze-lhe pesados os ouvidos, e fecha-lhe os olhos; para que ele não veja com os seus olhos, e não ouça com os seus ouvidos, nem entenda com o seu coração, nem se converta e seja sarado. Is. 6:8-10.
Porque o coração deste povo está endurecido, e ouviram de mau grado com seus ouvidos, e fecharam seus olhos; para que não vejam com os olhos, e ouçam com os ouvidos, e compreendam com o coração, e se convertam, e eu os cure. Mt. 13:15. Se lhe untaram os olhos.

Outrossim, diz ainda:

 Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus. II Co. 4:4.

Os judeus também tinham a lei, que é luz e lâmpada, mas eles não guardavam a lei. Por isso disse Jesus:

A luz ainda está convosco por um pouco de tempo. Andai enquanto tendes luz, para que as trevas não vos apanhem; pois quem anda nas trevas não sabe para onde vai. Jo. 12:35. Enquanto tendes luz, crede na luz, para que sejais filhos da luz. Jo. 12:36, p.parte.

A única coisa que nos pode propiciar sabedoria, força, proteção, luz, etc., são os mandamentos de Deus. E essas cartas ainda que com textos diferentes mostram como se revela a multiforme graça de Deus. A sua lei ora é chamada de meu amor, ora é chamada de minha justiça, de a verdade de Deus, de caminho, de vida eterna, de lei do espírito de vida, etc.

Portanto, és inescusável quando julgas, ó homem, quem quer que sejas, porque te condenas a ti mesmo naquilo em que julgas a outro; pois tu, que julgas, fazes o mesmo. E bem sabemos que o juízo de Deus é segundo a verdade sobre os que tais coisas fazem. E tu, ó homem, que julgas os que fazem tais coisas, cuidas que, fazendo-as tu, escaparás ao juízo de Deus? Ou desprezas tu as riquezas da sua benignidade, e paciência e longanimidade, ignorando que a benignidade de Deus te leva ao arrependimento? Mas, segundo a tua dureza e teu coração impenitente, entesouras ira para ti no dia da ira e da manifestação do juízo de Deus; o qual recompensará cada um segundo as suas obras; a saber: A vida eterna aos que, com perseverança em fazer o bem, procuram glória, honra e incorrupção; mas a indignação e a ira aos que são contenciosos, desobedientes à verdade e obedientes à iniqüidade; tribulação e angústia sobre a alma toda do homem que faz o mal; primeiramente do judeu e também do grego; glória, porém, e honra e paz a qualquer que pratica o bem; primeiramente ao judeu e também ao grego; porque, para com Deus, não há acepção de pessoas. Porque todos os que sem lei pecaram, sem lei também perecerão; e todos os que sob a lei pecaram, pela lei serão julgados. Porque os que ouvem a lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a lei hão de ser justificados. Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei, não tendo eles lei, para si mesmos são lei; os quais mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência, e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os; no dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens, por Jesus Cristo, segundo o meu evangelho. Eis que tu que tens por sobrenome judeu, e repousas na lei, e te glorias em Deus; e sabes a sua vontade e aprovas as coisas excelentes, sendo instruído por lei; e confias que és guia dos cegos, luz dos que estão em trevas, instrutor dos néscios, mestre de crianças, que tens a forma da ciência e da verdade na lei; tu, pois, que ensinas a outro, não te ensinas a ti mesmo? Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas? Tu, que dizes que não se deve adulterar, adulteras? Tu, que abominas os ídolos, cometes sacrilégio? Tu, que te glorias na lei, desonras a Deus pela transgressão da lei? Porque, como está escrito, o nome de Deus é blasfemado entre os gentios por causa de vós. Porque a circuncisão é, na verdade, proveitosa, se tu guardares a lei; mas, se tu és transgressor da lei, a tua circuncisão se torna em incircuncisão. Se, pois, a incircuncisão guardar os preceitos da lei, porventura a incircuncisão não será reputada como circuncisão? E a incircuncisão que por natureza o é, se cumpre a lei, não te julgará porventura a ti, que pela letra e circuncisão és transgressor da lei? porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é exteriormente na carne. Mas é judeu o que o é no interior, e circuncisão a que é do coração, no espírito, não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus. Rm. 2:1-29.

Apesar da clareza manifesta através desse texto da missiva de Paulo aos Romanos, há quem insista em dizer e anunciar que a lei de Deus foi dada somente ao povo de Israel, falando do judeu nominal, entretanto diz mais o apóstolo noutra escritura:

Porquanto não há diferença entre judeu e grego; porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam. Rm. 10:12.
E já de a muito que Deus denuncia que os sacerdotes faziam acepção de pessoas na lei, veja:

Por isso também eu vos fiz desprezíveis, e indignos diante de todo o povo, visto que não guardastes os meus caminhos, mas fizestes acepção de pessoas na lei. Ml. 2:9.

Mas o missivista da epístola aos Hebreus fala da universal Igreja de Deus, veja:

À universal assembléia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus, e a Deus, o juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados. Hb. 12:23. Onde está ela?

À igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso: Graça e paz da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. I Co. 1:2 e 3.
Mas não pensemos que invocar o nome do Senhor Jesus Cristo significa tão somente invocar as palavras Jesus Cristo. O nome nesse caso tem mais profundidade do que se pode pensar. O nome do Senhor também significa a sua lei, veja:

Lembrei-me do teu nome, ó Senhor, de noite, e observei a tua lei. Sl. 119:55.

Para melhor compreensão sobre isso, recomendamos leitura do trabalho que codificamos com o título “Um nome sobre todo o nome”.

Disse Jesus:

E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim. Mt. 24:14.

Ora, o evangelho tem sido pregado em todo o mundo. Mas, apesar disso, não existe nenhuma organização religiosa, ou igreja, como dizem, que esteja estabelecida em todo o mundo, nem mesmo a Igreja Católica. Entretanto diz a Escritura:

E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo, dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas. E outro anjo seguiu, dizendo: Caiu, caiu Babilônia, aquela grande cidade, que a todas as nações deu a beber do vinho da ira da sua prostituição. Ap. 14:6-8.

Como já falamos em outra ocasião, apesar do progresso nas comunicações e o empenho das organizações evangélicas, o conhecimento sobre as Sagradas Escrituras se limitam a pouco mais de duas mil línguas. Enquanto que existem mais de seis mil línguas no mundo, além de oito mil dialetos. E segundo previsão dos que se ocupam das traduções e divulgação das Sagradas Escrituras, seriam necessários pelo menos cem anos para que as Escrituras pudessem ser traduzidas para todas as línguas. Assim, será necessária a intermediação de Deus, conforme vimos atrás, a fim de completar a obra neste último tempo da graça, já que o tempo que resta para o fim de todas as coisas é muitíssimo breve. E a citação textual de Apocalipse, diz que: “para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo”.

Outrossim, apesar dos ensinos das Sagradas Escrituras já terem alcançado mais de dois mil povos e línguas, o evangelho eterno ainda não os alcançou. É que evangelho não significa o que os homens têm alardeado, ou seja, os livros do que os homens convencionaram chamar de “Novo Testamento”, mas sim os Dez Mandamentos. E estes não têm sido anunciados integralmente, mas com parcialidade. Portanto, Deus haverá de providenciar a sua divulgação até para aqueles que pensam já estarem contados para a vida eterna, apesar de não observarem “As Boas Novas de Salvação”, ou o Evangelho Eterno.

Portanto, como diz em Joel:

Tocai a trombeta em Sião, e clamai em alta voz no meu santo monte; tremam todos os moradores da terra, porque o dia do Senhor vem, já está perto; dia de trevas e de escuridão; dia de nuvens e densas trevas, como a alva espalhada sobre os montes; povo grande e poderoso, qual nunca houve desde o tempo antigo, nem depois dele haverá pelos anos adiante, de geração em geração. Diante dele um fogo consome, e atrás dele uma chama abrasa; a terra diante dele é como o jardim do Éden, mas atrás dele um desolado deserto; sim, nada lhe escapará. A sua aparência é como a de cavalos; e como cavaleiros assim correm. Como o estrondo de carros, irão saltando sobre os cumes dos montes, como o ruído da chama de fogo que consome a pragana, como um povo poderoso, posto em ordem para o combate. Diante dele temerão os povos; todos os rostos se tornarão enegrecidos. Como valentes correrão, como homens de guerra subirão os muros; e marchará cada um no seu caminho e não se desviará da sua fileira. Ninguém apertará a seu irmão; marchará cada um pelo seu caminho; sobre a mesma espada se arremessarão, e não serão feridos. Irão pela cidade, correrão pelos muros, subirão às casas, entrarão pelas janelas como o ladrão. Diante dele tremerá a terra, abalar-se-ão os céus; o sol e a lua se enegrecerão, e as estrelas retirarão o seu resplendor. E o Senhor levantará a sua voz diante do seu exército; porque muitíssimo grande é o seu arraial; porque poderoso é, executando a sua palavra; porque o dia do Senhor é grande e mui terrível, e quem o poderá suportar? Jl. 2:1-10.

E, finalizando, aproveitamos o ensejo para transmitir o que nos falou há quatro anos o Senhor por um vaso:

Que ele vai ajuntar o seu povo, e que ele irá tirar um pouco de cada igreja. Que não serão muitos que virão delas. Isso nos faz lembrar o que ele já havia dito, “muitos serão chamados, mas poucos escolhidos”.
oliprest
Enviado por oliprest em 17/10/2010
Reeditado em 24/09/2011
Código do texto: T2561341
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 64 anos
1252 textos (112357 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/09/14 03:43)