Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TEMPO, POSTERIDADE E POESIA

Mais uma vez estamos expostos em praça pública. Sim, porque expor o livro ao mercado de consumo é um desafio. Chegar à materialidade do bem com ares de profissionalismo é produto de competência da equipe e de bem-querença. Ainda mais numa obra como esta, que comemora os 42 anos de vida da Casa do Poeta Riograndense, nascida em 24 de julho de 1964. Chegamos com a sola gasta e vestes rotas de tanto andar pelos caminhos.

Sobrevivemos em Porto Alegre, megalópole no Rio Grande, tão diversa dos anos sessenta, quando a CAPORI veio à luz pelas mãos de idealistas capitaneados por Nelson Fachinelli, que acaba de passar para a outra margem da vida no último abril, a 26. Uma entidade associativa que tem mais de 1.500 sócios é digna de nota e, no mínimo, de respeito. Nesta casa de aprendizes de feiticeiro tudo é fruto do esforço coletivo.

Este livro é produto da cooperação dos que o representam, em verso e prosa. Alguma poesia a mais para o registro do tempo de viver. Sonhos de amor e paz. A vida simples do povo sendo registrada para a posteridade. Lavramos nossas searas com música, dança, poesia e arte plástica. Estão aí as promoções que as recolhem: o Cafezinho Poético-Musical, o programa Vozes da Cidade e a EXPOESIA. Tudo produto cultural popular.

A vida se recria a cada página desta obra. Comprova-se que ainda há lugar para a poesia no século XXI. E que se acredita nela. Como no início dos tempos, quando os gregos a cantavam nos jardins de Academus e nas salas prenhes dos que tinham acesso à metáfora. E lá só havia lugar para os senhores do poder e da economia. Os plebeus ficavam de fora, porque nem sabiam ler, quanto mais interpretar os códigos verbais. Nós entendemos que é preciso democratizar o poema, para que a Poesia continue respirando em nosso tempo, haurindo saudade, amor e liberdade.

Mario Quintana, nosso patrono espiritual, o grande feiticeiro, é oriente de sabedoria. Deixou para os pósteros o traço genial de sua verve. Esta obra nasce como memória e homenagem aos seus 100 anos.

- Prefácio à Coletânea dos 42 anos da Casa do Poeta Riograndense, entidade-líder da POEBRAS, sediada em Porto Alegre, RS.

– Do livro CONFESSIONÁRIO – Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2006 / 2008.
http://www.recantodasletras.com.br/artigos/275670
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 28/10/2006
Reeditado em 19/04/2008
Código do texto: T275670
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709703 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 20:21)
Joaquim Moncks