Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Descolando da Ota

                        Descolando da Ota







   Defendi num artigo anterior, intitulado “As Grandes Obras Públicas”, a construção do novo aeroporto de Lisboa como sendo um empreendimento de decisão urgente devido ao facto da actual infra-estrutura se encontrar desde há muito obsoleta e presentemente quase encravada no centro da cidade, com os perigos e inconvenientes daí advindos, e de estar a estrangular o planeamento concertado e o crescimento harmonioso da Lisboa do futuro.
   Pouco tem vindo a público sobre o arranque dos trabalhos e menos se sabe ainda quando e em que moldes serão lançados os concursos nacionais e internacionais para as várias e diversificadas fases de uma obra com esta envergadura. Possivelmente as doutas cabeças da nossa administração já pensaram e acautelaram o que tem ocorrido a alguns cidadãos comuns, grupo no qual me incluo, e que passo a narrar:
   A obra é fundamental e a localização foi escolhida. Ponto assente. A grandeza do investimento e a sua durabilidade no tempo são inquestionáveis. O número de postos de trabalho directos e indirectamente necessários e gerados para a feitura do empreendimento é elevado. É sabido que a conjugação destes e de outros factores pode ser um bálsamo para a redução do desemprego e a atenuação da crise económica, mas de forma alguma será a cura, e não resolve de fundo as deficiências crónicas da nossa economia. Salvo se… aproveitássemos esta grande obra pública, em conjunto com a do CAV (comboio de alta velocidade), e outras de menor impacto, mas também elas de importância vital, para modernizar e desenvolver o nosso tecido industrial.
   Desconheço até que ponto os nossos compromissos comunitários e as leis de comércio internacional limitam o direito do nosso Estado a impor certas condições proteccionistas aos concursos que obviamente serão na sua quase totalidade ganhos pelos grandes consórcios internacionais. Creio no entanto que nada impede o governo português, e não deixaria de ser atractivo para todas as partes envolvidas, que uma certa percentagem das infra-estruturas, obras, equipamentos, tecnologias de ponta, serviços, etc. fossem obrigatória e exclusivamente desenvolvidos e produzidos no país, isto está bom de ver, sem retirar aos grupos ganhadores os seus direitos de contrato. Ou seja; os concursos públicos incluiriam de início a cláusula de que x % do contratado teria obrigatoriamente que provir do mercado interno podendo os consórcios produzirem e/ou abastecerem-se no tecido empresarial nacional no mínimo nessa percentagem.
   Sendo esta ideia possível chegamos a um outro ponto igualmente, se não mesmo, o mais interessante; Se os nossos industriais e investidores, primando pela qualidade e pela competitividade, tiverem a garantia do escoamento dos seus produtos durante um determinado período de tempo, obviamente alargado, porque não estimulá-los a modernizarem-se e a apostarem na investigação e na competitividade? Talvez até, conjuntamente com outros estreantes, muitos dos nossos descrentes e desmotivados investidores olhassem com esperança para o país apostando em modernas PME’s, em tecnologias e empreendimentos, ousados mas seguros, ganhando fôlego para competir no mercado internacional, visto haver à partida a salvaguarda do escoamento interno de parte da sua produção. Isto depois de passada a mensagem, por quem de direito, de que para tocar uma melodia afinada é fundamental ter um bom instrumento.





Moisés Salgado

alestedoparaiso
Enviado por alestedoparaiso em 29/10/2006
Código do texto: T276661

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
alestedoparaiso
Portugal
209 textos (4174 leituras)
38 áudios (1068 audições)
2 e-livros (28 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 07:01)
alestedoparaiso