Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A DOR

A  DOR
FLAVIO MPINTO

Em 1983 corria a Meia Maratona Atlântica Bradesco, em Brasília , sustentando um bom duelo com outro atleta, quando no Km 17, juntou-se a nós de bicicleta o seu treinador, que, vendo o esforço estampado na face do seu pupilo, gritou-lhe:
          -”Vamos suportar esta dor, vamos embora!”.
Também vinha no limite e sentia uma leve dor em virtude de um tendinite, mas a dor do meu rival era devido ao esforço excessivo: a dor do corredor de longa distância.
Quando se está no limiar da capacidade, o organismo encontra dificuldade em sintetizar a energia necessária para repor a que está sendo gasta.Então começa o acúmulo de Ácido Lático,substância inibidora da atividade muscular e um bom sinal do organismo avisando que algo está errado.
Este composto, o Ácido Lático, é o causador de inúmeras derrotas, algumas inesperadas. Ocorre que o corredor entusiasma-se , impõe um ritmo forte demais, gasta seu suprimento de Glicose e de repente seu rendimento cai assustadoramente. Muitas vezes derruba-o próximo da linha de chegada. Assim foi com DORANDO PIETRI na Maratona Olímpica de LONDRES, em 1908.
A explicação deve-se a corrida ser uma atividade aeróbica, utilizando o Oxigênio como principal fonte de suprimento de energia para as células musculares. Da decomposição da Glicose e das gorduras  pelo Oxigênio forma-se ATP - Trifosfato de Adenosina e uma quantidade de Ácido Lático. O ATP tem a grande propriedade de resintetizar a Glicose e reiniciar o ciclo, através de complexas reações químicas. Porém a Glicose vai se esgotando e se tornando cada vez mais Ácido Lático(este não se forma na presença de Oxigênio).
A dor do atleta ,portanto, resulta da incapacidade do seu organismo de reiniciar o ciclo energético e na conseqüente diminuição de Glicose e formação de cada vez mais de Ácido Lático.
Esta incapacidade está relacionada a diversos fatores, dentre os quais o treinamento inadequado e o limite biológico do atleta.
Os maratonistas respeitam o “muro dos 32 Km”, onde teoricamente acabam-se as reservas de gordura e o passa a utilizar-se, nos últimos 10 km, de sua vontade férrea para completar o percurso e lutar contra a dor que vai tomando conta do seu corpo.
É exatamente este fato que faz de cada Maratona, para os apaixonados da prática, um aventura emocionante. É uma luta contra a distância, contra o tempo, enfim, contra ele mesmo querendo vencer seus limites.
É a mente, no final, funcionando em condições precárias, devido ao reduzido suprimento de Oxigênio, lutando para comandar braços, pernas, cabeça, enfim, seu corpo.
É por isto que todo maratonista sente-se um forte e um semi-deus, ao chegar se arrastando e sofrendo na marca dos 42 195,21 m de uma maratona e dizendo feliz:- “EU COMPLETEI”.

(foi a minha 1ª  Meia Maratona e a completei em 1H 32 min).
- originalmente escrito em 1984.
FLAVIO MPINTO
Enviado por FLAVIO MPINTO em 01/11/2006
Código do texto: T279388

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FLAVIO MPINTO
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 65 anos
530 textos (94103 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 19:01)
FLAVIO MPINTO