Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

As novelas acabam...

Não assisto às novelas da Globo, normalmente estruturadas num certo maniqueísmo que compreende gente de bem de um lado, adeptos do mal de outro e uma fortuna ou filho no meio. Não assisto às novelas, mas leio a respeito.

Sobre o fim daquela chamada Belíssima, o que me chamou a atenção foram as pesquisas indicando que a vilã, Bia Falcão, tinha caído nas graças dos noveleiros e noveleiras nacionais.

Até onde sei, essa tal vilã matou três e fugiu para fora do país, protegida por uma gorda conta bancária. Contam-me que ela partiu desdenhando o Brasil e o povo brasileiro -justo o povo que a ama muito, sem ressalva ou restrição.

O autor da novela, Sílvio de Abreu, amparou-se em pesquisas de opinião pública para compor essa personagem bem ao gosto popular. Parece ter funcionado o excelente truque da demagogia midiática: dizer o que o povo quer ouvir, fazer o que lhe apetece e se render aos apelos da audiência. Sim, não é bom contrariar o deus consumidor!

Segundo Sílvio de Abreu, as pesquisas em que se baseou lhe garantiam que o brasileiro entende como “chata” a pessoa que observa os princípios éticos. Aqueles que o brasileiro admira são os que tentam “levar vantagem em tudo” para subir na vida –óbvio: mandando às favas o valor e escrúpulo éticos fundados no respeito, conduta tão ao gosto de certos políticos e outras figuras de destaque entre nós.

Não duvido de Sílvio de Abreu. Fico estarrecido com o descaso nacional para com a ética.

Não faz muito tempo, outra sondagem indicava que 75% dos brasileiros, caso ocupassem um cargo público, estariam dispostos a praticar a corrupção passiva e ativa  –o mesmo povo que aceita, inerte, a prisão de uma doméstica por ter roubado um pote de margarina, e que lincha um rapaz por também ter roubado o mesmo produto (casos ocorridos em São Paulo e em Dourados, Mato Grosso, amplamente divulgados).

Do exposto parece que podemos concluir que, na mentalidade brasileira atual, a coisa pública é para ser roubada; a propriedade privada é para ser mantida segundo a lei do “olho por olho, dente por dente”.

Fazer o que? Dizer o que? Quando a verdade é condenada e a mentira leva a melhor de modo amplo, geral e irrestrito, tanto por certos políticos quanto por alguns professores, advogados e juízes... o que se pode fazer?

Assim, não dá!

Terá um outro lugar no mundo para onde eu possa ir -de preferência sem essa gente que nem se lixa para a falta de ética que campeia esses brasis?
Wilson Correia
Enviado por Wilson Correia em 02/11/2006
Reeditado em 15/01/2009
Código do texto: T280320

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wilson Correia
Amargosa - Bahia - Brasil
1192 textos (497708 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:42)
Wilson Correia