Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Liberdade na Literatura

Ultimamente, venho pensando bastante sobre isso, o que só se dá porque agora tenho tido tempo para escrever. Sim, liberdade na literatura é necessário, e nada tem de preciso; explico: no sentido de exatidão. Sem liberdade, vejo prazer nenhum em criar, se bem que há quem defenda que restrições e censura estimulam a criatividade, pois temos sempre que encontrar caminhos que desviam das proibições, e isso sem que percebam que os estamos seguindo, esses caminhos, falo. Pois bem, quando penso em liberdade na literatura, refiro-me não a uma libertinagem na quebra de regras puramente lingüísticas, ou melhor dizendo: gramaticais, a uma cavalgada cega ou ignorante nas praias da linguagem. Não, falo de algo mais profundo, na dimensão dos sentidos, das conotações, do ‘desforme’ das formas bem-comportadas, na cunhagem de um estilo original. E neste senso, liberdade na literatura é essencial. Há quem possa pensar que uma tal liberdade não se goza nas ciências exatas, mas penso que a coisa não é bem assim. Por exemplo, para chegar aos modelos que chegaram, Einstein, Hawking e outros monstros na Física e na Matemática tiveram que dispor, também, de muita, mas muita fantasia e liberdade de imaginação. Ou seja, um mundo não está totalmente dissociado do outro. Na verdade, quanto mais mundos alguém possui dentro de si, maior a probabilidade de ter uma imaginação mais rica, em todos os sentidos. Por isso, voltando à literatura, nos dias de hoje, em que o texto literário tem perdido muito campo para (e vem sendo até confundido com) o produto editorial, concordo com Juan Goytisolo, escritor espanhol, quando diz que é muito importante não se deixar cair na tentação do comercial, não fazer concessões — coisas do tipo escrever para agradar a certos públicos, ou para conservar um certo número de leitores já conquistados. Se o objetivo de alguém é a pura literatura, fazer concessões, por certo, só delimita o campo das experimentações, onde podem nascer novas propostas. “Ah, mas ninguém vai querer comprar o meu livro!” Se o seu objetivo é vender, então não é para você este artigo, melhor que leia os gurus. Mas se o seu objetivo com a literatura é mais profundo, se você busca, como Juan Goytisolo (aqui também me incluo), mais re-leitores do que leitores (pois todo bom texto convida a ser relido), se você busca criar textos para ‘incomodar’, literariamente falando — incluindo aspectos políticos, religiosos, culturais, crítica social, etc. —, aí sim, esta reflexão é também dirigida a você. Neste ponto, minha opinião, que coincide mais uma vez com a de Goytisolo, é a de que, para se chegar a um alto nível de liberdade na literatura, além de muito conhecimento, trabalho e certa dose de talento, é muito importante não dependermos do mercado editorial. Ou seja, ao invés de sobreviver do que se escreve, financeiramente falando, muito melhor é trabalhar para poder escrever sobre o que quiser. Esta liberdade não tem preço!


----------------------------------------------------------------------------
Não sigo o novo acordo ortográfico em Língua Portuguesa. Se deseja reproduzir este texto, no todo ou em parte, favor respeitar a licença de uso e os direitos autorais. Muito obrigada.

Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 12/03/2011
Reeditado em 12/03/2011
Código do texto: T2843426
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (36218 leituras)
47 áudios (2337 audições)
45 e-livros (1937 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/11/17 08:04)
Helena Frenzel