Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Intolerância



Giordano Bruno - o pensador italiano queimado vivo na Idade Média por ter defendido a ideia da infinitude do Universo e de sua transformação contínua - é um exemplo eloquente do obscurantismo e da intolerância daquela época, quando todos deveriam prestar aceitação cega às “verdades” estabelecidas.

Algum tempo depois, Galileo Galilei (1564 - 1642) teve de abjurar para não ter o trágico fim do compatriota. Ele defendia a ideia, absurda para a época, de que a Terra não era o centro do Universo. Embora tendo escapado à morte, conviveu com uma prisão domiciliar até o final de seus dias.

Espinoza, como Sócrates, foi condenado pelo poder político local ao se opor às idéias dos dirigentes, por não cultuar as suas personalidades e nem as divindades do Estado, e afirmar ser o conhecimento a verdadeira salvação. Para ele, não poderia haver um Deus propriedade de qualquer agrupamento.

Estas páginas trágicas de nossa história servem para uma reflexão sobre a intolerância e suas conseqüências, pois ela continua tão presente como naqueles negros dias medievais.

Dentre as deficiências psicológicas do ser humano, a intolerância é a que mais dificulta a convivência; é um grande obstáculo para a evolução humana, que necessitará do concurso inestimável do semelhante na jornada de aperfeiçoamento a ser empreendida durante a vida; se não sabe conviver, terá a sua evolução limitada.

A intolerância implica  falta de respeito às idéias alheias,  inflexibilidade,  dureza de juízo.

É difícil aceitar as idéias de outras pessoas quando não coincidem com as nossas; fomos educados nessa rigidez comportamental, a qual nos impede compreender que podem existir idéias diferentes das nossas, e os seus defensores não são nossos inimigos.

A intolerância leva o ser humano a não admitir oposição. Ele vê no opositor um inimigo, sem aperceber-se que a oposição pode ser construtiva, pois nos faz pensar, refletir sobre nossos pontos de vista e concluir que podemos estar errados. Os ditadores não admitem oposição. O opositor deve ser afastado, eliminado; só assim o ditador sente-se confortável.

Os que impõem, os impostores, estão aí, como naqueles negros dias medievais; nos governos, nas empresas, em instituições diversas, nas mentes dos seres humanos, pensamentos retrógrados encarcerando-nos numa rigidez milenar, a qual têm afastado o ser humano de si mesmo e de seus semelhantes. Surpreender esta realidade em si  e trabalhar para eliminar esse tipo de pensamento é o único caminho capaz de livrar-nos desse obscurantismo.

Educar as crianças no sentido da flexibilidade psicológica, desde que as idéias antagônicas não firam os princípios básicos da harmônica convivência , significa incutir no educando a tolerância, a qual lhe permitirá respeitar o semelhante e ser respeitado.


NAGIB ANDERÁOS NETO
www.nagibanderaos.com.br


 
Nagib Anderáos Neto
Enviado por Nagib Anderáos Neto em 10/11/2006
Reeditado em 26/12/2014
Código do texto: T287757
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Nagib Anderáos Neto www.nagibanderaos.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nagib Anderáos Neto
São Paulo - São Paulo - Brasil
366 textos (88024 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 08:15)
Nagib Anderáos Neto