Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A ITINERANTE POESIA

Graças ao milagre da virtualidade, acabo de receber os originais de POESIA DESCALÇA, o novo livro de Darci Cunha, prosador, poeta e ativista cultural. Este gaúcho radicado há cerca de dez anos em Campo Grande, formação acadêmica em engenharia agronômica, vem lavrando bem suas plantações espirituais. É cuidadoso com estas coisas da mente humana. Sabe que, antes de criar o verso e a prosa torna-se necessário ler, e muito.

Temos uma convivência intelectual que muito me honra e, hoje, já podemos usufruir de uma excelente bonomia no trato do que é incomum, o versejar. Este, para muitos, é tarefa fácil, mas, para quem aceita o desafio de marcar passagem, sabemos que a inspiração não é suficiente. Também aprendemos que nada está pronto, nada é definitivo, em matéria de Poesia.

Apresento a você amigo leitor, um andejo, um poeta itinerante que marca a sua passagem como pessoa, como ativista cultural e belo chefe de família. E que tem dado tudo para a sua morada de eleição, de escolha pessoal. Tal qual Antonio Pereira, o fundador de Campo Grande, é também um visionário. Apostou e ganhou a parada. E quer deixar a sua obra lavrada nesse solo bendito.

Agrada-me depor para a história literária do Mato Grosso do Sul, estado federado dos mais significativos, por sua formação, por sua história. Fico feliz em ser mais um a ajudar na sua construção. Se tantos outros fizeram tanto e bem, nessa terra abençoada minha alma tem feito morada.

Aposto no futuro literário dessa “beleza guaicuru”, agreste, em apreciável processo de contemporanização, inclusive na Cultura. Agrada-me depor para a memória de um estado que possui homens e mulheres comprometidos com o passado, o presente e o futuro. Desde as reduções guaranis até o estro criativo e empreendedor de Hildebrando Campestrini, Manoel de Barros, Raquel Naveira, Américo Calheiros e Ruberval Araújo Cunha, só para relembrar os que estão profundamente introjetados em mim.

Leitor amigo! Sê bem-vindo ao sol, ao louro dos trigais, às flores dos caminhos, à beleza dolente dos mugidos dos bois em comitiva, à placidez anônima do Pantanal, onde a vida se faz silenciosa. Construa-se, DESCALÇO, neste templo urbano moderno, de quase oitocentas mil pessoas que fazem a vida citadina em Campo Grande.

Talvez encontres um pedaço de Deus nesta obra, porque ela anda descalça como Jesus Cristo. Amorosa, falando a sua linguagem doce. Humana, porque o seu autor sabe que o poeta é o anjo pecador do fato de viver, contando a sua saga com a coragem dos que amam o dia-a-dia. Desta para a outra margem, sempre roto de vestes e joelhos.

E tu, leitor, queres dar uma voltinha nas trilhas amorosas de POESIA DESCALÇA?

Porto Alegre, RS, 13 de novembro de 2006.
– Do livro CONFESSIONÁRIO – Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2006 / 2008.
http://www.recantodasletras.com.br/artigos/290305
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 13/11/2006
Reeditado em 19/04/2008
Código do texto: T290305
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709694 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:23)
Joaquim Moncks