Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O HOMEM, O COMPANHEIRO E O POETA

Andréa Jerônimo (*)

Sensibilidade, telurismo e realismo. Assim é o homem que mora em Joaquim Moncks.

Homem este que constrói a sua casa espiritual "pedra a pedra, esgorja o espírito e é de súplicas que os convivas vivem." (in O POÇO DAS ALMAS, poema “Escritura de Nascimento”. Universidade Federal de Pelotas, 2000, pág.76.

Seu realismo, sua vivência, esta transparência, o jeito de falar sem medir palavras, é o do engenheiro que sabe como faz, e o faz por Amor. Aliás, aprendi com Vinicius de Moraes, que o Amor é uma explosão, capaz de denunciar todas as guerras, como se pode ver em sua decantada "Rosa de Hiroshima".
 
E por falar em amor, JM é uma "Rosa no Bar" (obra citada, p.75), de um amor sofrido e por que não dizer morrido? Sua bailarina brinca e baila em lembranças, como se projetasse seu destino nas sapatilhas da entrega.

Este amor, esta entrega é quase uma dor profunda. Esta forma, esta maneira de ver a vida como se fosse sempre cor-de-rosa com bolinhas brancas, faz o homem, o companheiro e o poeta de um só elemento. Tudo perfeito, nuns quebra-cabeças múltiplos, peças espalhadas, difíceis de juntar à primeira vista.

O poeta Moncks é por vezes, inspiração, mas é a transpiração, o trabalho sobre a idéia original, a que mais prevalece.

Nos últimos anos, descubro que o poeta vê o real como se fosse poesia. Tem vários semideuses que ele cria dentro de si como fosse um Netuno, suas tempestades nas marés da vida, sua doença, como o diabetes, que ele julga que é uma "dádiva" para o aprimoramento do espírito e a nova vida que ele crê que virá no desabrochar de sua (nova) escritura de nascimento. Para nós, simples criaturas comuns, fica apenas a impressão de que o mal, o pecado, se instaura sobre a humanidade.

No poema América, Carnaval e Cinzas, criado durante a sua prisão política, de 28 de junho a 26 de julho de 1981, (em sua lira dos tempos de chumbo, período que ele vivenciou e eu quase nada, tendo notícia somente por literatura, porque nascida em 1975) JM diz, na parte lírica do poema, no qual denuncia a exploração do homem, na América Latina: “E o vinho, sangue vivo do suor de América, assentou liberdades. Em recolhimento, descubro que só a angústia dá a verdadeira dimensão humana. E a alegria é somente um passo, compasso para fechar o círculo.". E como sempre o acompanham os semideuses, figuras míticas de seu interior, aqui é o deus Baco que fomenta a sua criatividade.

É sempre assim, mormente no inverno, quando o cálice de vinho cabernet sauvignon liberta os seus duendes refletidos no monitor do computador, no qual redescobriu o prazer de criar, diretamente, após tantos anos de papel e caneta, porque excepcionalmente escreveu a lápis. Seus versos sempre nasceram à tinta, sem rascunhos.

No entanto, é pertinaz na busca da forma, tanto em verso como em prosa. Para ele, a obra nunca está pronta. Mesmo depois de publicado, está sempre procurando a melhor forma de dizer o que criou. Tem um livro de poemas regionalistas, DE QUANDO O CORAÇÃO ABRE A CORDEONA, que foi iniciado em 1978, e no qual está trabalhando há mais de 25 anos.

Esta capacidade de somar e não diminuir, traz no poeta o homem sensível que canta as misérias do mundo, mesmo que ele entre pela “Porta dos Fundos” (idem, ob. cit., p.104).

Assim é o Moncks, o companheiro-poeta, que vive harmoniosamente este “Amor Maduro”, pág. 35 da mesma obra citada, e sabe que, na vida, "Tudo brinca de esconde-esconde" e "Esfumam-se as imagens nos filmes do ontem" (idem, p.57).

Enfim, a arte poética de Joaquim Moncks apenas copia a vida, tal como ele a vê e a concebe. É a realidade o seu permanente arrimo.

– Do livro EROS E OUTROS TEMAS - Poesias, contos, crônicas, artigos. São Paulo: ALPAS XXI – Scortecci, 2003, p. 19:20. Texto original revisado.

– Do livro CONFESSIONÁRIO – Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2003.
http://www.recantodasletras.com.br/artigos/296490

(*) Professora do ensino fundamental. Técnica em Enfermagem. Tecnóloga em Radiologia Médica. Declamadora. Ativista cultural. Esposa do criticado. Nascida em Laguna, SC, em 25Fev1975. Mercê de sua forte personalidade e dedicação, construiu um admirável espaço na Casa do Poeta Rio-Grandense, na qual freqüenta a promoção “Cafezinho Poético-Musical”, onde granjeou um considerável número de admiradores e amigos. Ocupa a cadeira nº. 04, patronímica de Luciana de Abreu, na Academia Literária Gaúcha – ALGA, sediada em Porto Alegre, cidade onde reside. End. eletrônico: deiajer@ibest.com.br
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 20/11/2006
Reeditado em 26/04/2008
Código do texto: T296490
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709762 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 10:52)
Joaquim Moncks