Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ENSINO TRADICIONAL DA MATEMÁTICA X RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

     As características de uma aula no modelo de ensino tradicional da matemática estão   dentro de uma visão onde o processo de conhecimento e a constituição do ser humano são  fatores que se definem através da hereditariedade maturidade do raciocínio, e assim  excluindo suas interações socioculturais na formação das estruturas comportamentais e cognitivas da criança, conforme Rego (1995). Assim neste modelo de aula o educador não desafia, não amplia nem se coloca a disposição para o desenvolvimento individual, restringindo-se apenas ao que ensina, e o aluno tem sua capacidade de desenvolvimento limitada. Na prática o ensino tradicional trata o aluno como sendo um individuo que nada sabe, não se leva em conta seu conhecimento prévio e social. O professor diz como e o que deve ser feito, levando o aluno a se cansar de fazer sempre a mesma coisa repetidas vezes quando as vezes já sabe o resultado, fazendo a seu modo sem usar formulas decoradas.
     No ensino tradicional da matemática, é possivel observar que o processo de ensino apenas o professor transmite e os alunos recebem e   realizam de forma repetitiva e mecanizada os exercícios, acarretando, por parte do aluno, memorizações de como estes exercícios foram desenvolvidos (cabendo ao aluno a responsabilidade em aprender) e que após repetir inúmeras vezes consegue memorizar e dar resultados, mas não funciona com todos, pois  as características individuais são determinadas por fatores externos ao indivíduo.
     A escola e o ensino são supervalorizados e os conteúdos e procedimentos didáticos não tem relação com o cotidiano do aluno e muito menos com as realidades sociais. É o professor que dita as regras transmitindo o que acha ser necessário, valoriza o trabalho individual, a concentração, o esforço e a disciplina, como garantias de que o aluno dessa forma possa adquirir conhecimento. Trocar informações, questionar dúvidas,  a comunicação entre os alunos, a interação com os colegas, é simplesmente interpretada como falta de respeito, dispersão, indisciplina e chamado ainda de conversadas paralelas. Dá-se, como necessário apenas à interação professor e aluno, este ensino, é centrado no professor, que deve ser rigoroso na tarefa de direcionar, punir, treinar, vigiar, organizar conteúdos, avaliar e julgar comportamentos para garantir melhor aprendizagem, assim o sucesso do professor e sua competência dependem da associação entre estímulos por ele ditados e respostas corretas por parte do aluno, sendo que o erro seja eliminado, sendo a aprendizagem confundida com a simples memorização do conteúdo conseguida através da repetição de exercícios sistemáticos de fixação e estimulada por reforços positivos com elogios, recompensas ou negativos (notas baixas, castigos, etc.).
      Neste modelo de ensino tradicional o aluno que chega a escola é considerado alguém que nada sabe e que não tem conhecimentos prévios sobre matemática ou qualquer outra disciplina, é considerado vazio de conhecimentos. FREIRE (1979) refere-se  "O educador, que aliena a ignorância, se mantém sempre em posições fixas, invariáveis. Será sempre o que sabe, enquanto os educando serão sempre os que não sabem. A rigidez destas posições nega a educação e o conhecimento como processo de busca".
     Quanto as características de uma aula tendo como referência a RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS como forma eficaz para o ensino e aprendizagem da matemática, esta possibilita ao aluno desenvolver a capacidade de pensar e gerenciar informações e resolver  problemas tanto na sala de aula como em seu dia a dia,  quando no convívio social, Segundo DANTE (1991), “ é possivel por meio da resolução de problema desenvolver no aluno iniciativa, espírito explorador, criatividade, independência e a habilidade de elaborar um raciocínio lógico e fazer uso intelegente e eficaz dos recursos disponíveis, para que ele possa propor boas soluções as questões que surgem em seu dia a dia, na escola ou fora dela”.
     Durante uma aula de matemática tendo como referência a resolucão de problemas é o professor que faz o aluno despertar para o interesse  e o gosto em estar solucionando problemas,mesmo que enfrente dificuldades em mostrar para o aluno a difêrença entre resolver um problema ou simplesmente resolver um exercício. Durante a aula e a procura pela solução do problema os alunos encontram novos fatos e cabe ao professor nessa hora motiva-los a encontrar as outras varias maneiras de resolver o mesmo problema,  despertando assim no aluno a curiosidade e um grande interesse pela matemática, e ainda aguçam a capacidade em solucionar mais e mais problemas, desenvolvendo assim auto confiança. “Um problema matemático é uma situação que demanda a realização de uma sequência de ações ou operações para obter um resultado, Ou seja, a solução não esta disponivel de inicio, mas é possível construí-la” (PNC, 1998).
     Durante a resolucao de problemas tanto professor quanto aluno desenvolvem o gosto pela matemática e quando estes problemas desafiam suas curiosidades na busca a novas estratégias aumentam a capacidade de raciocínio e juntos compartilham e criam idéias de como encontrar a melhor solução. O professor deve estar atento e ter preocupação também para o fato de que o aluno tenha pré-requisito para  resolver o problema exposto, saber se este já tem conhecimento prévio, para não criar aversão a matematica. O professor não deve dar respostas prontas mas sim encoraja-los como por exemplo: vamos pensar mais um pouco, será que é isto que o problema esta pedindo para fazer, discuta com o colega, respostas desse tipo encorajam e mantem professor e aluno envolvidos no problema,  e aos poucos vão perguntando menos e se tornando independentes.
     O que para o professor pode ser um problema a ser resolvido  para o aluno pode ser a solução de algo que esta longe de ser entendido por quem ensina,mas se este tentar ententer o mundo em que o educando vive poderar acompanha-lo na trajetória da resolução de problemas que talvez possam ser os seus próprios, e com esta interação um ajuda o outro a construir o verdadeiro significado do ensino da matemática tomando como referência a RESOLUCÃO DE PROBLEMAS.

REFERÊNCIAS:
DANTE, L, R. Didática da resolução de problemas de matemática. 2 ed.São Paulo: Ática,1991.

FREIRE, Paulo - Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra. 1979.
____________ - Pedagogia autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1996.

REGO, Teresa Cristina Vygotsky - Uma perspectiva histórico-cultural da educação.  2ª ed. Petrópolis, Rio de Janeiro. Vozes,  1995

MEC (1998) Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos: Apresentação dos temas transversais- 1998. Secretaria de Educação Fundamental, Ministério da Educação e do Desporto, Brasília, DF.

VERTUAN, Rodolfo Eduardo. et. al. Instrumentação do trabalho pedagógico nos anos iniciais do ensino fundamental. In UNIVERSIDADE DO NORTE DO PARANÁ: Pedagogia: Módulo - VI. Londrina: UNOPAR, 2009. (pág.51 a 86).
MACIEJEWSKI JAIME VITAL
Enviado por MACIEJEWSKI JAIME VITAL em 26/08/2011
Reeditado em 29/09/2011
Código do texto: T3183824
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
MACIEJEWSKI JAIME VITAL
Vitória - Espírito Santo - Brasil
33 textos (57481 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/10/14 13:10)
MACIEJEWSKI JAIME VITAL



Rádio Poética