Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MUSEU A CÉU ABERTO

O CONPPAC-Conselho de Preservação do Patrimônio Cultural tem recebido, com certa freqüência, pedido de tombamento de alguns túmulos existentes no Cemitério da Saudade.

Segundo o parecer de Tânia Cristina Registro, Historiadora Técnica responsável pelo Arquivo Público Municipal, enviado aos membros desse órgão,(criado  por Lei no. 7521 de 17/10/1996)  como membro de uma comissão formada para análise desses processos  “ o Cemitério da Saudade, inaugurado no ano de 1892 e tornado público em 1º. de setembro de 1893 por ato do então intendente Arthur de Aguiar Diederichsen, foi o primeiro cemitério da cidade localizado fora dos limites do Patrimônio da Fábrica da Matriz (quadrilátero  entre as avenidas Independência, Francisco Junqueira, 9 de Julho e Ribeirão Preto) .

Instalado em uma gleba do antigo Núcleo Colonial Antônio Prado, o Cemitério da saudade foi fator decisivo de expansão dos limites da cidade e responsável pela formação do bairro Campos Elíseos.

Até 1930, o cemitério possuía 16 quadras e 1597 carneiras,  sendo,  portanto, algumas sepulturas,  dos primeiros períodos da existência desse cemitério: um verdadeiro  museu a céu aberto,  se considerarmos seus aspectos arquitetônicos e a presença de sepulturas de inúmeros personagens da história local.

Faz-se urgente o desenvolvimento de um Projeto de Preservação, modificando-se, inclusive, a legislação municipal que prevê demolição de sepulturas pontualmente, o que pode abrir  espaços para que haja o início de um processo de especulação imobiliária dos terrenos localizados no referido cemitério “.

Faz-se urgente que tomemos providências enérgicas no sentido de preservarmos mais esse patrimônio histórico de Ribeirão Preto, a exemplo do que já fizeram outras cidades.

Vejam, por exemplo, o que encontramos no site www.campinas.sp.gov.br, da cidade de Campinas: “Oferecendo abrigo para os restos mortais de moradores de Campinas desde o final do século 19, o Cemitério da Saudade não é apenas um repositório de recordações, tristeza e fé. Tombado como patrimônio cultural da cidade em novembro de 2003, o cemitério lista um acervo de pequenas e grandes obras, expressivas das representações que a arte produziu durante uma década como ideal religioso em torno da morte. São jazigos e capelas adornados por estátuas forjadas em material nobre, concebidas geralmente dentro de um academicismo refinado de grandes escultores”.

Eis um exemplo a ser seguido por Ribeirão Preto, e que poderia ter como base os livros “A arte funerária no Brasil -1890 -1930 – Ofício de marmorista italiano em Ribeirão Preto “e“ Arte tumular – Produção de marmorista de Ribeirão Preto no período da República“, de Maria Elizia Borges, disponíveis para consulta no Arquivo Público Municipal.
Tórtoro
Enviado por Tórtoro em 12/07/2005
Código do texto: T33332
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tórtoro
Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil, 67 anos
176 textos (27931 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 14:26)
Tórtoro