Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RITO DE PASSAGEM

“Ele era um velho que pescava sozinho em seu barco, na Gulf Stream”.
                                                 Hemingway

Sempre que preciso passar alguns dias fora de casa, tenho a sensação de que vou morrer: mesmo que a viagem seja para o litoral, durante as férias.
É uma sensação de perda, de medo de sair do útero, de uma insegurança inexplicável: sinto-me sozinho na tomada de decisão.
Mas, é claro, acabo sempre indo porque adoro sentir o mar, pular sete vezes setenta ondas, admirar o vôo das gaivotas, envolver-me mentalmente com as quase eternas nuvens escuras que cobrem a Serra do Mar.
Chegando ao meu destino, frente à força do sol, do mar, do vento, da areia, a sensação é incrivelmente gratificante: sinto-me no céu, no meu habitat, no cenário que meus instintos escolhem para realização dos meus melhores sonhos.
Mas na hora da partida, novamente a vontade de ficar confunde-se com o desejo de voltar para casa, para meu aconchego, minha saleta de trabalho, meu computador, meus e-mails.
Esse processo faz-me refletir sobre os infinitos ciclos de nascimento e de morte que, inexoravelmente, fazem parte da vida de todo ser humano.
Penso que, quando estamos vivos, não queremos morrer, apesar de toda a curiosidade que cerca a vida após a morte, simplesmente porque não temos uma mínima idéia do que é a imortalidade.
Mortos, tenho a impressão de que, mesmo estando muito bem, voltamos a sentir saudades de todas as coisas que vivemos em vidas anteriores na terra, e a vontade de voltar far-se-á sentir a qualquer momento.
Essa vontade de estar em casa e na praia, parece-me do mesmo tipo daquela que nos faz querer estar no céu sem sair da terra e vice-versa.
Também é interessante o ritual que envolve cada dia, passado em férias, na praia, quando o tempo está instável.
Cada raio de sol é absorvido como se fosse o último, cada onda é vencida como se fosse a última, cada caminhada matinal na areia é como se fosse a de despedida, e tudo isso por não sabermos se, no dia seguinte, teremos outra oportunidade de sentir o calor do sol, a força das ondas, a maciez da areia.
E então, envolvido por essa atmosfera mística, volto meus olhos para a enorme imagem de Iemanjá, construída perto da divisa das praias Ocian e Mirim, na Praia Grande, faço uma saudação — Odoiá, minha mãe —, deixo meu presente para a Rainha do Mar e volto para debaixo da proteção do meu guarda-sol para tomar uma cerveja gelada e comer um espeto de camarão.
É tudo um rito de passagem.
É tudo muito mágico.
É tudo muito simbólico como a mensagem sinuosa e indecifrável que escreve o vôo de um bando de dezenas de alvíssimas aves, acima da linha do horizonte, sobre as pesadas nuvens em alto mar.
Tórtoro
Enviado por Tórtoro em 13/07/2005
Código do texto: T33857
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tórtoro
Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil, 67 anos
176 textos (27929 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 08:02)
Tórtoro