Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FUNDAMENTALISMO MIDIÁTICO

“ A imprensa é anã”
Mino Carta

Numa de suas  palestras o jornalista  Mino Carta,  editor-chefe da revista Carta Capital e um dos fundadores das revistas Veja e Isto É  — das quais saiu devido à mudança da linha editorial delas —  disse que “ no Brasil, os fatos são  mostrados como melhor convém àqueles que estão divulgando a notícia. Hoje em dia parece valer mais um gordo contrato publicitário do que a verdade dita sem censura, sem meandros , doa a quem doer. Por que não se diz a verdade ? “ .
Para Mino Carta , os donos da mídia  parecem acreditar naquilo que eles mesmos mandaram seus repórteres escrever.
“ Nunca entendi porque grande imprensa. Eu a considero anã” , declarou ele, conseguindo traduzir em poucas palavras a subserviência da mídia nacional ao poder.
É terrivelmente preocupante quando, por motivos pessoais, o proprietário de um determinado jornal de Ribeirão Preto resolve cortar meu nome de todos os releases que lhe são enviados.
Fico a pensar : quantos outros nomes e  fatos não estarão sendo cortados pelos mesmos motivos particulares ? Quantos outros tantos fatos não estarão sendo noticiados simplesmente porque o autor do texto ou o promotor do evento  é amigo do dono, ou amiga da mulher do dono, ou , enfim , é alguma coisa de quem manda no jornal ?
É muito preocupante quando alguém que nem jornalista é, mas que por algum motivo chegou ao comando de um jornal, afirma que nos textos enviados ao seu jornal  a menção a nomes de empresas foge totalmente ao fim dos textos que devem ser publicados e que esses são cortados, vez que essas menções atrapalham a sua área comercial ?
Qual será o fim de um texto sob o enfoque de um diretor industrial de um jornal  ?  Um texto perderia a sua finalidade caso seu conteúdo trouxesse para a comunidade uma informação  sobre o papel cultural e cidadão de uma determinada empresa?  E se a empresa em questão fosse uma grande  anunciante do seu jornal ?  Poderia ? O  mesmo texto passaria a ter um fim ?
Graças às exceções na mídia ribeirãopretana, ainda consigo dar vazão à minha indignação e continuo acreditando na liberdade de imprensa, assegurada no parágrafo IV do artigo 5º. Da Constituição que garante a todos o acesso à informação .
O artigo 220 complementa o direito à liberdade de imprensa : “ A manifestação de pensamento, a criação , a expressão e a informação , sob qualquer forma,  processo ou veículo, não sofrerão qualquer restrição “ .
Será que o artigo 220 da nossa Constituição não pegou, como se costuma dizer,  para  alguns  jornais de Ribeirão Preto que insistem em afirmar, da boca para fora — mas negando nas suas páginas  — que a comunicação é a essência da liberdade e da democracia com a qual comungam e defendem ?
Palavras, palavras, vãs palavras. Mino  Carta tem toda a razão.

     ANTÔNIO CARLOS TÓRTORO
PRESIDENTE DA ARL-ACADEMIA RIBBEIRÃOPRETANA DE LETRAS
Tórtoro
Enviado por Tórtoro em 13/07/2005
Código do texto: T33865
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tórtoro
Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil, 67 anos
176 textos (27931 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:29)
Tórtoro