CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

SANTO AGOSTINHO E O TEMPO



Algumas duvidas teológicas muito sérias não tem satisfatoriamente sido resolvidas para comigo. Tenho muitas duvidas a respeito de sérias questões bíblicas. Mas não tenho duvidas a respeito da Bíblia, que é a inerrante Palavra Revelada de Deus ao ser humano.

Curiosamente, ao léu, estava a alguns anos atrás, pesquisando o universo, estudando pela Internet, sem procurar nada especifico e deparei-me com o conceito de tempo de Einstein e a sua Teoria da Relatividade. O que me despertou a atenção, de forma gritante, pitando um enorme sinalizador, brulhento, dentro de mim, foi uma frase que li, que dizia que Einstein foi obrigado a ler os escritos de Santo Agostinho, um monge católico, um cristão, quando ele falou sobre Deus e sobre o tempo, a história e outros assuntos correlatos.

Pra mim a leitura de Santo Agostinho, no seu livro Confissões (chatíssimo enquanto fala de sua pessoa e seu tempo, mas imprescindível, quando no final, como um adendo, após falar sobre si, como quem não tem mais o que falar, se mete a explicar Gênesis 1:1 e João 1:1.

-.-

Agostinho fala assim: O que é o tempo? Se ninguém me perguntar eu sei explicar...se alguém me perguntar, eu já não sei.

Agostinho começa cogitando o que fazia Deus antes da criação do mundo. Depois afirma que existe um eterno hoje. E ao perguntar o que é o tempo, diz que não houve tempo em que não fizemos alguma coisa, pois fazemos o tempo todo.

“Se nada sobreviesse, não haveria tempo futuro, e se agora nada houvesse, não existiria o tempo presente.”

“De que modo existem aqueles dois tempos – o passado e o futuro -, se o passado já não existe e o futuro ainda não veio?”

“O que agora transparece é que nem há tempos futuros nem pretéritos. É impróprio afirmar que os tempos são três: pretérito, presente e futuro. Mas talvez fosse próprio dizer que os tempos são três: presente das coisas passadas, presente das presentes, presente das futuras. Existem, pois, estes três tempos na minha mente que não vejo em outra parte: lembrança presente da coisas passadas, visão presente das coisas presentes e esperança presente das coisas futuras. Se me é licito empregar tais expressões, vejo então três tempos e confesso que são três.”

-.-

Já tinha lido a respeito desse livro Confissões do Agostinho e já tinha ouvido alguém do seminário falando o quanto era chato o livro. Demorei um tempo para achá-lo e comprá-lo – hoje você o acha na Internet, fácil. O cap. 11 fala sobre o tempo. No meu livro, o cap 11 está claramente marcado como lido e relido, conquanto o restante, antes e depois estão intactos, novinhos.

-.-

Esse conceito do que é o tempo é algo muito importante.

Eu volto a falar sobre o assunto e sobre Santo Agostinho...


-.-

O livro está aqui:

http://www.4shared.com/office/wBuoo8pd/Confissoes_-_Sto_Agostinho.html
pslarios
Enviado por pslarios em 01/02/2012
Código do texto: T3474585

Comentários

Sobre o autor
pslarios
São Paulo - São Paulo - Brasil
267 textos (61160 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/07/14 15:26)